Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quinze anos de BDS uniram todos os palestinos e seus apoiadores

Manifestantes em apoio ao movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) [Twitter]
Manifestantes em apoio ao movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) [Twitter]

O dia de hoje marca 15 anos desde a fundação oficial do movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) na Palestina. O movimento contra o apartheid israelense tem uma longa história e raízes profundas, mas foi em 9 de julho de 2005 o seu estabelecimento formal com a publicação do “Pedido da Sociedade Civil Palestina por BDS”.

Endossado essencialmente por toda a sociedade civil palestina – sindicatos, partidos políticos, associações profissionais, grupos de mulheres, organizações de direitos humanos e associações religiosas e culturais – o documento pedia um movimento global de BDS contra as violações de Israel aos direitos palestinos. É baseado no movimento bem-sucedido de boicote ao apartheid da África do Sul e é inteiramente pacífico.

O documento é uma parte essencial da história da luta de libertação da Palestina. É mais notável por sua clareza e princípios, por fazer um conjunto de três exigências claras e por seu efeito unificador no corpo político da Palestina.

“Cinqüenta e sete anos após o estado de Israel ter sido construído principalmente em terras com limpeza étnica de seus proprietários palestinos”, afirmou, “a maioria dos palestinos é refugiada, a maioria sem Estado. Além disso, o sistema arraigado de discriminação racial de Israel contra seus próprios cidadãos árabe-palestinos permanece intacto ”.

LEIA: O BDS e seus críticos

Dessa maneira, o BDS aumentou a consciência global do fato de que os palestinos são desde 1948 um povo diaspórico.

A expulsão do movimento sionista colonial-colonizador de cerca de 800 mil palestinos em 1948 marcou uma forte ruptura na história palestina. A expulsão e dispersão do povo palestino perdura até hoje, mantida pelo estado racista de Israel e seu regime de apartheid.

Apesar de seu direito legítimo de retorno, os refugiados expulsos pelas milícias sionistas desde 1947 nunca tiveram permissão para fazê-lo. Esse é o fato central e a principal injustiça que a luta pela libertação palestina procura acabar.

Enquanto isso, os palestinos estão fisicamente divididos entre três grupos amplos constituintes: os cidadãos palestinos de Israel (também conhecidos como “os palestinos de 48”); aqueles que vivem sob ocupação militar israelense na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, muitos dos quais também são refugiados de suas casas que ficavam no que é hoje Israel; e outros refugiados que vivem além das fronteiras da histórica Palestina. Os dois primeiros grupos mantêm a presença palestina em suas terras – embora nem sempre em suas áreas tradicionais – apesar de mais de um século de esforços sionistas para removê-los.

LEIA: Golpe legal atinge o lobby sionista conforme o BDS continua seu avanço

O terceiro grupo – os refugiados da diáspora – é a maior parte do povo palestino. Há um cruzamento entre os três setores: muitos palestinos na Cisjordânia e a maioria na Faixa de Gaza também são refugiados registrados.

As últimas estimativas populacionais mostram que hoje existem 13 milhões de palestinos no mundo, cinco milhões dos quais vivem na Cisjordânia (incluindo Jerusalém) e na Faixa de Gaza. Isso deixa cerca de oito milhões de palestinos vivendo no resto do mundo (incluindo os dois milhões que vivem no atual Israel como cidadãos de segunda ou terceira classe). A maioria dos palestinos no mundo de hoje é, portanto, refugiada; os expulsos de suas casas pelas milícias sionistas e pelo estado de Israel desde 1947, bem como seus descendentes.

Manifestantes seguram bandeiras palestinas na Cisjordânia em 28 de setembro de 2019 [Issam Rimawi / Agência Anadolu]

Manifestantes seguram bandeiras palestinas na Cisjordânia em 28 de setembro de 2019 [Issam Rimawi / Agência Anadolu]

Uma das ferramentas mais bem-sucedidas e insidiosas do kit de controle colonial israelense tem sido a base do imperialismo: dividir e governar. Dessa maneira, Israel tentou impor divisões entre o corpo político palestino de todas as formas possíveis: religiosa, étnica, espacial e geográfica, cultural e até sexual.

Algumas dessas divisões foram bem-sucedidas, outras tiveram fracasso total (a tentativa de dividir a população cristã da Palestina da maioria muçulmana, por exemplo) e outras tiveram resultados mistos. Mas a genialidade do documento de chamada do BDS era reunir todos esses setores de volta em um corpo político, auxiliado pelo fato de que os próprios palestinos nunca aceitaram essas divisões. O movimento BDS, portanto, aumentou a consciência do mundo de que os palestinos são um povo.

LEIA: Tribunal europeu decide a favor da liberdade de expressão do BDS

Muitas vezes, durante a era dos Acordos de Oslo, a frase “os palestinos” se referia apenas àqueles da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, um setor importante sem dúvida, mas uma minoria da população em geral. Assim, por exemplo, somente aqueles nos territórios palestinos ocupados tiveram permissão para votar nas eleições para o Conselho Legislativo da Palestina e para a presidência da Autoridade Palestina.

Os esforços do BDS nesse sentido começaram com o preâmbulo que citei no início do artigo. Foram, no entanto, incorporados mais do que qualquer coisa nas três demandas do movimento BDS. Estes são fundamentais, porque, para que qualquer campanha política seja bem-sucedida, ela deve ter princípios concretos. Além disso, para que qualquer boicote vença, ele não deve ser aberto; deve ter um objetivo à vista. As três demandas do movimento BDS sobre Israel, consagradas no documento BDS de 9 de julho de 2005, são:

  • O fim da ocupação (incluindo a ocupação israelense de outras terras árabes, como as colinas de Golã);
  • Igualdade total para todos entre o Rio Jordão e o Mar Mediterrâneo; e
  • A realização do direito dos refugiados palestinos de retornarem de acordo com a resolução 194 da ONU.

O primeiro trata principalmente dos direitos negados aos palestinos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza; o segundo diz respeito aos direitos negados aos cidadãos palestinos de Israel; e o terceiro trata daqueles que estão no cerne da questão: os refugiados palestinos. Mais do que tudo, essas demandas do movimento BDS unem os três principais grupos de palestinos, conforme observado acima.

Ao longo dos 15 anos do movimento BDS, a solidariedade internacional com a luta palestina enfrentou muitos desafios e muitas divisões. No entanto, permanece amplamente unida nesses três pontos principais. Essa foi a conquista do BDS. Acima de tudo, foi a conquista do próprio povo palestino.

Como disse o principal intelectual palestino, Joseph Massad, o povo palestino recusou-se teimosamente a capitular, ou a admitir que eles são um povo conquistado, destinado ao caixote do lixo da história: eles “perderam todas as oportunidades” para reconhecer o direito de seus opressores de oprimi-los. “

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasBDSEUAInquéritoIsraelONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaSlide Grande
Show Comments
Show Comments