Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Estou preocupado com o Egito

Soldados egípcios participam de uma operação militar no Sinai, Egito, em 1º de novembro de 2018 [Abed Rahim Khatib / ApaImages]
Soldados egípcios participam de uma operação militar no Sinai, Egito, em 1º de novembro de 2018 [Abed Rahim Khatib / ApaImages]

Estou preocupado com o Egito; realmente preocupado. A solução para seus problemas, no entanto, é simples: converse com a Turquia e o Sudão e fique longe de Israel, da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos.

O Egito atrasou-se na tentativa de lidar com a questão da Grande Renascença da Etiópia, a montante do rio Nilo, mas a opção militar é muito cara. Em vez disso, o Egito deve procurar saber o papel de Israel na Etiópia. Ameaçar a ação militar é evidência de fracasso político e diplomático, mas não é tarde demais para o Egito evitar as armadilhas que foram estabelecidas para ele.

De fato, lidar com os assuntos da Etiópia e da Líbia deve resultar dos próprios interesses do Egito relacionados à sua segurança nacional. Isso exige que ele se afaste das agendas dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita.

O país está enfrentando pressão sobre sua segurança nacional, que vem do desafio da barragem da Etiópia, que ameaça a segurança alimentar e hídrica do Egito, bem como do desafio da Líbia. Este último ameaça todos os aspectos da vida de seu vizinho.

LEIA: Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos apoia comentários do Egito sobre a Líbia

Conversar com a Turquia sobre a questão da Líbia se tornou uma necessidade urgente para o Cairo. Uma vez que o plano de Khalifa Haftar falhou em assumir o controle da capital, seus aliados russos foram rápidos em conversar com os turcos. O Egito deve conversar com os atores sérios.

O discurso do presidente Abdel Fattah Al-Sisi ao exército egípcio na fronteira com a Líbia foi duro. Ele disse às tropas para se prepararem para missões fora do Egito.

Envolver o exército egípcio na Líbia servirá apenas aos interesses de Israel e fortalecerá a posição de Adis Abeba na crise da Barragem da Renascença. Contar com as tribos do leste não é mais uma opção viável.

O Egito deve revisar completamente suas políticas externas, começando com uma redefinição de sua posição sobre Israel e a questão palestina. Não menos do que a era Mubarak deve ser um guia sobre esse relacionamento.

LEIA: Egito declara fim das negociações da barragem Renascença com Etiópia

Assim como a Turquia, deve envolver a Argélia nos assuntos da Líbia, olhando a questão de todos os lados e não de um ângulo estreito ligado à agenda de contra revolução dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita.

O Egito falou e lidou com o Hamas, apesar de ser um movimento político islâmico, porque o Cairo está encarando a situação na Península do Sinai como uma questão de segurança nacional que deve ser considerada da perspectiva egípcia. A presença da Turquia na Líbia é desconfortável para o Cairo, mas aceitá-la e abrir um diálogo é mil vezes melhor que a opção militar inútil.

Estou preocupado com o Egito, porque está perdido e recorrendo às ilusões da década de 1960. Quero que seja forte e líder da nação árabe. Existe uma cadeia perigosa em torno dela, mas a solução é simples: converse com a Turquia e o Sudão e fique longe de Israel e de outros aliados que o usam para seus próprios interesses.

Traduzido de The New Khaleej, 21 de junho de 2020.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArábia SauditaArtigoEmirados Árabes UnidosEtiópiaEuropa & RússiaIsraelLíbiaOpiniãoOriente MédioSudãoTurquia
Show Comments
Show Comments