Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Lembrando o Massacre de Hama em 1982

A cidade de Hama ficou conhecida como um reduto da Fraternidade e o centro de levantes contra o regime.

O que: Massacre e cerco de Hama

Onde: Hama, Síria

Quando: 2 de fevereiro a 28 de fevereiro de 1982

O que aconteceu?

Desde a década de 1940, os confrontos entre o secular Partido Ba’ath da Síria e a Irmandade Muçulmana eram comuns. A cidade de Hama ficou conhecida como um reduto da Fraternidade e o centro de levantes contra o regime.

Entre 1979 e 1981, rebeldes associados à Irmandade Muçulmana orquestraram ataques contra o regime; centenas de pessoas foram mortas. Por sua vez, as operações do exército mataram milhares de membros da Irmandade Muçulmana e seus simpatizantes.

Medidas para conter quaisquer levantes, como o aumento dos salários dos funcionários públicos e outras tentativas de erradicar a corrupção, pouco fizeram para deter o povo da Síria. O presidente Hafiz Al-Assad (o pai do atual presidente) logo se tornou o rosto da repressão ao fazer o que podia para esmagar a insurgência. Unidades militares armadas com armas pesadas foram enviadas às cidades para caçar militantes e enviar uma mensagem clara à população de que sua lealdade significaria que eles seriam deixados em paz para continuar com suas vidas.

Em 26 de junho de 1980, uma tentativa de assassinato contra a vida de Assad durante uma recepção oficial do presidente do Mali teria sérias consequências. Como vingança, Assad executou centenas de prisioneiros da oposição detidos na prisão de Tadmor.

Bolsões de levantes continuariam com ataques contra o regime, que buscava maneiras de reprimir a dissidência de uma vez por todas. Em 1982, surgiu a oportunidade. Em 2 de fevereiro, o centro da revolução do país, Hama, foi cercado por mais de 12.000 forças do governo lideradas pelo irmão de Assad, Rifaat. Fazendo cerco à cidade, as forças do governo pediram que os habitantes se rendessem e avisaram que eles seriam tratados como insurgentes se ignorassem o apelo.

Unidades do Exército invadiram a cidade em busca de insurgentes e simpatizantes antigovernamentais; dezenas de milhares de sírios inocentes foram mortos. A primeira semana de operação do regime na cidade tinha como objetivo recuperar o controle e, em seguida, expurgar a cidade dos rebeldes antigovernamentais.

Uma combinação de imagens reproduzidas tiradas em 2 de fevereiro de 2012 na capital libanesa, Beirute, mostra retratos de pessoas supostamente mortas durante o massacre de Hama em 1982 em uma página do Facebook intitulada "Hama", descrita como uma página administrada por cidadãos independentes da cidade central da Síria. [Reprodução Joseph Eid/ AFP via Getty Images]

Uma combinação de imagens reproduzidas tiradas em 2 de fevereiro de 2012 na capital libanesa, Beirute, mostra retratos de pessoas supostamente mortas durante o massacre de Hama em 1982 em uma página do Facebook intitulada “Hama”, descrita como uma página administrada por cidadãos independentes da cidade central da Síria. [Reprodução Joseph Eid/ AFP via Getty Images]

Durante três semanas, porém, a infraestrutura em Hama foi bombardeada para permitir que a infantaria e os tanques entrassem com relativa facilidade, destruindo a maior parte da cidade velha. As botas no terreno permitiram que os soldados identificassem membros da Irmandade Muçulmana e suas famílias. A tortura e as execuções em massa de supostos simpatizantes resultaram na morte de milhares em um período muito curto.

Rifaat Al-Assad fez questão de se gabar do número de vítimas, para mostrar aos sírios como a dissidência seria tratada. Ele estava orgulhoso de apontar que 38.000 pessoas morreram durante a operação.

Como resultado do cerco de três semanas e da matança, o regime foi bem-sucedido em reprimir o levante e garantir que qualquer oposição no país fosse aniquilada. O custo dessa repressão foi estimado em vinte a quarenta mil sírios assassinados em Hama.

O que aconteceu depois?

Os rebeldes em Hama foram derrotados pelo massacre e pelo fato de os simpatizantes no resto do país não terem aproveitado a oportunidade para se levantar ao lado deles contra o regime. A maioria fugiu do país logo depois ou exilou-se na Jordânia, Iraque, EUA e Grã-Bretanha.

A conversa sobre o massacre foi reprimida na Síria pelo regime de Assad, que se referiu ao que aconteceu como “eventos” ou o “incidente” em Hama. Desde 1982, a Síria passou por outro Hama e muito pior. Em março de 2011, enquanto o mundo árabe ficava fascinado pela Primavera Árabe, os sírios se juntaram ao levante tomando as ruas pacificamente para pedir mudanças políticas depois que um grupo de meninos foi torturado até a morte por escreverem grafites antigovernamentais.

Seguindo os passos de seu pai, Bashar Al-Assad fez questão de reprimir violentamente os primeiros manifestantes em Deraa, na esperança de impedir que as manifestações se propagassem, mas ele falhou. Cidades como Homs e Hama logo se tornaram o coração do movimento de protesto. À medida que mais pessoas se reuniam pacificamente para que Bashar renunciasse em todo o país, também aumentava a intensidade da violenta repressão do governo. Nos sete anos desde o início do levante em 2011, o regime de Assad foi culpado de usar bombas de barril e ataques de gás químico contra civis, bem como tortura em massa e execução de milhares. Até o momento, de fato, cerca de 500.000 sírios foram mortos.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Neste diaOpiniãoOriente MédioSíriaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments