Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Khamenei do Irã acusa EUA de tentar alimentar protestos

Líder supremo iraniano Ali Khamenei, em Teerã, Irã, em 21 de julho de 2020. [Governo do Irã/ Divulgação/ Agência Anadolu]
Líder supremo iraniano Ali Khamenei, em Teerã, Irã, em 21 de julho de 2020. [Governo do Irã/ Divulgação/ Agência Anadolu]

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, acusou os Estados Unidos na sexta-feira de tentar provocar protestos contra o governo, impondo sanções que, segundo ele, visam à falência do país, informa a Reuters.

Os dirigentes clericais do Irã tentaram impedir o renascimento da agitação antigovernamental que abalou o país nos últimos anos e que começou com protestos contra as dificuldades econômicas, mas tornou-se política, exigindo a renúncia da principais autoridades. Protestos, de acordo com as autoridades, serão tratados de forma “decisiva”.

“O objetivo de curto prazo (dos EUA) era deixar nosso povo tão cansado que resistiria contra o sistema (governante)”, disse Khamenei em um discurso televisionado marcando o feriado religioso muçulmano de Eid al-Adha.

“Seu objetivo a longo prazo é falir o país, o estado, em outras palavras, para fazer a economia entrar em colapso.”

Além das sanções dos EUA, a economia do Irã foi afetada por uma queda nos preços do petróleo e pela crise dos coronavírus: o Irã tem um dos maiores números de mortes no mundo após a pandemia.

As relações entre Teerã e Washington se deterioraram desde 2018, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, abandonou o acordo nuclear do Irã em 2015 com seis potências sob as quais Teerã concordou em restringir seu programa nuclear em troca do levantamento da maioria das sanções internacionais.

LEIA: Irã dá início a exercícios militares no Golfo, na costa do Estreito de Ormuz

Khamenei chamou os EUA de “principal inimigo” do Irã e pediu aos iranianos que resistissem à pressão dos EUA. Ele descartou negociações com Washington dizendo que Trump as usaria para propaganda, como fez com o líder norte-coreano Kim Jong Un.

“Na mesa de negociações, os EUA querem que abandonemos completamente nossa indústria nuclear, reduzamos nossas capacidades de defesa e renunciemos à nossa influência regional”, afirmou.

Desde que se retirou do acordo nuclear, Washington restabeleceu sanções que reduziram drasticamente as exportações de petróleo de Teerã. Ela está adotando uma política de “pressão máxima” destinada a forçar Teerã a negociar um acordo mais amplo que limite ainda mais seu trabalho nuclear, encerre seu programa de mísseis e seu apoio a forças substitutas em uma disputa de poder regional com árabes do Golfo apoiados pelos EUA.

Categorias
Ásia & AméricasEUAIrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments