Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A conferência de refugiados de Damasco é outra farsa como Astana e Sochi

O presidente da Síria, Bashar Al-Assad (na tela) na conferência internacional sobre o retorno dos refugiados detidos em Damasco, em 11 de novembro de 2020 [Loual Beshara/ AFP / Getty Images]
O presidente da Síria, Bashar Al-Assad (na tela) na conferência internacional sobre o retorno dos refugiados detidos em Damasco, em 11 de novembro de 2020 [Loual Beshara/ AFP / Getty Images]

Os árabes tiveram um interesse ativo na eleição dos EUA por meio de sua mídia e comentaristas. Eles apoiaram e financiaram ambos os lados, confirmando a divisão entre eles quanto ao papel dos Estados Unidos na região.

Uma coalizão do Golfo Árabe se agarrou ao presidente em exercício Donald Trump, vendo-o como um salvador de suas políticas internas em troca dos serviços econômicos, políticos e financeiros que prestaram aos EUA. Eles não consideraram suas políticas ilegais e antiéticas em seus muitos negócios na região. Enquanto isso, Trump ignorou a opressão em seus países e, como seus predecessores na Casa Branca, abandonou suas responsabilidades de manter a paz e a segurança internacionais.

Os árabes discordam sobre o apoio a Joe Biden, assim como discordam sobre uma série de questões, fato que Trump aproveitou para construir suas políticas na região, colhendo as diferenças para seu investimento. Trump também está deixando a Casa Branca após explorar divisões na sociedade americana para impedir as mudanças buscadas pelos democratas e seus apoiadores que votaram pela rejeição do chamado “trumpismo”, que eles acreditam ser contrário aos valores americanos. Setenta milhões de pessoas votaram em Trump, o que poderia moldar o tipo de política de que Biden precisará para unir uma nação fragmentada.

Os grupos de oposição síria também estavam alinhados a favor ou contra Trump, cada um de acordo com seus próprios interesses estreitos. Isso apesar do fato de que a política de Trump não diferia da de seu antecessor, Barack Obama, que envolvia conter o conflito às vezes e prolongá-lo quando convinha aos EUA. Ambos confiaram a questão a “contratados” ao conceder à Rússia o direito de agir na Síria em troca de investimento de longo prazo no país. Isso não mudará com outro presidente democrata na Casa Branca. Em vez disso, fortalecerá as políticas de Obama, que deu à Rússia o direito de negociar em nome do regime sírio a partir de 2013, e aceitará o acordo para entregar armas químicas em troca de silêncio sobre o uso de gás venenoso pelo regime contra a oposição síria.

LEIA: Assad culpa Estados Unidos por impedir o retorno dos refugiados

Seguindo uma leitura realista das políticas dos Estados Unidos por Moscou, o momento da Conferência Internacional de Refugiados em Damasco (11 e 12 de novembro) foi escolhido considerando a data das eleições nos Estados Unidos e o fato de o Kremlin não poder garantir um segundo mandato para seu candidato preferido. Isso sugere que a Rússia sabe que a política dos EUA na Síria não mudará sob Biden e que o boicote de Washington à conferência é para o consumo da mídia, semelhante ao que aconteceu antes da conferência Astana de 2016 e da conferência Sochi (Diálogo Nacional) em 2018. De fato, as soluções na Síria estão restritas a medidas, acordos e tratados russos desde 2015. Isso significa que confiar a questão a Moscou começou antes da era Trump e não terminará quando ele deixar a Casa Branca em 20 de janeiro.

O presidente dos EUA, Donald Trump, organiza um comício de campanha em Lititz, Pensilvânia, em 26 de outubro de 2020 [Agência Tayfun Coşkun / Anadolu]

O presidente dos EUA, Donald Trump, organiza um comício de campanha em Lititz, Pensilvânia, em 26 de outubro de 2020 [Agência Tayfun Coşkun / Anadolu]

A coalizão de oposição síria, entretanto, continuou enterrando sua cabeça na areia como sua forma regular de lidar com uma realidade em mudança. A Coalizão Nacional Síria (SNC) que declarou suas “reservas” e se recusou a realizar uma conferência internacional sobre refugiados em Damasco é a mesma SNC que rejeitou Astana quando foi promovida no final de 2015 e início de 2016. Em seguida, voltou e tomou parte por insistência da Turquia.

Embora a Conferência Internacional de Refugiados seja uma ideia russa, também é uma oportunidade de propaganda para o presidente sírio, Bashar Al-Assad, antes das eleições presidenciais esperadas para o próximo ano. A atmosfera é semelhante à que precedeu a Conferência de Diálogo Nacional de 2018 em Sochi e conta com a presença de partidos Astana e representantes de países vizinhos, o que representa um certo grau de legitimidade internacional para a conferência e seus resultados. A presença do representante da ONU em Damasco como observador dá à conferência a dimensão que Moscou busca como primeiro passo para estabelecer um novo caminho sob um pretexto humanitário para acompanhar a via militar de Astana; juntos eles circundam a já limitada trilha política de Genebra.

LEIA: Sírio que sobreviveu a tortura nas prisões de Assad entra em universidade nos EUA

A pretensão de Moscou contra a oposição em Astana e Sochi está se repetindo em Damasco, na iminência de uma nova era na Casa Branca pela qual Moscou e Irã, bem como a Turquia (um aliado do SNC que rejeita a conferência), buscam testar o presidente eleito dos EUA antes de tomar posse. Dessa forma, eles determinarão quem será o “candidato” nominal para enfrentar Al-Assad. Também determinará o grau das mudanças necessárias na nova constituição que será apresentada como um símbolo de amizade a Biden, que sabe que o trio Astana – Rússia, Irã e Turquia – está em sua lista de amigos fáse pós-normalização árabe-israelense.

Este artigo foi publicado pela primeira vez no site Al-Araby Al-Jadded, em 9 de novembro de 2020

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAEuropa & RússiaOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioRússiaSíria
Show Comments
Show Comments