Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Naufrágio na costa da Líbia deixa vinte e quatro mortos

Mais de 250 organizações da sociedade civil pediram à chanceler alemã, Angela Merkel, para agir sobre o afogamento de muitos refugiados no Mediterrâneo e a situação desastrosa na Líbia.
Mais de 250 organizações da sociedade civil pediram à chanceler alemã, Angela Merkel, para agir sobre o afogamento de muitos refugiados no Mediterrâneo e a situação desastrosa na Líbia.

A agência de migração da ONU disse que pelo menos 24 pessoas morreram afogadas no mar na costa da Líbia.

Um barco que transportava refugiados a caminho da Europa virou no Mar Mediterrâneo hoje, deixando seus passageiros desaparecidos e presumivelmente mortos.

Ontem, a guarda costeira da Líbia interceptou três barcos, um dos quais havia virado, disse uma porta-voz da OIM à AP.

Pelo menos 45 sobreviventes foram devolvidos à costa e foram levados para um centro de detenção em Trípoli. Dois corpos foram encontrados, mas os  sobreviventes disseram que outras 22 pessoas estavam desaparecidas. A maioria deles era do Egito e Marrocos.

No mês passado, mais de 350 pessoas morreram no Mediterrâneo central, tentando fazer a travessia para a Europa. Pelo menos 45 pessoas eram de um mesmo barco,  o que foi maior número de mortes em um único naufrágio na costa da Líbia.

Também em agosto, 48 corpos foram levados à costa da Líbia. Desde 2014, vinte mil pessoas morreram na jornada através do Mediterrâneo.

LEIA: 409 pessoas atravessam o Canal da Mancha, em recorde diário

A Líbia é uma base importante para os refugiados que tentam chegar à Europa. Os contrabandistas aproveitaram o vácuo que se seguiu à primavera na Líbia de 2011 e ao assassinato de Muammar Gaddafi.

Desde 2016,  com a ascensão de partidos populistas de extrema direita com uma agenda anti-imigração, os Estados membros da UE têm colaborado com a guarda costeira da Líbia para retornar esses refugiados à Líbia.

No ano seguinte, o número de pessoas chegando à Itália diminuiu, mas o número das que tentaram e morreram no mar aumentou.

A guarda costeira da Líbia foi acusada de sabotar os esforços de resgate de ongs e barcos de resgate voluntários e de fazer parte de redes de contrabando.

A Human Rights Watch disse que a guarda costeira da Líbia facilitou a detenção de dezenas de milhares de homens, mulheres e crianças em condições terríveis, onde enfrentam abusos, como trabalhos forçados e tortura.

Em agosto, o artista de rua Banksy comprou um barco de resgate para salvar refugiados em perigo que tentavam chegar à Europa partindo do norte da África.

Categorias
ÁfricaEuropa & RússiaIOMItáliaLíbiaNotíciaONUOrganizações Internacionais
Show Comments
Show Comments