Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Descubra a Grande Mesquita de Argel

A Argélia é o lar de uma infinidade de jóias escondidas que mostram sua longa e rica história

Ao contrário da próspera indústria do turismo no vizinho Marrocos, a infraestrutura turística da Argélia tem sido freqüentemente criticada por ser subdesenvolvida. O maior país da África, no entanto, é o lar de uma infinidade de jóias escondidas que são de cair o queixo que mostram sua longa e rica história.

Além de suas atrações mais importantes no deserto do Saara, a Argélia tem vários locais fascinantes declaradas Patrimônio Mundial da UNESCO, traçando sua tremenda herança cartaginesa, romana e islâmica.

Suas praias mediterrâneas de tirar o fôlego e intactas e jardins hipnotizantes e parques nacionais são complementados por uma riqueza de maravilhas arquitetônicas que ecoam as influências berbere, árabe, otomana e colonial espanhola e francesa que relacionam o rico passado da Argélia.

A capital é o lar da catedral Notre Dame d’Afrique, uma contraparte da icônica basílica de Notre-Dame de la Garde, na França. No sopé da Casbah da cidade, listada pela UNESCO, também fica a Mesquita Ketchaoua, construída no século 17 durante o domínio otomano, antes de ser convertida em catedral durante o domínio francês e depois destruída, reconstruída como uma igreja e convertida novamente em mesquita.

Mas Argel também abriga a estrutura mais cara da África.

Tida como a maior mesquita da África, a Grande Mesquita de Argel tem menos de dois anos e levou quase sete para ser concluída. Antes de sua conclusão em abril de 2019, o título de maior mesquita da África pertencia à Mesquita Hassan II em Casablanca, Marrocos.

LEIA: Descubra o Mosteiro de Mar Saba, na Palestina

A decisão de construir a maior mesquita da África pode ser atribuída à rivalidade arraigada entre a Argélia e o Marrocos, que remonta pelo menos à Guerra da Areia de 1963 e exacerbada ao longo dos anos com diferenças políticas e os dois países em lados opostos do conflito em curso no Saara Ocidental.

Os críticos vêem a mesquita como um projeto de vaidade, tendo custado mais de US$ 1 bilhão em dinheiro público que poderia ter sido investido na criação de empregos e crescimento sustentável. A mesquita também é vista como um símbolo do reinado do presidente de longa data da Argélia, Abdelaziz Bouteflika.

Mas o homem por trás do projeto não ficou por perto para vê-lo concretizar-se. Bouteflika foi forçado a deixar o poder no mesmo mês em que a construção da mesquita foi concluída, depois que protestos em massa estouraram em todo o país contra seu governo autocrático de duas décadas.

Ironicamente, embora Pequim tenha sofrido ataques nos últimos anos por causa dos maus tratos à sua população minoritária muçulmana uigur, a mesquita foi construída pela China State Construction Engineering, apoiada pelo Estado. A empresa de construção trouxe trabalhadores da China para trabalhar no projeto monumental que constitui a terceira maior mesquita do mundo depois dos dois locais mais sagrados do Islã, a Grande Mesquita de Meca e Al-Masjid Al-Nabawi em Medina.

LEIA: Descubra a mesquita Coração da Chechênia

Com arquitetura geométrica e um pátio retangular glamoroso, a mesquita foi projetada por arquitetos alemães. Com 265 metros de altura, possui o minarete mais alto da África, relegando o minarete de 210 metros da Mesquita Hassan II do Marrocos para o segundo lugar. A torre, que é utilizada para o chamado às orações, está equipada com elevadores e um mirante com vista para a capital e a baía de Argel.

O interior da mesquita ostenta uma arquitetura andaluza, decorada em madeira, mármore e alabastro e adornada com seis quilômetros de caligrafia corânica e requintados tapetes de oração turquesa. O design simples e atenuado do mihrab apresenta apenas duas pequenas colunas de cada lado.

Coberto por uma cúpula iluminada de 50 metros de diâmetro, o salão principal de orações pode acomodar cerca de 37.000 fiéis. O complexo geral, porém, pode abrigar até 120.000 fiéis com vagas de estacionamento no local o suficiente para 7.000 carros.

O complexo da mesquita inclui uma escola do Alcorão, uma biblioteca que pode hospedar um milhão de livros, um museu de arte islâmica e um centro de pesquisa dedicado à história da Argélia.

A estrutura, projetada para resistir a um terremoto de magnitude 9,0, é sustentada por centenas de pilares e arcos semicirculares.

As primeiras orações públicas da mesquita não foram realizadas até a véspera do aniversário do Profeta Maomé (saws) em outubro de 2020, com um pequeno número de participantes em meio às restrições da pandemia de coronavírus.

Para um país onde não faltam mesquitas, tanto históricas como novas, a decisão de embarcar em uma estrutura tão cara e ambiciosa foi corretamente posta em causa. No entanto, só podemos esperar que a mesquita seja de fato o centro teológico, cultural e de pesquisa que se pretendia ser e que atraia mais visitantes que desejam descobrir este magnífico país.

Categorias
ÁfricaArgéliaDestinos: Descubra o Oriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments