Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Trump, o presidente banido

Pessoas usando máscaras protetoras acenando bandeiras americanas e segurando cartazes de protesto onde se lê “Trump, vá para casa” e “Salve a democracia nos EUA”, na Piazza Castello, em 09 de janeiro de 2021, em Torino, Itália. [Stefano Guidi/Getty Images]
Pessoas usando máscaras protetoras acenando bandeiras americanas e segurando cartazes de protesto onde se lê “Trump, vá para casa” e “Salve a democracia nos EUA”, na Piazza Castello, em 09 de janeiro de 2021, em Torino, Itália. [Stefano Guidi/Getty Images]

É provável que Donald Trump fique na história não apenas como o primeiro presidente dos Estados Unidos a sofrer duas acusações de impeachment, mas também como o primeiro (e até agora único) a ser banido pelas redes sociais. Se o processo criminal seguir em conexão com o ataque de seus apoiadores ao edifício do Capitólio na semana passada, então ele pode adicionar “condenado” aos seus apelidos de presidente “deposto” e “banido”.

Para ser honesto, não fiquei surpreso com a decisão do Twitter de suspender a conta de Trump permanentemente após vários problemas com ele nos últimos quatro anos. É uma proibição sem precedentes contra o presidente do país mais poderoso do mundo.

Muitos consideraram a proibição “mais vale tarde do que nunca” e foram recebidos com grande satisfação pelo que parece ser a maioria dos usuários do Twitter. Já teve um impacto nos EUA. Trump usou sua conta no Twitter como o canal de satélite que sempre desejou ter. Ele escreveu mais de 100 tweets em alguns dias, cobrindo vários tópicos; o Twitter era um porto seguro onde ele podia revelar seu verdadeiro eu e suas estranhas visões para o mundo.

A América nunca tinha testemunhado tais eventos políticos e de mídia até Trump entrar na Casa Branca em 2017. O homem lutou com todos em todas as direções. Os egípcios diriam: “Ele luta contra as moscas que pousam em seu rosto”.

LEIA: Impulsos ditatoriais de Trump satisfeitos, galinhas voltam para o poleiro

Trump perdeu muitos amigos e aliados sem se importar com a perda. Ele até demitiu funcionários e altos funcionários de sua administração e divulgou mudanças nas políticas por meio do Twitter. Ele também atacou instituições dos EUA, criticando relatórios de inteligência da CIA e do FBI nas redes sociais.

Trump segue o direito internacional? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, estava preocupada o suficiente na semana passada para perguntar a oficiais superiores do exército se o presidente teria acesso aos códigos nucleares. Até agora, no entanto, Trump usou sua conta no Twitter para enviar mísseis escritos carregando ogivas cheias de acusações aqui e violações ali, sem qualquer senso de veracidade ou responsabilidade. Seus colegas, ao que parece, perderam a paciência com o homem.

O fundador e CEO do Twitter pôs fim aos milhares de tweets absurdos com os quais Trump nos sobrecarregou nos últimos quatro anos. Os avisos da plataforma foram ignorados e o presidente cessante continuou a tweetar suas falsas alegações sobre fraude eleitoral. O Twitter colocou um alerta em todos os seus tweets a esse respeito, indicando que continham falsas alegações. Era outra maneira de dizer: “Cuidado, o presidente está mentindo”.

O Twitter está acostumado a enviar tais alertas, mais comumente quando um tweet contém um claro incitamento à violência e ao ódio. Essa foi aparentemente a principal razão para a proibição de Trump, dado o conteúdo do discurso desastroso que precedeu a invasão do edifício do Capitólio.

Ao longo de sua presidência, Trump atacou toda e qualquer mídia crítica, descrevendo-a como fornecedora de “notícias falsas”. Ele humilhou jornalistas dentro da Casa Branca e chamou alguns deles de “insolentes”, sendo racista com outros. Ele agora está pagando o preço por isso, com as mídias sociais – o Facebook e o Instagram seguiram o exemplo do Twitter – banindo-o. Embora algumas de suas contas estejam suspensas apenas até que Joe Biden tome posse, acredito que proibições permanentes ocorrerão em breve.

LEIA: Quatro morrem nos EUA durante invasão ao Capitólio

Publicado originalmente em Arabi21.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAOpinião
Show Comments
Show Comments