Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sisi constrói mais palácios, enquanto UTIs ficam sem oxigênio no Egito

Presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi no palácio presidencial no Cairo em 28 de janeiro de 2019. [Ludovic Marin/ AFP via Getty Images]
Presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi no palácio presidencial no Cairo em 28 de janeiro de 2019. [Ludovic Marin/ AFP via Getty Images]

Uma testemunha ocular na unidade de terapia intensiva do centro de isolamento Covid-19 em El Husseiniya, governadoria de Sharqia, no Egito, confirmou que “todos morreram” quando os ventiladores ficaram sem oxigênio. “Sem oxigênio na UTI! Você está brincando comigo?” Fui questionado no Twitter. Respondi que essa é a realidade no Egito, onde os pacientes da Covid morrem por falta de oxigênio e não por complicações decorrentes do vírus em si.

Três palavras resumem a situação: negligência, corrupção e fracasso. O regime atual liderado por Abdel Fattah Al-Sisi não fornece nem mesmo o mínimo de equipamento para as equipes médicas que tratam os pacientes da Covid-19. A ministra da Saúde, Hala Zayed, demonstra dia a dia que só pode obedecer às instruções de Al-Sisi, mas não consegue atingir nenhum nível de eficácia em face da pandemia e da necessidade de proteger os cidadãos egípcios.

Aqueles que são infectados e colocados em um respirador na unidade de terapia intensiva com lesão pulmonar com risco de vida tentam informar as pessoas ao seu redor que não podem respirar. Quais são seus últimos momentos? Sinto-me sufocado agora, enquanto tento imaginar o pânico em seus momentos finais.

LEIA: Todos os pacientes de uma UTI no Egito morrem por falha no oxigênio

Um vídeo viral feito dentro daquela unidade de terapia intensiva em El Husseiniya não apenas nos mostrou pacientes morrendo após ficar sem oxigênio, mas também refletiu o desamparo, a derrota e a agonia das equipes médicas no Egito desde o início da pandemia. Sentado no chão, em um canto da UTI, um funcionário parece exausto e angustiado por não conseguir salvar nenhum dos pacientes.

De modo geral, esse trabalho é desafiador nos melhores momentos; durante uma pandemia, é ainda mais. Como ex-médico, sei muito bem como é triste quando um paciente morre porque não fomos capazes de salvá-lo; quão profunda é a dor; e quão pesada é a responsabilidade de informar a família e os amigos que seu ente querido está morto. A equipe médica carrega esse fardo pesado, mas a dor piora quando eles se sentem desamparados e prejudicados por questões além de seu controle que levam à morte de alguém.

Imagem de um vídeo gravado pelo sobrinho de uma paciente internada na unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Central de El Husseineya, no Egito, 3 de janeiro de 2021

Imagem de um vídeo gravado pelo sobrinho de uma paciente internada na unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Central de El Husseineya, no Egito, 3 de janeiro de 2021

Essas cenas da UTI ficarão gravadas na memória da enfermeira ou do médico no vídeo pelo resto de sua vida. Ela provavelmente precisará de apoio psicológico, mas quem a designou para trabalhar em um local sem equipamento ou recursos eficazes para combater a pandemia?

A resposta simples é que o regime de Sisi não deu ouvidos às demandas dos médicos para melhorar o sistema de saúde, equipar mais unidades de terapia intensiva e fornecer mais equipamentos. O regime tomou a iniciativa de enviar ajuda médica à Itália, China e Grã-Bretanha, mas não se preocupou em ajudar os médicos egípcios na luta contra o coronavírus. Em vez disso, oito médicos foram presos porque reclamaram de suas péssimas condições de trabalho.

Se Al-Sisi e seu regime alocassem até mesmo uma pequena parte dos empréstimos internacionais que receberam para equipar hospitais e fornecer as ferramentas necessárias às equipes médicas, o oxigênio não teria acabado nas unidades de terapia intensiva do Egito. Normalmente, os hospitais são equipados com suprimentos de gases medicinais para fornecer continuidade no fluxo de oxigênio aos pacientes em unidades de terapia intensiva. Um cilindro sobressalente de oxigênio deve ser mantido próximo a cada leito dentro da UTI para fornecer oxigênio a cada paciente por dez minutos em caso de desequilíbrio no sistema central de fornecimento do hospital. No entanto, parece que nenhum desses sistemas básicos existe mais no Egito. A morte de pacientes devido à falta de oxigênio foi relatada duas vezes em menos de 48 horas.

Enquanto isso, Al-Sisi está construindo ainda mais palácios presidenciais; gastou quase três bilhões de libras egípcias no seguro de sua aeronave presidencial; sediou as celebrações da véspera de Ano Novo com fogos de artifício que custaram milhões; e tomou emprestado bilhões de libras egípcias desde o início da pandemia, mas ninguém sabe para onde foi tudo. Apenas uma fração disso garantiria que os pacientes não ficassem sem oxigênio nas unidades de terapia intensiva dos hospitais egípcios. Isso, porém, agora parece ser muito comum no Egito.

LEIA: Um tapa quebrou a barreira do medo no Egito

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEgitoOpinião
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments