Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Novo governo do Iêmen toma posse no exílio saudita

Presidente do Iêmen Abd-Rabbu Mansour Hadi (à esquerda), ao lado de Mohammed Bin Salman, príncipe herdeiro saudita, em Jeddah, Arábia Saudita, 31 de maio de 2018 [Bandar Algaloud/Agência Anadolu]
Presidente do Iêmen Abd-Rabbu Mansour Hadi (à esquerda), ao lado de Mohammed Bin Salman, príncipe herdeiro saudita, em Jeddah, Arábia Saudita, 31 de maio de 2018 [Bandar Algaloud/Agência Anadolu]

O novo governo do Iêmen assumiu posse no sábado (26), embora exilado, em Riad, capital da Arábia Saudita, sob liderança do ainda presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi, segundo informações da agência Anadolu.

O gabinete de governo, chefiado pelo Primeiro-Ministro Maeen Abdul Malik, foi composto sob o chamado Acordo de Riad, assinado entre o governo iemenita e o movimento separatista Conselho de Transição do Sul (CTS), que recebe apoio dos Emirados Árabes Unidos.

Segundo uma fonte oficial iemenita, o premiê e todos os seus ministros prestaram juramento em Riad, com exceção do Ministro de Administração Local Hussein al-Aghbari, que insistiu em tomar posse na capital temporária Aden.

Em 18 de dezembro, a presidência do Iêmen anunciou a formação de um novo governo de união nacional, com 24 ministros selecionados equitativamente entre províncias do sul e norte do país árabe, conforme o pacto saudita.

LEIA: A vida é um pesadelo para 12 milhões de crianças no Iêmen, diz chefe da Unicef

O novo governo inclui cinco ministros do Conselho de Transição do Sul.

O Acordo de Riad foi assinado entre o governo iemenita reconhecido internacionalmente e o movimento separatista, em novembro de 2019, promovido pela coalizão liderada pela Arábia Saudita que intervém no conflito no país vizinho.

O tratado pretendia encerrar confrontos entre ambas as partes.

O Iêmen é assolado por guerra civil desde 2014, quando rebeldes houthis, ligados ao Irã – rival regional da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos – tomaram grande parte das províncias setentrionais do país, incluindo a capital Sanaa.

A violência escalou em 2015, quando uma coalizão militar saudita decidiu intervir a favor do aliado deposto, Abd-Rabbu Mansour Hadi.

Segundo o Escritório das Nações Unidas para Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), o conflito no Iêmen resultou em 233.000 mortos, até então.

LEIA: Houthis do Iêmen impõem restrições a mulheres nas universidades

Categorias
Arábia SauditaIêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments