Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Dahlan prepara volta à Palestina para disputar a presidência

Ex-ministro da segurança palestino Mohammed Dahlan [Thomas Coex/ AFP via Getty Images]
Ex-ministro da segurança palestino Mohammed Dahlan [Thomas Coex/ AFP via Getty Images]

O ex-líder do Fatah, Mohammad Dahlan, está se preparando para retornar do exílio para competir pela presidência da Autoridade Palestina (AP), revelou o Intelligence Online.

O site divulgou que há vários sinais de que Dahlan estaria voltando para casa, incluindo a possível realização de eleições palestinas.

Outro sinal é a tentativa de Dahlan de obter apoio popular local por meio de suas críticas à Autoridade Palestina (AP), à Organização para a Libertação da Palestina (OLP) e à decisão do presidente da Fatah, Mahmoud Abbas, de retomar as relações com Israel.

O Intelligence Online informou que Dahlan é mediador entre os Emirados Árabes Unidos e Israel para normalizar as relações, apontando que ele marcou pontos contra Abbas por meio de suas críticas à retomada da cooperação de segurança com Israel.

O site revelou também o papel de Dahlan na retirada do oficial do Fatah, Jibril Rajoub, das negociações de reconciliação realizadas no Cairo, revelando que Dahlan intensificou seus contatos com os egípcios para impedir o acordo, que, se bem-sucedido, beneficiaria a AP.

Por muito tempo, Dahlan foi considerado um potencial sucessor de Abbas, de acordo com o site, observando que a morte do negociador da AP e OLP, Saeb Erekat , no mês passado eliminou um de seus concorrentes.

LEIA: Turquia pede à Interpol que prenda Mohammed Dahlan

O site divulgou que Dahlan tem apoio de algumas das forças palestinas, que compartilham ideologias semelhantes.

O site New Khalij divulgou que o conflito Dahlan-Abbas se refere à época do falecido presidente Yasser Arafat, que confiava em Dahlan quando a OLP estava baseada em Túnis.

Quando a OLP assinou os Acordos de Oslo e a AP foi formada, Arafat encarregou Dahlan de estabelecer um aparato de segurança, que foi a mão dura de Arafat contra o Hamas em Gaza.

Após a morte de Arafat, o conflito prosseguiu e aumentou ainda mais depois que o Hamas ganhou as eleições de 2006.

Abbas e Dahlan continuaram trocando acusações de corrupção e má conduta até 2014, quando um tribunal palestino na Cisjordânia indiciou Dahlan, sentenciando-o a dois anos de prisão por “difamar” Abbas, e três anos de prisão por acusações de corrupção.

LEIA: Retrocesso humilhante de Abbas foi decidido no ‘Dia da Independência’ da Palestina

Categorias
NotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments