Portuguese / English

Middle East Near You

Praça Tahrir do Egito é reformada sob protestos

Reforma da Praça Tahrir no Cairo, Egito, em agosto de 2020 [Twitter]
Reforma da Praça Tahrir no Cairo, Egito, em agosto de 2020 [Twitter]

O governo do Egito reformou a Praça Tahrir, pontuando o espaço ocupado há quase uma década por multidões de manifestantes anti-regime na explosão da chamada primavera árabe para agora ocupá-la com monumentos faraônicos e seguranças particulares.

As autoridades dizem que estão melhorando a praça em linha com as praças famosas da Europa, e sua reforma – que inclui uma nova iluminação em prédios repintados – atraiu alguns elogios nas redes sociais por seu efeito grandioso.

Os críticos dizem que o projeto parece ter sido concebido para apertar o controle de um espaço público simbólico e evitar protestos futuros. Alguns arqueólogos se preocupam com a preservação de quatro esfinges de arenito colocadas em uma rotatória movimentada.

Acho que a mensagem principal é que as pessoas não pertencem à praça e a praça não pertence às pessoas. Esta é uma praça que pertence ao estado.”

disse Khaled Fahmy, professor de história da Universidade de Cambridge que participou do levante de 2011 e comandou um comitê oficial de curta duração para documentá-lo.

O centro de imprensa estatal do Egito não respondeu às perguntas sobre o redesenho da área.

A Praça Tahrir é carregada de simbolismo político. Ganhou renome mundial como o berço da revolta que derrubou Hosni Mubarak em 2011.

Dois anos depois, grandes multidões se aglomeraram na praça mais uma vez para pressionar e depois celebrar a remoção de Mohamed Mursi, o primeiro presidente eleito livremente do Egito, por Abdel Fattah al-Sisi, o então chefe do exército.

LEIA: Egito proíbe pipas ao alegar prevenção de segurança nacional

Os apoiadores de Sisi vêem 2013 como uma correção que lhe permitiu ganhar a presidência um ano depois e estabilizar o país.

Uma pequena inscrição no antigo obelisco recentemente instalado no centro da praça sugere o pensamento oficial. A Praça Tahrir passou a simbolizar a “liberdade e firmeza” do povo egípcio após testemunhar a revolução anticolonial em 1919 e os eventos de 2011, mas “tornou-se um símbolo dos egípcios e de sua liberdade na revolução de 30 de junho (2013)”. diz.

Para os oponentes de Sisi, 2013 marcou o início de uma repressão abrangente que encerrou a atmosfera de liberdade da revolta e suas consequências.

As autoridades consideram as discussões, reuniões e cartazes de 2011 “profundamente subversivos”, disse Fahmy.

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments