Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Embargo de armas à Líbia é violado diariamente, mostram sites de monitoramento

Integrante do exército líbio,em 5 de junho de 2020 [Hazem Turkia / Agência Anadolu]
Integrante do exército líbio,em 5 de junho de 2020 [Hazem Turkia / Agência Anadolu]

Sites especializados de tráfego aéreo monitoraram pela primeira vez o lançamento de aeronaves de carga sírias e russas na base Al-Khadim, operada pelos Emirados na Líbia. O movimento da aeronave mostra que partiu de Damasco para Latakia e depois para o Egito. Ficou fora do radar depois de chegar ao oeste de Alexandria. No entanto, o FlightAware, um site especializado em vigilância da aviação, postou fotos mostrando a trajetória da aeronave depois que ela entrou no Egito, de onde seguiu para a base aérea de Al-Khadim na Líbia. O avião voltou a aparecer na última terça-feira, a oeste de Alexandria, ao deixar o Egito e retornar à Síria.

O site também detectou um avião de carga russo do mesmo modelo, partindo de Moscou para o aeroporto Hmeimim, em Latakia, Síria, e do aeroporto para o Egito, depois para a fronteira com a Líbia.

O embaixador da Turquia na França, Ismail Hakki Musa, confirmou que o embargo de armas à Líbia não é monitorado e não é respeitado no leste da Líbia: “E [a decisão de proibição] está sendo violada diariamente pelo Egito e pelos Emirados Árabes Unidos”.

Em janeiro, a  Missão das Nações Unidas na Líbia (Manul) havia denunciado violações do embargo sobre as armas na Líbia, apesar dos compromissos assumidos em uma recente conferência internacional em Berlim.

A Manul “lamenta profundamente as violações flagrantes e persistentes do embargo sobre as armas”, objeto da resolução 1970 de 2011 do Conselho de Segurança, “apesar dos compromissos dos países envolvidos na conferência internacional sobre a Líbia em Berlim, em 19 de janeiro”, afirmou a missão em comunicado.

LEIA: Aeronaves russas e sírias são localizadas em base aérea na Líbia, sob gestão emiradense

Entre os principais compromissos assumidos pelos participantes desta conferência internacional estava o fim da entrega de armas aos poderes rivais, o Governo de União (GNA) em Trípoli e o marechal Khalifa Haftar, homem forte do leste líbio.

Em discurso proferido perante o Comitê de Relações Exteriores e Defesa do Senado francês, o embaixador turco confirmou que seu país estava na Líbia em resposta a um convite oficial do governo da Líbia reconhecido pelas Nações Unidas (ONU). Musa afirmou: “Eu não entendo por que a Europa e a França estão interessadas em proibir o fornecimento de armas apenas por via marítima, enquanto ignoram o fornecimento de armas por terra e por ar. A resolução da ONU a esse respeito é violada diariamente através das fronteiras terrestres do Egito e por via aérea ao enviar aviões dos Emirados Árabes Unidos para a Líbia. ”

O ex-enviado da ONU à Líbia, Ghassan Salameh, denunciou esta semana o que chamou de “hipocrisia política de certos países no Conselho de Segurança da ONU”, acusando-os de “esfaquear pelas costas”, apoiando Haftar em seu fracassado ataque a Trípoli.

“Não tenho mais nenhum papel na Líbia”, anunciou o diplomata libanês em entrevista ao Centro de Diálogo Humanitário. “No dia em que atacou Trípoli, Haftar contou com o apoio da maioria deles [membros do Conselho de Segurança], enquanto fomos criticados na Líbia por não pará-lo”, acrescentou Salameh.

Desde sua nomeação como chefe da missão da ONU em junho de 2017, Salameh tentou promover negociações entre as partes conflitantes para encontrar uma solução. No entanto, ele falhou mais de uma vez. Salameh observou que o ataque de Haftar, lançado com o apoio militar do Egito, Emirados Árabes Unidos e Rússia, bem como com o apoio da França”levou a interromper o processo de paz em que trabalhamos por um ano inteiro”.

LEIA: Partido turco acusa França de cumplicidade no ‘crime das valas comuns’ na Líbia

Categorias
ÁfricaEuropa & RússiaFrançaLíbiaNotíciaRússia
Show Comments
Show Comments