Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Bolsonaro, o pastor corrupto e o rentável turismo religioso de Israel

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu tocam o muro das lamentaçõesl, o local mais sagrado onde os judeus possam orar, na Cidade Velha de Jerusalém, em 1º de abril de 2019. [Menahem Kahana/Pool/AFP/Getty]
O presidente brasileiro Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu tocam o muro das lamentaçõesl, o local mais sagrado onde os judeus possam orar, na Cidade Velha de Jerusalém, em 1º de abril de 2019. [Menahem Kahana/Pool/AFP/Getty]

Na semana em que o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, tornou-se alvo de uma campanha virtual sobre o pagamento de Queiroz para sua esposa Michele , o pastor Everaldo, ex-amigo íntimo do presidente que o batizou nas águas do Rio Jordão, foi preso.

Sobre os fatos, duas coisas que podemos extrair são: primeiro, o entorno de Bolsonaro nos surpreende a cada dia (ou não?) com a diversidade de notícias sobre negócios ilícitos, redes de corrupção e crimes envolvendo pessoas próximas. A segunda delas, não é de hoje que a “Terra Santa” virou lugar de exploração turística e ideológica para setores de extrema-direita, sob um guarda-chuva supostamente cristão.

Em 2016, quando Bolsonaro visitou o Estado de Israel (antes da visita oficial como presidente) e, portanto, teve acesso ao Rio Jordão, sendo batizado pelo agora preso Pastor Everaldo, o turismo religioso já figurava em Israel como um dos aspectos mais rentáveis de sua economia. Aliás, o turismo religioso representa para o Estado ocupante um aumento cada vez maior de visitações e verdadeira máquina lucrativa e propagandística. A despeito das versões distorcidas sobre quais foram os caminhos bíblicos de Jesus, já que parte das localidades históricas de sua passagem está em territórios da Cisjordânia ocupada, o negócio tem grande apelo mundial, sendo também um nicho de mercado no Brasil. Infelizmente, como consequência do controle da “Terra Santa” por Israel, fiéis desavisados ou sem outra alternativa tornam-se reféns desse turismo alienado que apresenta uma cristandade duvidosa .

Bolsonaro é batizado pelo pastor Everaldo

Bolsonaro é batizado pelo pastor Everaldo

LEIA: Israel contesta raízes palestinas de Jesus

Mais gritante ainda, porém, é a relação de Israel com os cristãos palestinos. Sem ter acesso permitido para visitação e translado aos lugares santos, por vezes atacados ao longo da história recente, os cristãos na Terra Santa de hoje não estão nem perto de ter uma existência menos questionada que a de Jesus, o militante contra as injustiças romanas. Diga-se de passagem, a rigor, ele pôde transitar com muito mais desenvoltura na Palestina de então, sem muros ou checkpoints. Já os cristãos palestinos de hoje, mesmo nos feriados religiosos, não têm autorização para visitar as localidades da Terra Santa com suas famílias.

Aliás, a tentativa de limitar a movimentação dos cristãos é só um dos aspectos das múltiplas dificuldades que enfrentam, situação que os leva a uma população cada vez menor na Palestina ocupada, servindo muito bem aos interesses de judaização da Terra Santa mais profanada no mundo.

Essa expulsão em curso dos cristãos palestinos vem em consonância ao crescente número de defensores notórios da vinculação da Terra Santa com Israel. No Brasil, esses expoentes são parte do que há de mais intolerante em termos de religião e política, representam um suposto cristianismo extremamente conservador, o neopentecostalismo, concentrando grandes fortunas e poderes políticos (inclusive com bancada no Congresso Nacional e unindo “esquerdas” e “direitas” em uma possível isenção bilionária de impostos e que cresce vertiginosamente. Esses são, hoje, os maiores defensores políticos do sionismo no país.

Newton Menezes / Futura Press

Newton Menezes / Futura Press

Isso também nos ajuda a compreender como os neopentecostais passaram a ter uma identidade visual em manifestações bolsonaristas, portando orgulhosamente bandeiras de Israel, dando contornos simbólicos ao que Bolsonaro já opera no campo da política, com sua aproximação deliberada de Israel e seus representantes. Simbiose construída em um uníssono com Trump, Netanyahu, com os políticos da fé e uma visão bélica e racista de mundo no mesmo pacote.

LEIA: A limpeza étnica dos cristãos palestinos da qual ninguém fala

Bolsonaro, que se diz católico (aplicando livre interpretação sobre o que isso significa), aproveita-se do peso que hoje representam as igrejas neopentecostais no país e suas ideologias reacionárias – assim como a defesa de um Estado de Israel existente não nos escritos cristãos, mas nas ideologias sionistas – para manter sua base de apoio e, ao mesmo tempo, foco numa política externa voltada às figuras mais odiadas em nível mundial. Apostando assim, na nova-velha receita do sucesso: construir trajetórias políticas que salivam ódio e jorram sangue, como a do premiê israelense e a do presidente dos EUA. Vejamos quanto tempo esse eixo do mal, conjunturalmente alinhado, seguirá levando essa receita como sinônimo de triunfo.

Sobre o futuro da “Terra Santa”, infelizmente, sabemos que, se depender de quem a controla hoje, veremos filas de camelos tranquilamente acomodados no fundo de agulhas (Mc 10,17-27), antes de qualquer postura consciente ou respeitosa por aqueles que deveriam ter a liberdade de professar sua fé. Cabe a nós, que defendemos o Estado laico, a liberdade religiosa e particularmente a dignidade humana, defender uma Palestina livre, do rio ao mar e aberta a todo mundo que queira visitá-la.

LEIA: Israel impede saída de crianças cristãs de Gaza e alega segurança

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasBrasilIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Show Comments