Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líbano testa DNA de corpos resgatados do mar, migrantes ou vítima da explosão

Uma visão do Porto de Beirute após um incêndio em um armazém levar a grandes explosões em 4 de agosto em Beirute, Líbano em 13 de agosto de 2020 [Agência Aysu Biçer / Anadolu]
Uma visão do Porto de Beirute após um incêndio em um armazém levar a grandes explosões em 4 de agosto em Beirute, Líbano em 13 de agosto de 2020 [Agência Aysu Biçer / Anadolu]

As forças de segurança do Líbano começaram a realizar testes de DNA em corpos que apareceram na costa do país para determinar se eles são vítimas da explosão de 4 de agosto em Beirute ou de uma recente tragédia em um barco migrante, informou o Arab News.

Pelo menos cinco corpos descobertos na costa norte do Líbano estão sendo testados para identificação por forças de segurança.

Os corpos podem ser algumas das nove pessoas que ainda estão desaparecidas após a enorme explosão que abalou a capital do Líbano, Beirute, no mês passado, matando quase 200 e ferindo milhares mais.

Pelo menos um trabalhador do porto, que havia sido lançado ao mar durante a explosão, foi resgatado com vida da água 30 horas após a explosão. Mais tarde, ele morreu no hospital, mas seu caso aumentou a esperança de que outras pessoas desaparecidas pudessem ser encontradas no mar.

Também há suspeitas, no entanto, de que os corpos sejam de migrantes após uma recente e fracassada tentativa de chegar ao Chipre por mar.

LEIA: França apoia proposta de ex-premiê para encerrar impasse político no Líbano

O barco, que recebeu pelo menos 50 imigrantes libaneses e sírios, de acordo com o Arab News, deixou a costa norte do Líbano no dia 7 de setembro.

O navio foi posteriormente abandonado pelo manipulador do navio e deixado à deriva no Mar Mediterrâneo por quase uma semana, antes de ser descoberto em águas internacionais pelos soldados da paz da ONU.

Sobreviventes disseram ao Al-Arabiya que sobreviveram com água do mar, leite em pó e pasta de dente, mas que vários passageiros morreram, foram deixados no mar ou pularam na tentativa de encontrar ajuda.

Pelo menos um homem foi retirado da água com vida pela Força-Tarefa Marítima da UNIFIL depois que ele tentou nadar em segurança. No entanto, vários outros desapareceram e pelo menos quatro corpos, que se acredita serem passageiros da embarcação, foram retirados do mar no início desta semana.

O número de tentativas de travessia aumentou acentuadamente nos últimos meses, refletindo o desespero crescente no Líbano atingido pela crise.

O colapso econômico, a pandemia do coronavírus, o aumento da pobreza e o trauma da explosão de 4 de agosto levaram dezenas de libaneses a partirem para o Chipre.

A ACNUR e o UNICEF apelaram para que as “causas profundas” destes padrões de migração, nomeadamente “pobreza e falta de oportunidades económicas”, fossem abordadas.

Na última terça-feira (22),  durante um discurso virtual pelo 75º aniversário da ONU, o presidente do Líbano, Michel Aoun, pediu ajuda internacional para garantir o retorno seguro dos refugiados sírios, dizendo que seu país não pode mais se dar ao luxo de hospedá-los.

LEIA: Unifil resgata trinta e seis migrantes na costa do Líbano

Categorias
ChipreLíbanoNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Show Comments