Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

ONU espera que investidor de capital privado ajude a alimentar o Iêmen

Os iemenitas recebem ajuda alimentar distribuída pelo Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) em Sanaa, Iêmen, em 26 de janeiro de 2021. [Mohammed Hamoud/Anadolu Agency]
Os iemenitas recebem ajuda alimentar distribuída pelo Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) em Sanaa, Iêmen, em 26 de janeiro de 2021. [Mohammed Hamoud/Anadolu Agency]

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas espera obter uma parte de centenas de milhões de dólares de uma fundação privada criada para ajudar o Iêmen pelo investidor americano Tim Collins, disse o chefe de alimentos da ONU, David Beasley, na sexta-feira, informou a Reuters.

Mais de seis anos de guerra no Iêmen – amplamente vista como um conflito intermediado entre a Arábia Saudita e o Irã – fizeram com que o empobrecido país mergulhasse no que as Nações Unidas descrevem como a maior crise humanitária do mundo.

Em um documento compartilhado com grupos de ajuda e visto pela Reuters, a 2021 Famine Prevention Foundation visa “evitar uma fome generalizada, obtendo assistência imediata para o número máximo de pessoas” superando fome ou a ameaça de fome.

LEIA: Embaixadora saudita afirma que ataques à Aramco ameaçam trabalhadores de oitenta países

Beasley disse que conversou várias vezes com Collins sobre a fundação, que ainda não foi anunciada publicamente.

“Tim está trabalhando duro em uma fundação privada de fundos”, disse Beasley a repórteres. “Ele expressou sua preocupação com o fato de os governos em todo o mundo estarem sobrecarregados por causa da crise que enfrentamos agora por causa da covid-19.”

Collins, fundador da empresa americana de private equity Ripplewood Holdings LLC, não quis comentar.

A maior parte do financiamento para apelos de ajuda da ONU vem dos governos, então a criação da Fundação de Prevenção da Fome é uma novidade.

Acredita-se que os contribuintes do fundo incluem entidades de países do Golfo, disse uma fonte de ajuda à Reuters. A agência de ajuda Action Contre la Faim disse ao canal de mídia The New Humanitarian, que relatou pela primeira vez sobre o novo fundo neste mês, que o dinheiro provavelmente veio de entidades privadas do Golfo.

“O objetivo do fundo é demonstrar que a ONU pode rapidamente aumentar as respostas quando tiver os meios para fazê-lo […] é uma forma de tranquilizar os doadores, em particular os do Golfo”, disse a fonte da ajuda.

A fundação está sendo administrada por John Ging, ex-diretor de operações de ajuda da ONU, e Neal Keny-Guyer, ex-chefe executivo da organização de ajuda Mercy Corps, disseram duas fontes familiarizadas com a situação.

No início deste mês, os países prometeram apenas US$ 1,7 bilhão para ajuda humanitária no Iêmen – menos da metade dos US$ 3,85 bilhões que as Nações Unidas estavam buscando em 2021 para evitar uma fome em grande escala.

LEIA: Segundo ONU, 73% dos iemenitas deslocados são mulheres e crianças

Categorias
Ásia & AméricasEUAIêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments