Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Interpretação israelense no 10º aniversário da Primavera Árabe

Um manifestante antigovernamental egípcio segura sua bandeira nacional com a inscrição em árabe “Uma saudação aos criadores da revolução egípcia e seus mártires”, em Alexandria, em 6 de fevereiro de 2011, no 13º dia de protestos pedindo a derrubada de presidente Hosni Mubarak. [AFP via Getty Images]
Um manifestante antigovernamental egípcio segura sua bandeira nacional com a inscrição em árabe “Uma saudação aos criadores da revolução egípcia e seus mártires”, em Alexandria, em 6 de fevereiro de 2011, no 13º dia de protestos pedindo a derrubada de presidente Hosni Mubarak. [AFP via Getty Images]

Os círculos israelenses de tomada de decisão política, de segurança e de pesquisa mostraram recentemente grande interesse no décimo aniversário da eclosão das revoluções árabes, alertando contra as ondas da revolução sendo revividas. Isso apesar das revoluções aparentemente terem terminado em seus aniversários de dez anos.

Embora os recentes relatórios israelenses marcando a passagem de uma década desde a eclosão das revoluções da Primavera Árabe unanimemente as considerem um fracasso, eles parecem ter apressado esse julgamento. Movimentos históricos semelhantes que amadureceram após muitos anos resultaram em sucesso.

Nas últimas semanas, a mídia israelense tem se preocupada com o que descreveu como protestos da Primavera Árabe, marcando o décimo aniversário de seu lançamento contra os regimes ditatoriais. Eles afirmam que essas revoluções se transformaram em um “inverno islâmico” para os islâmicos, que aproveitaram o caos e preencheram os vazios deixados pelos governantes árabes derrubados.

LEIA: A Primavera Árabe pode realmente ser uma conspiração israelense?

Na época, dados israelenses sugeriam que os manifestantes islâmicos eram mais organizados do que os liberais e, portanto, conseguiram ganhar o poder nas eleições pós-revolução. O monitoramento israelense dos resultados das revoluções árabes após esses anos revelou que os islâmicos se beneficiaram delas no Egito, onde o falecido Mohamed Morsi, um líder da Irmandade Muçulmana, chegou à presidência antes do golpe de Estado contra ele, e na Tunísia, onde o movimento Ennahda assumiu o poder. Enquanto isso, outros países testemunharam um caos opressor e ferozes guerras civis, como a Síria, o Iêmen e a Líbia.

Israel adotou uma narrativa de que a Primavera Árabe resultou da política do ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. No entanto, Washington ficou surpreso com isso, assim como as agências de inteligência internacionais, incluindo a de Israel. Além disso, a influência dos EUA sobre os desenvolvimentos árabes internos parecia modesta e ficou satisfeita com o apoio moral à democratização, mas não trabalhou para promovê-la pela força.

Isso confirma que a Primavera Árabe não aconteceu por causa das políticas de Obama, mas por causa do surgimento de redes sociais que permitiram aos residentes de países árabes entender os limites de suas liberdades civis. Essas redes sociais funcionavam como ferramentas de organização que antes não existiam. Hoje, dez anos depois, existem alguns indícios de que a Primavera Árabe trará resultados positivos no final, apesar das preocupações sobre a extensão do caminho que levará a esses resultados.

O sistema israelense e seus círculos notaram muitos desenvolvimentos árabes após esses dez anos. Por meio deles, é possível julgar a mudança provocada pela Primavera Árabe para identificar seus significados positivos. Muitas mudanças históricas favoráveis ​​ocorreram após períodos difíceis e violentos, e a transição de um estado de equilíbrio para outro frequentemente requer um período de desordem e instabilidade.

Simultaneamente, as revoluções árabes levaram vários governantes árabes a perceber que estão do mesmo lado que Israel, contra os grupos islâmicos e o Irã, o que pode forçar os regimes árabes e Israel a adotarem uma nova visão para o Oriente Médio. Todavia, isso privará Israel de sua reivindicação constante de ser a única democracia no Oriente Médio.

A comemoração da primeira década das revoluções árabes coincidindo com o acordo de normalização deu a Israel a sensação de que iria transformar essa região, gabando-se de oportunidades, e não apenas ameaças, drenando a sensação de perigo dos países vizinhos e, em última instância, aproveitando as oportunidades disponíveis, de modo a favorecer um acordo com os palestinos.

Após a passagem de uma década desde a eclosão das revoluções da Primavera Árabe, a comunidade de inteligência israelense acredita que a instabilidade regional, juntamente com a força dos sites de redes sociais e o desenvolvimento da solidariedade social, pode fazer com que as revoluções explodam novamente, e desta vez mais fortes.

Os protestos árabes estouraram, começando na Tunísia, passando pelo Egito, depois Iêmen, Síria e Líbia, surpreendendo a inteligência israelense, que não reconhecia o poder das redes sociais. Até Washington deu as costas ao presidente egípcio Mubarak, e Obama apertou a corda em seu pescoço para forçá-lo a renunciar.

A comunidade de inteligência israelense tem os métodos de segurança necessários para analisar a última década no Oriente Médio, mas a maioria de seus especialistas concorda que a Primavera Árabe não parou, apesar de sua mudança de forma. Pode surgir inesperadamente de novo e provavelmente será mais poderosa no futuro, enquanto as massas árabes estiverem insatisfeitas com suas condições.

À luz da realidade emergente na região, o poder militar e de segurança israelense está dando a si mesmo uma ampla margem para avaliação de inteligência. Em operações históricas desse tipo, outras ondas continuam, e é correto observar que ondas mais altas são seguidas por turbulências regionais. Como a situação no Oriente Médio é mais complexa, vai demorar mais, apesar das generalizações sobre a Primavera Árabe não serem precisas.

LEIA: O caminho da Tunísia para a democracia

Do ponto de vista israelense, os acontecimentos árabes forneceram combustível para os protestos violentos que se seguiram e, enquanto os árabes não obtiverem o que desejam das autoridades governantes, a Primavera Árabe pode se repetir, como foi o caso na Praça Tahrir.

A experiência de Israel com a Primavera Árabe confirma que a realidade no Oriente Médio é difícil de prever, apesar do fato de que esse período perigoso ajudou a inteligência israelense a analisar a dinâmica da região. No passado, havia alegações de que a ditadura seria melhor do que o caos, mas hoje ninguém pode promover essa noção facilmente e aqui começa o conflito.

Depois de uma década, Israel não prefere a queda de regimes árabes ou a eclosão de guerras civis, mas, em vez disso, busca a continuação de governos estáveis, mesmo que sejam ditaduras. Para Israel, há uma necessidade de um endereço claro para entregar mensagens e negociar, porque o Oriente Médio ainda é o centro global da Jihad na Síria, Sinai e Iraque, e os fenômenos que eclodiram e desapareceram nessa fase representam uma ameaça para a frente doméstica israelense.

Na opinião de Israel, a Primavera Árabe não só iluminou o desejo do cidadão árabe de obter seus direitos básicos e uma condição de vida digna, mas também enfatizou o crescimento do ator não governamental, lutando sem armas militares e com uso de meios avançados e tecnologias. Isso é o que realmente preocupa Israel nos próximos anos.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoÁsia & AméricasEgitoEUAIsraelOpiniãoOriente MédioTunísia
Show Comments
Show Comments