Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Oxfam critica Reino Unido por continuar com a venda de armas à Arábia Saudita

Pedras fictícias jazem em um cemitério em tamanho natural montado em Trafalgar Square, no centro de Londres, em 09 de outubro de 2003, pela Anistia Internacional e pelo grupo humanitário britânico Oxfam para representar mais de meio milhão de pessoas em média mortas com armas convencionais leves todos os anos. [Jim Watson/AFP via Getty Images]
Pedras fictícias jazem em um cemitério em tamanho natural montado em Trafalgar Square, no centro de Londres, em 09 de outubro de 2003, pela Anistia Internacional e pelo grupo humanitário britânico Oxfam para representar mais de meio milhão de pessoas em média mortas com armas convencionais leves todos os anos. [Jim Watson/AFP via Getty Images]

A Grã-Bretanha está prolongando a guerra no Iêmen por meio da venda de armas para a Arábia Saudita, alertou a Oxfam em uma resposta contundente aos documentos do governo divulgados ontem, mostrando um grande aumento nas licenças de exportação de armas do Reino Unido destinadas ao reino. O aumento ocorre no momento em que os principais aliados do Reino Unido decidem suspender as vendas de armas por causa de preocupações sobre seu uso na guerra no Iêmen, que está entrando em seu sexto ano.

As licenças aprovadas incluem equipamentos para a manutenção de caças sauditas e reabastecimento em voo, que permitirá aos aviões sauditas voar por longos períodos. O Reino Unido também emitiu licenças abertas para bombas, mísseis e foguetes no valor de £ 1,4 bilhão (US$ 1,9 bilhão) em 2020, e mais um montante ilimitado até 2025.

A notícia gerou críticas da instituição de caridade britânica. “Enquanto os EUA pedem o fim do conflito no Iêmen, o Reino Unido está indo na direção oposta, aumentando seu apoio à guerra brutal liderada pela Arábia Saudita, aumentando as vendas de armas e reabastecimento de equipamentos que facilitam ataques aéreos”, disse Sam Nadel, chefe de política e defesa da Oxfam.

“O Reino Unido afirma apoiar a paz no Iêmen. Ele pode começar encerrando imediatamente a venda de todas as armas que podem ser usadas contra civis e agravar a crise humanitária”, acrescentou Nadel.

LEIA: 13% dos iemenitas foram deslocados pela guerra, diz ACNUR

No mês passado, o governo Biden disse que suspenderá as vendas de todas as armas para a Arábia Saudita e os Emirados Árabes, no que foi visto como um movimento significativo contra os dois aliados dos EUA. A Itália também disse que suspendeu as vendas de mísseis ao reino do Golfo.

O governo do Reino Unido tem recusado sistematicamente os apelos para encerrar as vendas de armas a Riad e trazer sua política para o reino do Golfo alinhada com seus principais aliados. Rejeitando os apelos para encerrar as vendas de armas a Riad, o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, James Cleverly, disse no início deste mês que “as decisões que os EUA tomam em questões de vendas de armas são decisões dos EUA. O Reino Unido leva muito a sério suas próprias responsabilidades de exportação de armas, e continuamos avaliando todas as licenças de exportação de armas de acordo com critérios estritos de licenciamento”.

A coalizão liderada pela Arábia Saudita – que conta com equipamentos fornecidos pelo Ocidente – tem sido repetidamente acusada de conduzir campanhas de bombardeio indiscriminado desde que entrou no conflito em 2015, matando, ferindo e deslocando civis.

LEIA: Oxfam condena venda de armas para países que alimentam a guerra no Iêmen

Categorias
Arábia SauditaEuropa & RússiaNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioOxfamReino Unido
Show Comments
Show Comments