Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel inocenta soldado acusado de atirar em menino palestino de 9 anos

Menino palestino de 9 anos, Malik Eissa, que foi baleado no olho pelas forças de ocupação israelenses [Saudis2018/ Twitter]
Menino palestino de 9 anos, Malik Eissa, que foi baleado no olho pelas forças de ocupação israelenses [Saudis2018/ Twitter]

As autoridades israelenses disseram que o caso do menino palestino de nove anos, Malik Eissa, que foi baleado no olho foi “triste”, mas não havia evidências suficientes para processar alguém, embora testemunhas afirmem que os soldados da ocupação abriram fogo quando Malik pegou o ônibus escolar.

Malik foi atingido no rosto pelo que parecia ser uma munição com ponta de esponja em fevereiro passado e perdeu a visão do olho esquerdo. De acordo com o Haaretz, na época, um soldado israelense admitiu ter usado sua arma, mas afirmou ter disparado contra uma parede.

O oficial israelense aparentemente não percebeu que Malik havia sido atingido no rosto e afirmou que pode ter sido atingido por uma pedra atirada por outros palestinos. Seu pai, Wael Eissa, contestou a alegação e insistiu que nenhuma pedra foi atirada no momento em que os oficiais israelenses abriram fogo.

“No local onde eles desceram [do ônibus] a polícia estava tentando levar alguém e muita gente se aglomerava. Não havia pedras sendo atiradas nem nada. A polícia viu muita gente e atirou. O menino recebeu a bala entre os olhos “, disse Wael.

LEIA: Prisão de crianças palestinas equivale a tortura, denuncia novo relatório

As imagens da cena aparentemente apóiam a afirmação da família e não mostram nenhuma atividade incomum nos momentos antes do tiroteio, que colocou Malik em uma condição de risco de vida na unidade de terapia intensiva do hospital Hadassah em Jerusalém.

A família diz que Malik não voltou à escola por causa de tratamentos médicos recorrentes e do constrangimento de ser desfigurado e dependente de uma prótese ocular.

Absolvendo o soldado israelense, o Ministério da Justiça do estado de ocupação disse que a unidade de investigações policiais internas concluiu que, embora o incidente tenha sido “triste”, não havia motivos suficientes para acusação após entrevistar testemunhas e revisar imagens de vídeo e outras evidências.

Respondendo ao julgamento, Wael disse à AP que sua família havia sido vítima de injustiça duas vezes – primeiro quando o menino foi baleado e agora com a investigação sendo encerrada. “Quando meu filho foi baleado, os membros da unidade de investigação foram ao hospital. Eles estavam prestes a chorar”, disse Wael. “Eles me disseram: ‘Não se preocupe, os responsáveis ​​por atirar nele serão responsabilizados. Mas, dez meses após a investigação, eles decidiram encerrar o processo.”

O B’Tselem, principal grupo de direitos humanos de Israel, disse que o caso “exemplifica a branqueamento no trabalho”.

“Cada caso individual é isolado por uma série de detalhes técnicos, como se este fosse um incidente singular, ao invés de uma política de fogo aberto”, disse B’Tselem. Acusou a polícia de operar dentro de “uma população civil oprimida para impor uma ocupação e anexação”, levando a vítimas civis e impunidade para aqueles que os ferem.

Na semana passada, a ONU pediu uma investigação sobre os ferimentos israelenses de quatro crianças palestinas nas últimas duas semanas.

LEIA: Israel matou sete menores palestinos em 2020, reporta ong

Categorias
B'TselemIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments