Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

França abandona Haftar e ataca empresa Wagner

General rebelde líbio, Khalifa Haftar, 17 de janeiro de 2020 [Ministério das Relações Exteriores / Flickr]
General rebelde líbio, Khalifa Haftar, 17 de janeiro de 2020 [Ministério das Relações Exteriores / Flickr]

Depois de ter sido um dos países europeus a fornecer o maior apoio diplomático e logístico, e permanecer em silêncio em relação aos milhares de mortes e massacres cometidos por suas tropas, a França finalmente abandonou o general Khalifa Haftar. Mas não é tarde demais? E porque agora? O presidente francês Emmanuel Macron, que apostou em Haftar para defender os interesses de seu país e de suas companhias de petróleo na Líbia, está agora prestes a perder suas últimas cartas.

Em uma coletiva de imprensa conjunta com a chanceler alemã Angela Merkel, Macron negou claramente seu apoio a Haftar e anunciou sua decepção com o ataque deste último à capital de Trípoli, em 4 de abril de 2019. Macron criticou a Rússia pela primeira vez, seu aliado anterior em apoiar Haftar e sua empresa de segurança Wagner. Ele indicou ter conversado com o presidente russo Vladimir Putin sobre o assunto.

O ministro das Relações Exteriores da Líbia, Mohamed Taher Siala, dirigiu-se ao presidente francês com palavras pertinentes: (Que bom seria) “se isso fosse há 14 meses.” A margem de tempo faz toda a diferença. De fato, há 14 meses, Trípoli lutou sozinha pela sobrevivência, diante da traiçoeira conquista da milícia de Haftar. Trípoli havia antecipado uma conferência internacional de paz, mas vários países, incluindo a França, se uniram para apoiar o golpe de Haftar e remover o governo reconhecido internacionalmente. A negação de Macron de que seu país tenha apoiado Haftar e seu ataque a Trípoli, na verdade provoca perplexidade.

Apenas um ano atrás, Paris reconheceu que os mísseis norte-americanos lançados pelo exército líbio após a libertação de Gharyan (100 quilômetros ao sul de Trípoli) pertenciam ao exército francês.

Paris está 14 meses atrasada em declarar a condenação do ataque de Haftar a Trípoli e 12 meses atrasada em condenar as armas em Gharyan. Além disso, a França não condenou a empresa russa Wagner, que esteve envolvida na agressão de Trípoli por nove meses, então o que levou a França a mudar de posição e condenou Haftar e Wagner tão severamente?

LEIA: Partido turco acusa França de cumplicidade no ‘crime das valas comuns’ na Líbia

A causa mais óbvia é que Haftar sofreu uma derrota esmagadora em sua guerra contra Trípoli, recuando do leste e do sul de um círculo com mais de 400 quilômetros de diâmetro. Como “os derrotados não têm aliado”, a França abandonou Haftar, assim como o Sudão e a Grécia, como a Itália antes deles.

Mas a verdadeira razão por trás do ataque de Macron a Wagner e o questionamento a Putin é o movimento dos mercenários de Wagner em direção ao campo de petróleo de Sharara, no extremo sudoeste da Líbia, confiscado na semana passada, depois que unidades aliadas ao governo líbio quase o recuperaram.

Este campo é o maior campo de petróleo da Líbia. Sua produção pode atingir 300.000 ou mesmo 400.000 barris por dia durante os períodos de pico, e suas reservas aumentam para três milhões de barris.

No entanto, o detalhe mais importante sobre esse assunto é que a empresa petrolífera francesa Total possui ações no projeto de campo de Sharara, que é gerenciado pela Líbia National Oil Corporation, em parceria com as empresas espanholas Repsol, a OMV austríaca e a equinor norueguesa.

Quando uma empresa de segurança russa se aproxima do campo de Sharara, no qual a gigante francesa de petróleo e gás investiu grandes quantias de dinheiro ao longo de muitos anos, isso significa entrar na esfera de influência francesa na Líbia, o que explica a raiva de Macron pela empresa Wagner.

Por isso, Macron ligou para Putin na sexta-feira para condenar a atividade da empresa na Líbia, ao que Putin informou que os “empresários privados” (mercenários de Wagner) não representam a Rússia.

Macron comentou a rejeição de Wagner por Putin, alegando que ele estava: “brincando com essa contradição”. Mas Putin não é o único a agir com inconsistência, pois Macron também está em uma terrível contradição com a Líbia. Como um país democrático pode apoiar um general que organizou um golpe para tomar o poder pela força militar e estabelecer uma ditadura a ser herdada por seus filhos?

LEIA: Embargo de armas à Líbia é violado diariamente, mostram sites de monitoramento

Categorias
ÁfricaEuropa & RússiaFrançaLíbiaNotíciaRússia
Show Comments
Show Comments