Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Cortes na ajuda do Reino Unido contribuirão para a miséria síria

Sírios deslocados são vistos perto de suas tendas improvisadas em Idlib, Síria, em 16 de outubro de 2020 [Muhammed Said/ Agência Anadolu]
Sírios deslocados são vistos perto de suas tendas improvisadas em Idlib, Síria, em 16 de outubro de 2020 [Muhammed Said/ Agência Anadolu]

Após quase dez anos de uma guerra civil brutal, catástrofe econômica, aumento da pobreza, a pandemia covid-19 e agora os meses fatais de inverno – a miséria é agravada repetidamente na Síria, e a decisão do Reino Unido de cortar seu orçamento de ajuda só contribuirá para o sofrimento dos sírios.

De acordo com o jornal The Guardian, a Síria está experimentando uma queda de 56 por cento na ajuda britânica este ano – período que registrou milhares de mortes e mais de um milhão de desabrigados pelos combates brutais em Idlib. A Síria inteira mergulhou em um colapso econômico sem precedentes e agoraa c ovid-19 está devastando a nação, cujo sistema de saúde foi dizimado pelo conflito. Hoje, o povo do norte da Síria precisa de mais ajuda, não de menos.

Uma tragédia adicional é a popularidade desse corte de ajuda entre o público britânico. Sessenta e seis por cento do Reino Unido apóia o corte e apenas dezoito por cento se opõe a ele. Mas isso não é uma indicação de que o orçamento de ajuda do Reino Unido foi um fracasso ou que foi mal executado. Longe disso. É uma indicação de que o governo jamais defendeu a grande ajuda no orçamento do Reino Unido, por medo de provocar tablóides de direita como o Daily Mail, que estão em busca de sangue desde que o Departamento para o Desenvolvimento Internacional (DFID) foi fundado em 1997. Um confesso “cético de longa data em relação à ajuda ao desenvolvimento” e economista de centro-direita, Sam Bowman, saudou os gastos com ajuda do Reino Unido como: “surpreendentemente transparente … Os projetos são revisados ​​independentemente. Setenta e nove por cento dos gastos revisados ​​foram considerados contribuição positiva e o quinto restante precisa de melhorias. ” A maneira como o Reino Unido gastou seu orçamento de ajuda é considerado padrão-ouro de como o dinheiro dos contribuintes foi usado.

LEIA: ONU diz que milhões de deslocados sírios sofrerão com inverno rigoroso e pede ajuda

O primeiro-ministro fala constantemente sobre seu desejo de que as instituições britânicas sejam a “inveja do mundo”. Dentro do DFID, ele tinha exatamente isso. O DFID, entre os círculos de desenvolvimento e ajuda, era líder mundial, permitindo que o Reino Unido agisse bem acima de seu peso e tivesse influência muito além de seu tamanho e riqueza nacional. No entanto, este governo não apenas o incorporou ao Ministério das Relações Exteriores – trocando seu princípio único de promover desenvolvimento para melhorar vidas, pelo de um desenvolvimento para alcançar objetivos de política externa – agora também acabou com seu orçamento.

Apenas entre 2015 e 2019, o orçamento de ajuda do Reino Unido forneceu assistência humanitária a 32,6 milhões de pessoas e educação a 14,3 milhões de crianças. Ajudou a reduzir os casos de polícia de trezentos e cinquenta mil em 1988 para apenas 33 em 2018. Embora a mídia de direita dissesse ao povo britânico que estava financiando as “Spice Girls da Etiópia“, na verdade estava financiando medicamentos, alimentos, educação e água potável para salvar e mudar vidas. Este é um governo que está recebendo ordens de um setor da sociedade que defende que “devemos cuidar dos nossos primeiro”, semanas depois de ter se oposto a fornecer refeições gratuitas às crianças mais pobres do Reino Unido durante as férias escolares.

Só na Síria, James Cleverly, ministro do Oriente Médio e do Norte da África, explicou em um debate no Westminster Hall, no início deste mês, o modo como o Reino Unido gastou £ 3,3 bilhões em ajuda desde 2012. Forneceu 28 milhões de rações de alimentos, 19 milhões de consultas médicas, 13 milhões de vacinações e agora está se comprometendo a gastar £ 33 milhões no combate à covid-19 em uma área onde metade dos hospitais foram deliberadamente danificados e destruídos por objetivos militares.

E ele está certo; o orçamento de ajuda do Reino Unido fez um enorme bem às vítimas do conflito na Síria. Mas agora, o governo está decidindo reduzir a quantidade da ajuda aos sírios quase pela metade. O orçamento de ajuda do Reino Unido indiretamente forneceu financiamento para 33.189 alunos que frequentassem 107 escolas no noroeste da Síria. Ajudou 3.200 crianças no nordeste da Síria a terem aulas em casa durante a pandemia em curso, forneceu água potável para cinco escolas e financiamento para cinco instalações de saúde (quatro clínicas de saúde primária e um hospital). A Siria nem mesmo é um grande beneficiário do dinheiro de ajuda do Reino Unido. O impacto que isso terá sobre grandes projetos de ongs mais dependentes de financiamento do Reino Unido é enorme. São os sírios mais vulneráveis ​​que suportarão as cicatrizes desses cortes orçamentários.

A decisão de equilibrar a contabilidade nas costas das pessoas mais pobres do mundo marca o abandono do Reino Unido de seu principal canal de influência positiva no mundo. Este governo fala dos princípios de uma “Grã-Bretanha Global” pós-Brexit. No entanto, na hora de maior necessidade do noroeste da Síria, estamos vendo uma Grã-Bretanha provinciana.

LEIA: Em meio à crise, Assad abre museu para o irmão falecido

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaOpiniãoOriente MédioReino UnidoSíria
Show Comments
Show Comments