Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Metade das crianças de Beirute mostram sinais de trauma após explosão

Makhoul Mohammad al-Hamad, 43, segura sua filha de seis anos, Sama, em seu apartamento, enquanto assistem aos escavadores removendo terra no local da explosão próximo aos silos no porto de Beirute, em 16 de agosto de 2020,após a enorme explosão que devastou a capital do Líbano. [Anwar Amro/ AFP via Getty Images]
Makhoul Mohammad al-Hamad, 43, segura sua filha de seis anos, Sama, em seu apartamento, enquanto assistem aos escavadores removendo terra no local da explosão próximo aos silos no porto de Beirute, em 16 de agosto de 2020,após a enorme explosão que devastou a capital do Líbano. [Anwar Amro/ AFP via Getty Images]

Aproximadamente metade das crianças na capital do Líbano, Beirute, começaram a mostrar sinais de trauma e extremo estresse desde que uma grande explosão abalou a cidade em 4 de agosto, diz um relatório da UNICEF.

“Entre 10 e 17 de agosto, metade dos entrevistados relatou que as crianças em suas casas estavam mostrando mudanças de comportamento ou sinais de trauma ou estresse extremo após as explosões”, diz o relatório.

Os sintomas mais comuns, disse a UNICEF, foram ansiedade severa; quietude ou afastamento dos pais e famílias; pesadelos e dificuldade para dormir; bem como comportamento agressivo.

No entanto, não são apenas as crianças que começam a mostrar sinais de trauma na sequência da explosão que, causada quando 2.750 toneladas de nitrato de amônio armazenadas no porto de Beirute pegaram fogo, custou a vida de quase 200 pessoas e feriu milhares mais.

Um terço dos domicílios pesquisados ​​pelo UNICEF (compreendendo 940 famílias nos bairros Karantina, Geitawi e Basta de Beirute) relataram que os adultos também exibiam sintomas semelhantes de estresse e trauma. No entanto, um relatório da Reuters ontem disse que os entrevistados adultos ficaram nervosos e assustados com o menor som.

LEIA: Até o final do ano, haverá comida suficiente no Líbano? Pergunta criadora de ong contra a fome

Relatório: Proprietário do navio libanês de material explosivo vinculado ao Hezbollah

Agora, psicólogos e profissionais de saúde mental alertam para uma crise se as vítimas não receberem o apoio necessário.

“O apoio à saúde mental é uma parte vital da resposta médica”, afirma Marco Baldan, cirurgião do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

“Além das horríveis lesões físicas que estão sendo tratadas em hospitais, as pessoas correm o risco de desenvolver cicatrizes enormes e ocultas, a menos que sejam apoiadas pelas consequências psicológicas desta catástrofe”, acrescentou Baldan.

Mesmo antes da explosão de 4 de agosto, no entanto, as preocupações com a saúde mental no Líbano aumentavam à medida que uma grave crise econômica, agravada pela pandemia do coronavírus, se instalava.

As taxas de suicídio dobraram este ano de uma média de 200 por mês para quase 500, com várias vítimas culpando as dificuldades financeiras e a fome.

“Não sou um infiel … mas a fome é um infiel”, dizia a nota de suicídio de um jovem libanês que se suicidou em Beirute no mês passado.

O CICV e o UNICEF agora pedem maiores esforços para apoiar psicologicamente os residentes de Beirute após a explosão.

“Queremos tornar o mais fácil possível para que todos dêem os primeiros passos em direção ao apoio … e nossos serviços em Beirute e Trípoli são gratuitos”, disse Isabel Rivera Marmolejo, delegada de saúde mental do CICV no Líbano, citada por a sala de notícias da organização como dizendo. “As pessoas não precisam fazer isso sozinhas”, acrescentou Marmolejo.

LEIA: Líbano descobre 25 contêineres com materiais químicos, no porto de Beirute

Categorias
LíbanoNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioUNICEF
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments