Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O BDS e seus críticos

Manifestantes seguram um cartaz pedindo à comunidade internacional que apóie a campanha de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) [Gali Tibbon / AFP / Getty Images]
Manifestantes seguram um cartaz pedindo à comunidade internacional que apóie a campanha de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) [Gali Tibbon / AFP / Getty Images]

Nenhum grupo da sociedade civil nos Estados Unidos sofreu tanta censura quanto o movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções – mais conhecido simplesmente como BDS – e o crítico mais radical da política israelense em Gaza e na Cisjordânia. Vinte e oito estados aprovaram legislação “anti-boicote” condenando o BDS. Israel publicou uma “lista negativa” de grupos cujos membros terão sua entrada negada no país. Com um ar de paranóia, as principais organizações judaicas e sionistas condenaram o BDS. E porque não? Ajuda a justificar a existência deles.

Campus após campus foi tornando o BDS indesejável, embora seja verdade que o apoio ao movimento tenha crescido entre os jovens estudantes mais radicais e tenha gerado ramificações e grupos de aliados na Europa. No entanto, também é verdade que o BDS fez pouco progresso na vida política americana. Talvez 35 dos 435 membros do Congresso tenham apoiado uma resolução morna em defesa dos direitos humanos palestinos, mas a Câmara dos Deputados também aprovou uma resolução condenando a BDS de forma esmagadora. Além disso, houve um forte apoio bipartidário à decisão do presidente Donald Trump de mudar a Embaixada dos EUA para Jerusalém e a um “plano de paz” que qualquer palestino em sã consciência consideraria inaceitável. Enquanto isso, a punição por criticar Israel nos campi dos EUA ocorre com tanta frequência que o Centro de Direitos Constitucionais falou causticamente sobre uma “exceção palestina” à liberdade de expressão. Escusado será dizer que Trump descreveu o BDS como uma organização terrorista.

LEIA: Tribunal europeu decide a favor da liberdade de expressão do BDS

Vários de meus amigos mais íntimos são apoiadores da BDS, e confio implicitamente na inteligência e na integridade deles. A maioria dos apoiadores do BDS não é antissemita nem que odeia  judeus, mas e de radicais que buscam justiça para um povo colonizado negam o direito à autodeterminação nacional. Seu apoio indignado aos palestinos não é, em princípio, diferente do que os rebeldes de outrora estenderam aos norte-vietnamitas contra os Estados Unidos ou aos argelinos contra a França. Inicialmente, aqueles críticos brancos que apoiavam pessoas de cor contra o imperialismo ocidental eram uma minoria; em última análise, é claro, isso mudou. O BDS está esperando por mais do mesmo.

Existindo ao lado desses radicais de boa vontade, quase inevitavelmente há flagrantes antissemitas envolvidas no movimento BDS que falam sobre levar os judeus ao mar, abolir Israel e possíveis deportações. Eles realmente recebem mais cobertura da imprensa do que merecem e é verdade que muitas desculpas ainda estão sendo feitas em seu nome.

Além disso, há razões pelas quais a Autoridade Palestina em Ramallah mantenha distância do BDS e que somente o Hamas ofereça apoio ideológico. Para o bem ou para o mal, Israel continua sendo o principal parceiro econômico da Palestina, enquanto o Egito e a Jordânia, que têm tratados de paz com Israel, têm pouca utilidade para o BDS.

Israel sem poder enfrentando BDS - Cartum [Sabaaneh /Monitor do Oriente Médio]

Israel sem poder enfrentando BDS – Cartum [Sabaaneh /Monitor do Oriente Médio]

Não sou membro do BDS, nem meu co-diretor do Conselho Internacional para Diplomacia e Diálogo, Eric Gozlan. Essa decisão está enraizada em nossos princípios e interesses.

O BDS exorta Israel a recuar além de suas fronteiras de 1967; fornecer direitos iguais para árabes e palestinos israelenses; reconhecer o direito de retorno; derrubar os odiosos controles de fronteira; e essencialmente permitir a livre relação entre árabes e israelenses. Na questão de um estado ou dois, o BDS é tímido; não tem objeção a um estado israelense, mas não em terras palestinas. Assim, o BDS faz a distinção entre judeus e sionistas como se isso ajudasse a explicar o tratamento futuro dos cidadãos israelenses que poderiam ser judeus e sionistas, ou nenhum, ou um dos dois. Também não está claro se o direito de retorno é entendido como uma demanda simbólica ou prática; simbolica e legitimamente, exige compensação à comunidade palestina, não aos indivíduos. Como uma demanda política prática, no entanto, o BDS não ofereceu idéias sobre como repatriar milhões de indivíduos para um novo estado com o que certamente provará ser uma economia frágil. Dados os problemas burocráticos associados à constituição de um Estado unificado, a falta de confiança ou empatia entre israelenses e palestinos, a transformação de judeus de uma maioria em uma minoria e a falta de clareza sobre o governo que os palestinos desejam introduzir, há pouco incentivo sério para os dois lados apoiarem a agenda do BDS.

LEIA: Golpe legal atinge o lobby sionista conforme o BDS continua seu avanço

É certo que essas são principalmente considerações estratégicas de longo prazo, mas as táticas de curto prazo do BDS também são problemáticas. Assim como a direita sionista ignora os interesses palestinos, o BDS ignora as questões de segurança israelenses e não tem idéias construtivas sobre o que fazer com as centenas de milhares de colonos majoritariamente reacionários ou a parte ortodoxa da comunidade judaica que juntos podem muito bem pegar em armas contra o governo israelense diante de qualquer projeto político transformador. Sem o apoio de Ramallah, além disso, o BDS deixaria Israel na posição de ter que negociar com dois parceiros, projetando, assim, a perspectiva derrotista não de um estado, ou dois estados, mas três.

Israel não tem simpatia pelo BDS e até Meretz, um partido genuinamente de esquerda, o rejeita. Talvez isso ocorra porque há até falta de clareza sobre o significado de “boicote”, “desinvestimento” e “sanções”. Dependendo de quem se pergunta, “boicote” e “desinvestimento” devem visar empresas com vínculos diretos com a ocupação israelense; todas as empresas que fazem negócios com Israel, mas não universidades; todas as empresas e universidades, mas não acadêmicos e artistas progressistas; Ou todas acima. Além disso, qualquer pessoa com um conhecimento superficial das sanções sabe que elas têm um impacto maior sobre os trabalhadores, os pobres e os mais vulneráveis. Também não há razão para Israel – contra uma ladainha de haver estados muito mais repressivos e genocidas – ser o único sujeito a boicote, desinvestimento e sanções.

O BDS não colocou propostas significativas em cima da mesa, mas sua existência pressionou outras organizações, às vezes liberais e sionistas como a J-Street, a apoiar o boicote e o desinvestimento de empresas que estão ativamente envolvidas na ocupação da Palestina. Essa é uma contribuição genuína. Aumentar a conscientização sobre o conflito entre os jovens é outra. E apresentar o ponto de vista radical palestino ainda é outro. No entanto, os críticos do movimento não reconhecem nada disso. Eles sabem tudo, não há nada a ser aprendido, então desligue o BDS e que os princípios liberais sejam condenados.

Já é tempo de ambos os lados mostrarem um pouco de humildade. Participe de protestos simbólicos, se quiser, vire as costas para os altofalantes ou saia de pertio; mas proteste contra suas idéias (e as enfrente seriamente) e não seu direito de falar.

LEIA: Estado americano do Missouri aprova lei anti-BDS ‘incrivelmente perigosa’

Kant sabia que a liberdade de expressão é a base de todas as outras liberdades políticas. E existe essa famosa frase atribuída (falsamente) a Voltaire: “Eu desaprovo o que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo.” A histeria em torno da BDS nos EUA e agora na Europa é deplorável. A extrema direita pode fazer o que deseja, mas quando liberais, socialistas e pessoas da esquerda começam a imitar seus pedidos de censura e negação da livre assembléia, as coisas nunca saem bem. Israel não divulgou quais grupos de apoio ao BDS foram banidos e isso, meus amigos, é um precedente perigoso.

Censurar a extrema esquerda tem sido tradicionalmente o primeiro passo no caminho para censurar os outros. Os críticos hipócritas do BDS geralmente se rendem à paranóia, intolerância e extremismo que eles denunciam. Obviamente, críticas semelhantes se aplicam àqueles do BDS que ignoram os valores da iluminação nos quais seu projeto deve se basear. Tais atitudes levam apenas a práticas políticas que aumentam a visibilidade, a publicidade e o status de mártir de seu alvo. Quando os judeus proclamam apoio a Trump ou a Marine Le Pen da França, porque esses líderes são “bons para os judeus” ou por causa do veneno que lançam contra árabes e pessoas não brancas em geral, esses oportunistas não estão sendo “realistas” ou “pragmáticos”. Eles estão apenas míopes ao engolir bobagens ideológicas, abandonando seus princípios, isolando Israel ainda mais e fomentando ressentimento antissemita, enquanto esquecem que seus novos aliados de direita podem (e provavelmente mudarão) de políticas num piscar de olhos.

Não menos que o pessoal da BDS, os críticos reacionários do movimento também não têm uma visão positiva para o conflito israelense-palestino. As preocupações palestinas simplesmente não importam para eles. Ao endossar implícita ou explicitamente a expansão dos assentamentos israelenses, balcanizar a Cisjordânia e boicotar Gaza, sua arrogância obstinada contribui para uma política de confronto que se tornou cada vez mais odiosa e frustrante.

É quase como se o BDS e seus críticos de direita tivessem se tornado imagens espelhadas um do outro: os extremos se tocam. Os partidários do BDS parecem incapazes de admitir que os líderes palestinos cometeram algum erro. Os palestinos são vítimas puras e simples; as lembranças da brutal expulsão palestina de suas terras, o orgulho e a honra impediram seus líderes de adaptar táticas e demandas a um desequilíbrio cada vez maior de poder, e tudo isso enquanto seu estado futuro começava a encolher e passar de viável para uma entidade não-contígua.

Boicote a Israel - Cartum [Latuff/ Flickr]

Boicote a Israel – Cartum [Latuff/ Flickr]

Quanto aos críticos de direita do BDS, a situação não é diferente: a falta de paz é sempre culpa dos palestinos; as atrocidades cometidas contra eles durante a expulsão do novo estado de Israel não eram tão ruins assim, não comparadas ao que os judeus sofreram no Holocausto; e reivindicações bíblicas à Judéia e Samaria justificam qualquer uso israelense de força excessiva e qualquer uma de suas ambições imperialistas. Como Israel, em nome de  quem afirma falar, a direita extremista também é uma vítima, na verdade uma vítima maior, embora muito poucos que já experimentaram um campo de concentração ainda estejam vivos; somente a necessidade forçou essas vítimas ao papel de conquistadores.

A intransigência e a justiça própria levaram o BDS e seus críticos reacionários a considerar qualquer coisa, exceto o apoio acrítico, como o que os comunistas costumavam chamar de “pedido de desculpas objetivo” ao inimigo. O diálogo fracassou e as posições políticas se endureceram dos dois lados. Esperança e sentimentos humanistas são tudo o que resta para o razoável. Mas também há ativistas inteligentes com boa vontade de ambos os lados das barricadas, e talvez haja algo fervendo sob o palavreado: idéias para reavivar negociações, reformular demandas, mudar táticas e realmente contribuir para as perspectivas de paz que estão ficando cada vez mais sombrias.

LEIA: Boicote a produtos israelenses tem unidade palestina em Gaza

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasBDSEUAEuropa & RússiaIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments