Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Projeto ‘um cinturão, uma rota’ será a pedra angular de uma nova ordem comercial internacional chinesa?

Mapa com a China em vermelho, membros do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura em laranja, as seis rotas físicas em preto. [Wikimedia]
Mapa com a China em vermelho, membros do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura em laranja, as seis rotas físicas em preto. [Wikimedia]

Em um mundo anárquico no qual uma autoridade suprema que poderia parar guerras e alcançar a paz está ausente, muitas competições e lutas surgiram entre superpotências pelo domínio da ordem internacional, e a mais recente dessas competições foi a competição entre os Estados Unidos Estados Unidos e a União Soviética no início de 1990. Essa disputa teve um grande impacto na ocorrência de guerras por procuração no mundo, o que mais tarde foi chamado de “Guerra Fria”. Porém, com a dissolução da União Soviética, os Estados Unidos dominaram o sistema internacional como polo único e buscaram impor sua hegemonia em seu território e impedir que qualquer outro país utilizasse a mesma estratégia, até mesmo nas regiões vizinhas deste país (Mearsheimer, 2001).

Durante este período, a China foi significativamente afetada por esses eventos e as tensões entre as potências nucleares mundiais. Oportunamente, os legisladores chineses adotaram uma estratégia muito corajosa e inteligente que facilitou a ascensão da China às fileiras das superpotências e mudou o equilíbrio de poder na Ásia Ocidental. Essa estratégia se concentrava nos princípios de “ascender pacificamente” e “tornar a China grande novamente”. Notavelmente, a China tem seguido uma política de não ingerência nos assuntos internos de outros Estados, e tem adotado uma estratégia econômica e tecnológica que lhe permitirá ascender à posição de países desenvolvidos (Pu, 2017).

No campo da tecnologia, a China se tornou um dos mais importantes países produtores de tecnologia, e grandes empresas chinesas como a Huawei começaram a surgir, assumindo uma grande proporção do mercado móvel mundial às custas das empresas coreanas e americanas. Além disso, a mão de obra chinesa barata forneceu outra motivação para os acionistas de empresas, incluindo as de empresas de tecnologia, em todo o mundo para mudar suas fábricas para a China. Tal movimento facilitou a transferência de conhecimento tecnológico para a China que, em pouco tempo, tornou-se um dos países líderes neste campo.

No lado militar, os chineses desenvolveram seu sistema de defesa e construíram o primeiro porta-aviões do país. Também aproveitaram a presença de piratas somalis no Golfo de Aden para estabelecer a primeira base militar fora da fronteira da China, especialmente em Djibuti. Essa base militar serviu como ponto de partida para a construção de alianças militares e outras bases no mundo.

LEIA: O mundo está mudando: China lança campanha por status de superpotência

Além disso, a China começou a competir no nível espacial e se tornou o único país que conseguiu alcançar o lado escuro da lua, enquanto construía o maior telescópio terrestre do mundo chamado “RÁPIDO”. Este telescópio é três vezes mais preciso do que o telescópio dos EUA, ou seja, o “telescópio de Arecibo”, que colapsou recentemente em 2020.

No nível médico, a pandemia da covid-19 tem sido um teste sério para o sistema de saúde da China. Independentemente da entidade que duvida dos números de vítimas oficialmente reconhecidos pelo governo chinês, o número de vítimas diminuiu significativamente na China. Isso colocou o país no 84º lugar em termos de número de vítimas no mundo, conforme relatado no site Worldometers, o que denota significativamente o sucesso da estratégia médica chinesa na contenção da epidemia.

Em termos de economia, a China adotou um projeto econômico estratégico denominado “One Belt, One Road Initiative (OBOR)”, que é um renascimento de um antigo projeto chinês que consiste em uma estrada terrestre chamada “Estrada das Pérolas” e uma estrada marítima chamada “a Rota da Seda”.

Depois que o presidente chinês anunciou este projeto em 2013, as preocupações sobre a busca da China em construir uma nova ordem mundial enquanto exterminava a atual, adotada pelos EUA, começaram a se intensificar. Essas preocupações podem ser consideradas racionais, uma vez que visa as áreas terrestres vitais e os estreitos marítimos mais importantes do mundo, o que proporcionará à China uma cobertura de comércio internacional para estender sua influência e domínio sobre diferentes regiões do mundo a título do “interesse econômico comum”, especialmente quando se leva em conta a possibilidade de usar a economia como uma ferramenta importante na política global.

Dada a lógica da teoria estratégica de Mahan (1890) de “Seapower”, que defende que existem três requisitos principais para o sucesso de qualquer nação, que é a produção, o transporte marítimo e as colônias, a China adotou essa teoria com um simples ajuste correspondente ao tempo presente. Como tal, a China se tornou a segunda maior economia do mundo, e isso significa ter atingido o primeiro requisito da teoria, ou seja, “produção”. A China também modernizou sua força naval com o objetivo de proteger seus navios mercantes. Consequentemente, a China aplicou o segundo requisito da teoria, ou seja, “transporte”. Quanto às colônias, o principal objetivo desse requisito é vender produtos e trazer matérias-primas para a China, e a China cumpriu esse requisito com a estratégia de celebrar acordos de cooperação comercial conjunta com diversos países do mundo no âmbito do projeto OBOR. Essa alteração na estratégia fez da China a opção preferida de muitos países do terceiro mundo, como Paquistão, Iêmen e outros.

LEIA: Irã aproxima-se cada vez mais da China

Assim, muitos estudiosos argumentaram que o principal objetivo da China em sua implementação do Projeto Belt and Road é marginalizar os EUA econômica e politicamente, expandir a influência militar da China e estabelecer uma nova ordem internacional chinesa. Essas preocupações levaram os EUA a estabelecer a Instituição de Desenvolvimento Financeiro Internacional (DFC, na sigla em inglês) para combater este projeto.

Assim, pode-se dizer que a China já se tornou um novo polo na ordem internacional, como Mearsheimer (2019) mencionou, e esse argumento, ao vir à tona, tem levantado muitas questões. O projeto OBOR dará à China a tão esperada oportunidade de dominar a ordem mundial? A China enfrentará muitos desafios que podem impedir a implementação de seu projeto estratégico, como conflitos em algumas áreas vitais visadas pelo Projeto OBOR? A resposta a essas perguntas será inevitavelmente descoberta nos próximos dias, analisando a resposta e a reação dos EUA em relação à China e seu projeto estratégico.

Publicado originalmente em Fórum Ásia e Oriente Médio

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasChinaEstados UnidosOpinião
Show Comments
Show Comments