Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sauditas vão às redes sociais para protestar contra as condições de vida

Usuário olha a página do Instagram da influencer saudita Ragda Bakhorji [AFP via Getty Images]
Usuário olha a página do Instagram da influencer saudita Ragda Bakhorji [AFP via Getty Images]

Cidadãos sauditas se mobilizaram nas redes sociais para protestar contra a suspensão do pagamento de salários e aumento nos preços no país árabe.

Os sauditas utilizaram a hashtag “Salário não basta”, que originou-se em 2013, para criticar as políticas internacionais e econômicas da monarquia, além de gastos extravagantes, ao denunciar a elite real por “devorar a riqueza do país e esbanjá-la em festas, absurdos, itens particulares e guerras arrogantes”.

Os usuários das redes sociais condenaram a guerra travada pela Arábia Saudita no Iêmen, ao destacar que, logo no início de fevereiro, o regime depositou US$2 bilhões no Banco Central iemenita, recursos que poderiam beneficiar o povo saudita em lugar do conflito.

Os sauditas repudiaram também enormes gastos em itens privados, como a compra de um iate de US$500 milhões, uma pintura de US$450 milhões e um palácio na França de US$300 milhões por Mohammed Bin Salman, príncipe herdeiro e governante de fato do país.

Turki al-Sheikh, presidente da Autoridade de Entretenimento Saudita, foi acusado de oferecer presentes onerosos a artistas. Tais itens, argumentaram os usuários das redes sociais, pertencem ao povo, foram expropriados pela família real e desperdiçados, à medida que a população é forçada a viver na pobreza.

A mobilização online reivindica o aumento dos salários em proporção com a inflação, carestia e aumento nos impostos, além de políticas voltadas a garantir trabalho aos desempregados.

LEIA: Arábia Saudita promete continuar suas operações no Iêmen

Categorias
Arábia SauditaIêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments