Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Khalifa Haftar: O ex-exilado que quer governar a Líbia

Marshall Khalifa Haftar, ao chegar a uma conferência em Palermo, Itália, em 12 de novembro de 2018 [Flippo Monteforte / AFP / Getty Images]
Marshall Khalifa Haftar, ao chegar a uma conferência em Palermo, Itália, em 12 de novembro de 2018 [Flippo Monteforte / AFP / Getty Images]

O marechal de campo Khalifa Haftar, comandante do Exército Nacional da Líbia (LNA), é um homem com duas missões interdependentes. O primeiro é governar a Líbia, enquanto o segundo é reescrever um parágrafo de seu currículo. Isso seria muito mais fácil; no entanto, depende de ele se tornar presidente. Ambas as missões agora parecem um sonho distante, deixando Haftar em seu labirinto. Seu futuro não é mais tão seguro como era há três meses.

Para Haftar, a guerra civil de 2011 foi uma oportunidade para editar seu currículo, e ele deixo passar. Ele deixou Langley, Virgínia, nos EUA, para se juntar aos rebeldes e se fundir com a rebelião apoiada pela OTAN que acabou derrubando seu ex-chefe, Muammar Gaddafi. Essa conexão de Langley é mais profunda do que parece, pois autentica seu trabalho com a Agência Central de Inteligência (CIA), perto da qual Haftar viveu por mais de duas décadas. A agência de espionagem se referia a ele como um “ativo” – um termo usado no mundo secreto da espionagem para significar alguém que não é um agente oficial, mas um indivíduo reserva para operações específicas. Ele cooperou seriamente para derrubar seu ex-chefe, o falecido Kadafi, com quem se desentendeu durante a guerra entre o Chade e a Líbia. Haftar tornou-se prisioneiro de guerra em 1987 e Gaddafi, tentando encobrir seus rastros, negou ter soldados no Chade, e muito menos seu principal tenente como prisioneiro.

LEIA: União Europeia apela por cessar fogo na Líbia

A CIA mudou-se para tirar Haftar, juntamente com alguns de seus subordinados, de uma prisão chadiana e os levou para os EUA, começando a conspirar para derrubar Gaddafi. Foi como ele se tornou um ativo. Essa missão nunca viu a luz do dia, e o humilhado Haftar passou a ser chamado de “traidor” em seu próprio país, sendo mesmo  condenado à morte por uma corte marcial. Essa experiência vergonhosa foi impressa no currículo de Haftar e ele tenta excluí-lo desde então.

Na década de 1980, o falecido Gaddafi era o inimigo público número um dos EUA e a CIA o procurava ativamente. Haftar, então um jovem oficial, parecia um recruta certo para ajudar. Com o apoio financeiro e material da agência, Haftar participou de algumas tentativas de se livrar de Kadafi, incluindo uma em 1996, na qual ele estave diretamente envolvido. Tudo deu errado.

Essa conexão com os EUA é o que ele procura excluir de sua experiência como oficial militar e também líbio. Muitos acreditam que seu vínculo com a CIA, que também lhe rendeu a cidadania americana, não foi sua escolha, mas veio por padrão. Mas, no processo, ele perdeu sua honra militar e se tornou um peão do inimigo de seu país. Os que o defendem também afirmam que ele não tinha outra alternativa senão viver os próximos 23 anos, bastante confortavelmente, perto da sede da CIA. Quaisquer que sejam as razões por trás de suas ações, foi uma má escolha e um julgamento errático. Anos mais tarde, o general parece ter feito julgamentos mais duvidosos que acabariam por derrotar seu LNA em sua missão de tomar Trípoli. A maioria dos recentes contratempos do LNA em sua ofensiva para conquistar a capital é atribuída ao seu principal comandante – o próprio general Haftar.

General Khalifa Haftar assumindo a Líbia - Cartum [Sabaaneh / MiddleEastMonitor]

General Khalifa Haftar assumindo a Líbia – Cartum [Sabaaneh / MiddleEastMonitor]

Juntando-se aos rebeldes apoiados pela Otan, em abril de 2011, combatendo o governo de Kadafi, Haftar quis provar suas credenciais como um feroz oponente a Kadafi. Isso apesar da reconciliação e do fato de Gaddafi ter comprado para ele uma vila de luxo em um subúrbio do Cairo em meados dos anos 2000. No entanto, a oposição o rejeitou e, no final de 2011, ele se viu sem emprego, mas com grandes aspirações.

Os islâmicos no controle de Benghazi lançaram em 2013 uma campanha de assassinatos contra ex-militares e agentes de segurança, ativistas civis e jornalistas; Haftar sentiu que devia ser o próximo. Corajosamente, ele reorganizou os remanescentes das forças armadas da Líbia, que sobreviveram à campanha da OTAN por sete meses, para revidar. Em 2014, ele lançou sua Operação Dignidade para livrar a Líbia de “terroristas”, como ele disse. Esse esforço levou mais de três anos para finalmente reivindicar a vitória sobre a coalizão de milícias islâmicas, incluindo a Al-Qaeda e depois o Daesh, no leste da Líbia.

Ao longo dos anos, Haftar pareceu ter desenvolvido o que pode ser chamado de “complexo de personalidade de Kadafi”, tentando, embora sem sucesso, imitar o estilo de liderança de Kadafi, sem seu carisma, entendimento de política e tática tribal. Esse impedimento ocasionalmente aparecia, rendendo a ele mais desprezo do que respeito. Em algum momento, após sua onerosa vitória em Benghazi, ele parecia ganhar popularidade em todo o país como salvador de todas as milícias que dominavam a Líbia desde 2011. Mas muito disso foi corroído à medida que a guerra se arrastava.

Ao lançar sua campanha para tomar Trípoli, em 4 de abril de 2019, ele acreditava que seria apenas uma questão de dias antes de adquirir a capital. Ele calculou mal, política e militarmente, devido à sua teimosia. Até seus aliados russos questionariam seu estilo de liderança e táticas militares. Ele nunca visitou suas tropas durante a guerra, nem cidades que o apoiaram durante a guerra. Muitos acreditam que suas perdas no oeste da Líbia se deviam ao desejo da Rússia de puni-lo, ordenando que os mercenários Wagner que lutavam por ele se retirassem, em vez de continuar lutando. Isso explica por que os mercenários foram levados pelos aviões russos depois que deixaram Tarhuna, enquanto outras forças de retirada não o fizeram.

Politicamente, ele não gostou do compromisso da Turquia com o governo de Trípoli, quando comparado com o compromisso de seus apoiadores estrangeiros.

Agora, o LNA recuou, quase para suas posições anteriores a 4 de abril, perdendo todos os ganhos militares obtidos em sua ofensiva de treze meses. Os apoiadores estrangeiros de Haftar, principalmente a Rússia, devem estar discutindo seu futuro, já que a autoridade de Trípoli se recusa a lidar com ele. Haftar não gosta de ser questionado pela mídia e nunca ouve seus conselheiros quando ousam falar. Ele ignora completamente seus aliados políticos e os despreza, incluindo o parlamento que primeiramente lhe deu legitimidade. Sua ambição de governar a Líbia e esse parágrafo de seu currículo continuarão a assombrá-lo – com uma dose da maldição de Kadafi também.

LEIA: Haftar, da Líbia, ficará no Egito até ter um lugar para se aposentar, diz mídia local

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEgitoEmirados Árabes UnidosEuropa & RússiaLíbiaOpiniãoOriente MédioTurquia
Show Comments
Show Comments