Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel rejeita o pedido da OMS de fornecer vacinas aos médicos palestinos

Profissional de saúde prepara uma dose da vacina Covid-19 em Tel Aviv em 23 de dezembro de 2020 [Agência Nir Keidar/ Anadolu]
Profissional de saúde prepara uma dose da vacina Covid-19 em Tel Aviv em 23 de dezembro de 2020 [Agência Nir Keidar/ Anadolu]

Israel rejeitou o pedido informal da Organização Mundial da Saúde (OMS) para fornecer imediatamente vacinas COVID-19 à equipe médica palestina.

O país tem sido amplamente criticado por impedir intencionalmente os palestinos de serem vacinados no meio de uma pandemia, como é obrigado a fazer sob a lei internacional como potência ocupante.

Na semana passada, a Anistia Internacional apelou a Israel para começar a fornecer doses de vacina contra o coronavírus aos palestininos na Cisjordânia ocupada e em Gaza.

A organização internacional pediu a Israel que “pare de ignorar suas obrigações internacionais como potência ocupante e aja imediatamente para garantir que as vacinas Covid-19 sejam fornecidas de maneira igual e justa aos palestinos que vivem sob sua ocupação na Cisjordânia e na Faixa de Gaza”.

O programa de vacinação de Israel inclui palestinos com cidadania israelense e residentes palestinos da Jerusalém Oriental ocupada.

LEIA: Autoridade Palestina espera vacina em março, acusa Israel de ignorar o dever de fornecê-la

Na Cisjordânia ocupada, foram dadas vacinas apenas para colonos judeus que viviam em assentamentos ilegais, mas não para palestinos.

De acordo com o ministro palestino da Saúde, Mai Al-Kaila, 12 pessoas morreram de coronavírus na Palestina nas últimas 24 horas, com 928 novos casos registrados na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém Oriental. Existem atualmente 95 pacientes com coronavírus hospitalizados e em estado grave; 21 estão em ventiladores.

Gerald Rockenschaub, chefe da missão da OMS para os palestinos, disse ao Independent que o órgão da ONU havia solicitado que Israel ajudasse a fornecer vacinas de covid-19 para cobrir os trabalhadores de saúde palestinos; Quase 8.000 médicos palestinos foram infectados pelo vírus, afetando sua resposta ao coronavírus.

Ele disse que Israel recusou o pedido por enquanto, citando problemas com a escassez de sua própria população. O país tem sido amplamente elogiado por sua rápida implantação de vacinas.

Categorias
CoronavírusIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments