Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Somália, Síria e Iêmen são campeões em corrupção, diz Tranparency International

Um logotipo da Transparency International (TI) durante uma coletiva de imprensa, em Berlim, em 23 de setembro de 2008. [John Macdougall/AFP via Gettyimages]
Um logotipo da Transparency International (TI) durante uma coletiva de imprensa, em Berlim, em 23 de setembro de 2008. [John Macdougall/AFP via Gettyimages]

Um relatório do grupo de vigilância global Transparency International classificou a Somália, a Síria e o Iêmen como entre os estados mais corruptos do mundo em uma lista de 180 países.

A pesquisa anual do Índice de Percepção de Corrupção divulgada pela Transparency International, que mede a corrupção no setor público e destaca o impacto da corrupção nas respostas dos governos à covid-19, revelou que os três países com os níveis mais baixos de corrupção percebida são Dinamarca, Nova Zelândia e Finlândia.

Enquanto isso, Somália e Sudão do Sul tiveram os piores resultados com 12 pontos, ficando em 179º lugar, atrás da Síria com 14, Iêmen e Venezuela com 15, Sudão e Guiné Equatorial com 16 e Líbia com 17.

Israel ficou em 25º lugar entre os 37 países membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), observou o relatório, mas ficou em 35º lugar globalmente.

O ex-juiz Nili Arad, que preside o capítulo local da Transparência, disse: “A baixa classificação de Israel no índice de corrupção é especialmente severa em 2020, quando o coronavírus está em alta”. Ela apontou para a “falta de confiança e falta de cooperação” do público durante a crise econômica e de saúde.

LEIA: Governo do Iêmen é culpado por lavar dinheiro, houthis desviam recursos, afirma ONU

De acordo com o Times of Israel, o número de casos ativos do vírus aumentou nos últimos dias de menos de 70.000 no início desta semana para 75.920 na quarta-feira (27).

Arad disse: “Tudo isso, enquanto testemunhamos a violação dos fundamentos da democracia, em circunstâncias em que os líderes são suspeitos de crimes, em uma atmosfera de incitação contínua contra o judiciário e os meios de comunicação que são obrigados a fazer seu trabalho fielmente em uma atmosfera maligna de extremismo e sectarismo”.

Os críticos dizem que o governo lidou mal com a crise, sem uma estratégia clara de longo prazo e permitindo que a política obscurecesse suas decisões.

As autoridades israelenses também foram criticadas por grupos de direitos humanos que pediram ao país que cumprisse suas obrigações de acordo com a lei internacional e fornecesse vacinas à população palestina na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, que vive sob ocupação israelense.

O relatório de 2020 da Transparency International conclui que “níveis mais altos de corrupção tendem a ser os piores perpetradores de violações do estado de direito ao administrar a crise da covid-19” e outros desafios sociais.

Categorias
ÁfricaIêmenIsraelNotíciaOriente MédioSíriaSomáliaSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments