Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Migrantes no Iêmen sofrem abusos e agressões como ‘transmissores de doenças’

Equipe médica pulverizam desinfetantes nas ruas como medidas de precaução contra a propagação do coronavírus em 25 de março de 2020 em Sana'a, Iêmen [Mohammed Hamoud / Getty Images]
Equipe médica pulverizam desinfetantes nas ruas como medidas de precaução contra a propagação do coronavírus em 25 de março de 2020 em Sana'a, Iêmen [Mohammed Hamoud / Getty Images]

A pandemia do covid-19 piorou a situação já terrível no Iêmen para comunidades vulneráveis, como pessoas deslocadas internamente e migrantes, alertou a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

“A situação no Iêmen está em um ponto de ruptura”, disse Antonio Vitorino, diretor-geral da OIM.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que mais da metade da população do Iêmen contrairá a covid-19.

LEIA: Mais de 113 mil casos suspeitos de cólera são registrados no Iêmen, em 2020, reporta OMS

Apesar da ameaça do coronavírus e do conflito em curso, os migrantes do Chifre de África trafegam pelo Iêmen em busca de oportunidades no Reino da Arábia Saudita. Em 2019, mais de 138.000 migrantes atravessaram o Golfo de Áden, tornando-a a rota de migração marítima mais movimentada do mundo, informou a OIM em comunicado.

“Os migrantes no Iêmen são vulneráveis durante todas as fases de sua jornada. Além dos riscos associados ao conflito armado, as redes de contrabando e tráfico atacam migrantes irregulares, sujeitando-os a abuso e exploração. Crianças e mulheres desacompanhadas estão entre as mais vulneráveis da população migrante, muitas vezes sofrendo seqüestro, coerção e abuso físico. ”

“Esta pandemia não deve ser uma desculpa para explorar e abusar de migrantes. É necessário apoio internacional para advogar pela libertação de migrantes mantidos em detenção e para que a proteção seja oferecida a todos os migrantes”,

disse Vitorino.

À medida que o medo do vírus aumenta, os migrantes estão sendo estigmatizados como “transmissores de doenças”, levando à retaliação, incluindo assédio físico e verbal, negação de acesso a serviços de saúde, restrições de movimento e direcionamento forçado à linha de frente dos conflitos e áreas desérticas.

“Acusar comunidades vulneráveis de contribuir para a disseminação do covid-19 não faz sentido e deve parar”, continuou ele.

“A covid-19 não respeita fronteiras – pode afetar qualquer pessoa, independentemente da afiliação política, localização, tribo ou status de imigração. O Iêmen tem uma aceitação de caridade de longa data e apoio a comunidades vulneráveis, incluindo migrantes e pessoas deslocadas, e assim deve continuar. ”

LEIA: ONU suspende 80% das instalações de saúde reprodutiva no Iêmen

Categorias
CoronavírusIêmenIOMNotíciaOMSOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments