Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A normalização com Israel leva o Sudão a revogar a cidadania dos palestinos

O chefe exilado do Hamas Khaled Meshaal (dir.)ao lado do ex-presidente sudanês Omar al-Beshir durante a abertura da oitava conferência da Fundação Internacional Al-Quds (Jerusalém) na capital sudanesa Cartum em 6 de março de 2011 [Ebrahim Hamid/ AFP via Getty Imagens]
O chefe exilado do Hamas Khaled Meshaal (dir.)ao lado do ex-presidente sudanês Omar al-Beshir durante a abertura da oitava conferência da Fundação Internacional Al-Quds (Jerusalém) na capital sudanesa Cartum em 6 de março de 2011 [Ebrahim Hamid/ AFP via Getty Imagens]

Em um movimento surpresa, o regime militar dominante no Sudão anunciou sua intenção há dez dias de revogar a cidadania sudanesa de mais de 3.500 pessoas, das quais a maioria ´é de palestinos. O ex-chefe do Birô Político do Hamas, Khaled Meshaal, e o presidente do parlamento tunisino, Rached Ghannouchi, líder do Movimento Islâmico Ennahda, estão entre os que perderam a cidadania sudanesa.

Esta medida polêmica segue a votação do Congresso dos EUA na semana passada para remover o Sudão da lista de países que patrocinam o terrorismo, que foi precedida por uma decisão do regime de Cartum de normalizar as relações com Israel. Isso levanta questões sobre o futuro do Sudão na fase de pós-normalização. Sob o silêncio do regime sudanês sobre este desdobramento repentino, o Ministério do Interior confirmou a emissão da Resolução 521 revogando a cidadania de 112 indivíduos, bem como as decisões administrativas e judiciais e medidas relativas à revogação de decisões de concessão de cidadania a 3.500 pessoas entre 1989 e 2019.

Vários palestinos afetados pela decisão confirmaram-me a decisão do governo de revogar a cidadania de outros três mil que a receberam por decreto emitido pelo ex-presidente Omar Al-Bashir em 2014. Eles também apontaram que a maioria deles vive fora do país e que a o pretexto para a revogação foi a alegação que não teriam sido apresentados todos os documentos comprovativos necessários à sua cidadania. Isso tem sido motivo de ansiedade na comunidade palestina que vive no Sudão, com dúvidas sobre a alegação administrativa ou se há conotações políticas que possam levar todos os palestinos a serem deportados do país, que tem sido um porto seguro com privilégios especiais não encontrado em outros estados árabes.

LEIA: Por que o Golfo quer normalizar laços com Israel?

“A decisão do Conselho Militar abre caminho para a revogação da cidadania sudanesa daqueles associados às correntes islâmicas e políticas, independentemente das condições de elegibilidade para obtê-la”, explicou um palestino que vive no Sudão. “Desde a queda do regime de Bashir em 2019 e a tomada do poder pelo Conselho, muitos palestinos aqui foram advertidos de que as coisas estão fora de controle e que sua permanência no Sudão não é mais segura. Eles também foram avisados ​​de que mais cedo ou mais tarde, o Conselho Militar emitirá uma decisão para remover a cobertura sudanesa de todos os indivíduos naturalizados que causam constrangimento com os países ocidentais, ou países regionais que se opõem aos islâmicos. ”

Embora haja seis mil palestinos naturalizados no Sudão, menos de 200 obtiveram a cidadania após cumprir os requisitos de residência. Acredita-se que a decisão de revogar a cidadania incluirá todos os que a obtiveram durante a presidência de Bashir. Os palestinos locais no Sudão também temem que a decisão se amplie para incluir o fechamento de instituições de caridade cujo trabalho se concentra no apoio a estudantes e famílias necessitadas.

Manifestantes sudaneses gritam slogans durante um comício para denunciar o tratamento de Israel aos palestinos. Em 11 de agosto de 2014 em Cartum, Sudão[Ashraf Shazly/ AFP / Getty Images]

Manifestantes sudaneses gritam slogans durante um comício para denunciar o tratamento de Israel aos palestinos. Em 11 de agosto de 2014 em Cartum, Sudão[Ashraf Shazly/ AFP / Getty Images]

As repercussões da decisão do Conselho Militar serão desastrosas para os palestinos, pois os naturalizados não precisam obter autorização de residência. Se todos perderem sua cidadania, eles viverão ilegalmente no Sudão e enfrentarão ação legal e deportação.

O Sudão é cercado por países que mantêm relações plenas com Israel: Egito, Sudão do Sul, Etiópia e Eritreia. Israel teme que Cartum não esteja dentro de sua esfera de influência, então o estabelecimento de relações diplomáticas com o Sudão tem sido uma prioridade, pelo menos para tentar barrar o fluxo de armas para o Hamas em Gaza usando tecnologia de rastreamento.

Ter relações com o Sudão não significa que Israel será capaz de cortar completamente o fornecimento de armas ao Hamas. O Irã, que fornece as armas para o movimento de resistência, encontrará novas maneiras de superar qualquer possível perturbação sudanesa, pela experiência e as conexões terrestres e marítimas regionais para permitir a entrega de armas a Gaza.

Cortar a cadeia de abastecimento tem sido uma prioridade de segurança para Israel por muitos anos. Em março de 2014, a marinha israelense interceptou um navio em águas internacionais entre o Sudão e a Eritreia rumo a Gaza e transportando um carregamento de sofisticadas armas iranianas, incluindo dezenas de mísseis solo-solo com alcance de 100 km.

Em dezembro de 2012, Israel acusou o Sudão de permitir que o Irã usasse seus portos para transportar suprimentos militares para o Hamas em Gaza e, em 2010, o exército egípcio intensificou sua implantação nas fronteiras do Sudão para evitar o contrabando de armas. Em janeiro de 2009, uma aeronave israelense bombardeou um comboio de armas de 17 caminhões no Sudão a caminho do Irã para Gaza.

LEIA: Biden traz bons frutos aos palestinos?

O Hamas percebeu desde 2016 que o Sudão não tolera mais seu uso como rota para contrabandear armas iranianas para Gaza. Naquela época, Israel pediu aos Estados Unidos e aos países europeus que melhorassem as relações com o Sudão, após romper os laços com Teerã e impedir o contrabando de armas através de seu território para o Hamas.

É revelador que a normalização com o Sudão seja liderada do lado israelense por Yossi Cohen, chefe da agência de espionagem Mossad. É isso que confere à decisão de revogar a cidadania palestina um sério aspecto de segurança. Conseqüentemente, a rejeição política do Hamas à normalização das relações entre o Sudão e Israel deve ser adicionada às implicações militares e de segurança para seu fornecimento de armas. Isso exigirá que o movimento faça a ligação com o Irã para encontrar novas rotas de contrabando para compensar a perda do Sudão.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments