Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Trump dos EUA estende ordem de emergência nacional para o Líbano

Presidente dos EUA, Donald Trump, no Texas, EUA, em 29 de junho de 2020 [Kyle Mazza / Anadolu Agency]
Presidente dos EUA, Donald Trump, no Texas, EUA, em 29 de junho de 2020 [Kyle Mazza / Anadolu Agency]

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou planos para estender a ordem de emergência nacional para o Líbano para “além de 1º de agosto de 2020”, citando preocupações sobre a força do Hezbollah em um comunicado divulgado ontem.

A ordem permite ao governo dos EUA bloquear propriedades pertencentes àqueles que se acredita ameaçarem a soberania, processos ou instituições libanesas.

A extensão ocorre em um momento em que as tensões sobre a fronteira sul do Líbano com Israel – um importante aliado americano – aumentam desde as últimas semanas. A tensão aumentou após a morte de um combatente do Hezbollah na Síria durante um ataque aéreo israelense contra um depósito de munições apoiado pelo Irã na semana passada.

Trump justifica a extensão, de acordo com o comunicado, por “certas atividades em andamento”, incluindo transferências iranianas de armas para o Hezbollah no Líbano, o que é tratado “ameaça incomum e extraordinária à segurança nacional e à política externa dos Estados Unidos”.

LEIA: Israel violou espaço aéreo do Líbano 29 vezes em apenas 48 horas

No comunicado, os EUA alegam que as transferências de armas para o Hezbollah, que incluem “sistemas de armas cada vez mais sofisticados”, ameaçam a estabilidade regional, política e economicamente.

Israel transferiu soldados e defesas da Cúpula de Ferro para as áreas de fronteira com o Líbano e realizou um grande exercício militar perto da fronteira norte. A força de manutenção da paz das Nações Unidas no Líbano, a UNIFIL, pediu que os dois lados “mantenham o máximo de contenção”.

O estado de emergência nacional foi declarado pela primeira vez em 1º de agosto de 2007 pelo então presidente George W. Bush, sendo prorrogado anualmente, em um prazo de 90 dias após o aniversário da ordem executiva.

O Líbano está sofrendo crises econômicas e políticas simultâneas, agravadas pela pandemia global de coronavírus.

O governo apoiado pelo Hezbollah enfrenta pedidos de renúncia devido ao fracasso em avançar nas negociações de resgate com o Fundo Monetário Internacional (FMI) ou desbloquear US$ 11 bilhões prometidos na conferência CEDRE de 2018, que poderia ajudar sua economia.

A moeda local, a lira libanesa, perdeu mais de 80% de seu valor nos últimos meses, enquanto o desemprego e os preços dos bens básicos dispararam. Em novembro do ano passado, antes do início da pandemia de coronavírus, o Banco Mundial estimou que, em meados de 2020, 50% da população do Líbano poderia estar abaixo da linha de pobreza.

LEIA: Quase um milhão de pessoas ‘lutam para sobreviver’ na capital do Líbano, afirma Save the Children

Categorias
Ásia & AméricasEUALíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments