Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Tráfego suspenso em Suez por navio encalhado; pode levar semanas

Operação para desencalhar um enorme navio no Canal de Suez, Egito, 25 de março de 2021 [Centro de Mídia do Canal de Suez]
Operação para desencalhar um enorme navio no Canal de Suez, Egito, 25 de março de 2021 [Centro de Mídia do Canal de Suez]

Um navio de contêineres obstruindo o canal de Suez — descrito como uma espécie de “baleia encalhada” — emitiu alertas ao comércio global nesta quinta-feira (25), à medida que oficiais suspenderam todo acesso à hidrovia, ao advertir que o resgate pode levar semanas.

As informações são da agência Reuters.

A embarcação Ever Given, com 400 metros de extensão, quase tão grande quanto o Empire State Building, está bloqueando o tráfego em ambas as direções de um dos mais movimentados canais de navegação de petróleo, grãos e comércio geral entre Ásia e Europa.

A Autoridade do Canal de Suez informou que oito rebocadores operam no local para movimentar o navio, que encalhou diagonalmente na terça-feira (23), na via única da faixa sul da hidrovia, em meio a fortes ventos e uma tempestade de areia.

“Não podemos excluir a possibilidade de que pode demorar semanas, a depender da situação”, declarou Peter Berdowski, diretor executivo da empresa holandesa Boskalis, que tenta socorrer a embarcação, ao noticiário televisionado de seu país.

Dezenas de embarcações — contendo contêineres, petróleo e derivados, gás natural, grãos e outras mercadorias — tiveram de recuar aos limites do Canal de Suez, resultando no pior congestionamento marítimo em décadas.

A autoridade de Suez permitiu alguns navios a entrar no canal na esperança de que fosse desobstruído; contudo, suspendeu provisoriamente todo o tráfego na manhã de hoje.

Trinta embarcações navegaram em direção sul ao Porto Said, em um comboio que ancorou ontem (24) na área de espera dos chamados Lagos Amargos, até a retomada das operações.

Segundo Berdowski, a proa e a popa do navio ficaram presas nas laterais do canal.

“É como uma gigantesca baleia encalhada. Um enorme peso sobre a areia. Talvez tenhamos de trabalhar com uma combinação de redução de peso, ao remover contêineres, petróleo e água da embarcação, junto de navios de reboque e drenagem da areia”.

LEIA: As negociações do Alasca entre China e EUA têm repercussão no Golfo e no Canal de Suez

Cerca de 30% do transporte global de contêineres passa pelos 193 km da hidrovia de Suez diariamente, além de aproximadamente 12% do comércio mundial.

Especialistas alertam que o bloqueio provavelmente não será solucionado nos próximos dias. Algumas embarcações terão de redirecionar suas rotas em torno do extremo meridional do continente africano, jornada que dura em média uma semana.

A empresa de consultoria Wood Mackenzie argumentou que o maior impacto repousa sobre os contêineres da própria embarcação, embora haja um total de 16 petroleiros que deveriam atravessar o canal e agora aguardam a resolução do incidente.

A carga dos petroleiros equivale a 870 mil toneladas de petróleo cru e 670 mil toneladas de produtos derivados, como gasolina, nafta e diesel.

Segundo a firma de análise do mercado Vortexa, os principais exportadores de petróleo via Suez são Rússia e Arábia Saudita. China e Índia são os maiores importadores.

A companhia marítima japonesa Shoei Kisen desculpou-se pelo incidente e descreveu as operações para desencalhar o navio, em rota da Europa à China, como “extremamente difíceis”, sem prazo evidente para a liberação do canal.

O sinal de GPS da embarcação mostra apenas um leve deslocamento nas últimas 24 horas.

LEIA: Navio encalha no Canal de Suez, causa congestionamento de cem embarcações

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasChinaEgitoJapãoNotíciaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments