Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Presidente libanês diz contar com Washington na demarcação das fronteiras com Israel

Presidente do Líbano em 20 de setembro de 2020 [Presidência Libanesa / Agência Anadolu]
Presidente do Líbano em 20 de setembro de 2020 [Presidência Libanesa / Agência Anadolu]

O presidente libanês Michel Aoun anunciou na sexta-feira que seu país está contando com o papel dos EUA para alcançar soluções justas durante as negociações para demarcar as fronteiras marítimas com Israel.

Isso aconteceu durante a reunião de Aoun com o Secretário de Estado Adjunto para Assuntos do Oriente Médio David Schenker na capital de Beirute, de acordo com uma declaração emitida pela presidência libanesa.

A declaração revelou que o presidente libanês agradeceu a Washington por seu apoio ao Líbano após a explosão do porto de Beirute, e sua ajuda aos afetados pela explosão.

Aoun enfatizou que as autoridades estão trabalhando para formar um governo competente que se concentre em realizar as reformas necessárias para superar a deterioração das condições econômicas e financeiras no país.

A explosão do porto de Beirute, que ocorreu em agosto passado, causou mais de 190 mortos e mais de 6.000 feridos, além de dezenas de pessoas desaparecidas e danos materiais massivos, que resultaram em mais de US $ 15 bilhões em perdas, de acordo com dados oficiais preliminares.

LEIA: Existe uma corrida por um novo ‘Sykes-Picot’ para moldar o futuro do Líbano?

A explosão catastrófica agravou a situação de um país que há meses sofre com uma crise econômica, considerada a pior desde o fim da guerra civil (1975-1990).

O oficial dos EUA enfatizou que os EUA continuarão a facilitar e mediar nas negociações para a demarcação da fronteira marítima do sul entre o Líbano e Israel.

Ele expressou sua esperança de que essas negociações sejam concluídas o mais rápido possível e alcancem resultados positivos, e que “seja formado um governo produtivo para implementar as reformas econômicas necessárias no país”.

Schenker considerou que “estabelecer reformas no Líbano é essencial, especialmente porque não há diferença entre política e economia”.

Na quarta-feira, Schenker participou da primeira sessão de negociações para demarcar a fronteira marítima entre Líbano e Israel, na sede da força da Organização das Nações Unidas (ONU) na região de Naqoura, ao sul do Líbano.

Essas negociações vêm após anos de mediação dos EUA e sob os auspícios da ONU, representada pelo Coordenador Especial da ONU no Líbano, Jan Kubis.

LEIA: Demarcação da fronteira com o Líbano segue roteiro para normalização com Israel

O Líbano está envolvido em um conflito com Israel por uma área rica em petróleo e gás no Mediterrâneo, cobrindo cerca de 860 quilômetros quadrados, conhecida como “zona 9”.

Ao contrário das fronteiras terrestres controladas pelo Hezbollah, que testemunham tensões de tempos em tempos devido ao que Tel Aviv chama de tentativas dos combatentes do Hezbollah de violar as fronteiras, as fronteiras marítimas entre o Líbano e Israel são relativamente calmas.

Categorias
LíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments