Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Programa espacial da Turquia será lançado na Somália, estimado em US$1 bi

Foguete SpaceX Falcon 9 carrega o satélite turco Turksat 5A à órbita da Terra, a partir da Estação Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida, Estados Unidos, 7 de janeiro de 2021 [Eva Marie Uzcategui Trinkl/Agência Anadolu]
Foguete SpaceX Falcon 9 carrega o satélite turco Turksat 5A à órbita da Terra, a partir da Estação Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida, Estados Unidos, 7 de janeiro de 2021 [Eva Marie Uzcategui Trinkl/Agência Anadolu]

Os planos da Turquia para estabelecer seu próprio programa espacial deverão custar US$ 1 bilhão, com início no lançamento de um foguete a partir de uma estação na Somália, revelou Ancara. O objetivo é lançar um ônibus espacial para conduzir pesquisas científicas.

O Presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan divulgou um cronograma para o programa espacial, na última semana. O projeto turco prevê que um foguete híbrido nacional conduza uma aterrissagem abrupta na Lua até 2023, para marcar o centenário da República.

Até 2028, espera-se que a Turquia consiga realizar uma aterrissagem segura na Lua.

A Agência Espacial da Turquia (TUA) tem orçamento anual de US$40 milhões. A oposição turca destaca que trata-se de investimento insuficiente para o ambicioso projeto.

Segundo a rede Middle East Eye, uma fonte turca próxima ao governo relatou que todo o programa será coordenado pela TUA, o que supostamente justifica o baixo orçamento.

LEIA: Turquia e fabricante alemão cooperam para produção de trem de alta velocidade

O custo esperado de ao menos US$1 bilhão será financiado “através de diferentes entidades públicas, como empresas da indústria de defesa estatal”, reportou a fonte anônima. “O Ministério da Defesa também deverá realojar recursos”.

A Líbia foi considerada como local de lançamento, mas Ancara decidiu por construir uma base na Somália, supostamente por razões científicas, sobretudo por sua proximidade com a Linha do Equador, além de questões de segurança.

A nação do Chifre da África passou a representar um parceiro de segurança estratégico à Turquia, ao longo da última década, e abriga sua maior base de treinamento militar no exterior.

Somente para construir e manter o local de lançamento é estimado um custo de US$350 milhões. Um total de US$150 milhões em bolsas de pesquisa será concedido a doutorandos turcos para ajudá-los a estudar os conceitos astrofísicos relevantes ao projeto.

Segundo as informações, porém, os planos podem ser alterados.

“As metas de 2023 e 2028 são bastante agressivas e há diversas variáveis que podem mudá-las”, destacou a fonte ao Middle East Eye. Ainda assim, ter tais prazos ajuda a Turquia a enfim concentrar-se na sua missão espacial”.

A Turquia trabalha há alguns anos para implementar seu sonho espacial, especialmente em disputa com rivais geopolíticos como os Emirados Árabes Unidos. Em 8 de janeiro, Ancara lançou seu satélite Turksat, com auxílio da empresa aeroespacial americana SpaceX.

Elon Musk, fundador e proprietário da SpaceX, representa um parceiro fundamental para materializar as ambições de Ancara. Em 2017, o empresário multibilionário encontrou-se com Erdogan, para discutir o programa de satélites.

Em janeiro último, ambos conversaram por telefone para debater a cooperação público-privada. O diálogo entre Musk e Erdogan gerou especulações de que a SpaceX poderá facilitar os planos turcos de pousar na Lua até 2023.

LEIA: Emirados Árabes Unidos: a corrida para o Chifre da África

Categorias
ÁfricaEuropa & RússiaNotíciaSomáliaTurquia
Show Comments
Show Comments