Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Adeus à última princesa do Iraque

A última princesa do Iraque morre aos 100 anos. A princesa Badiya bint Ali nasceu em Damasco em 1920. Seu pai, o rei Ali bin Al-Hussein, governou brevemente o reino Hejaz no oeste da Arábia e detinha o título de Grande Sharif de Makkah

A última princesa do Iraque, Badiya Bint Ali Bin Al-Hussein, morreu na Grã-Bretanha no sábado, aos 100 anos, mais de 60 anos depois que o resto de sua família foi morta no golpe sangrento de 1958, que terminou com o domínio hashemita no país. A princesa Badiya faleceu depois de uma longa doença, marcando um fim quase esmagador para uma vida caracterizada por anos de turbulência no Oriente Médio, desde uma infância passada em Meca, até anos desfrutando das mais luxuosas residências reais da região, para se exilar na Grã-Bretanha.

A princesa Badiya nasceu em Damasco em 1920, em um mundo em que a correspondência McMahon-Hussein, o Acordo Sykes-Picot e a Declaração Balfour já haviam começado a moldar a região. Membro da dinastia hashemita – que remonta à linhagem do profeta Muhammad – a princesa Badiya também foi neta de Sharif Hussein Ibn Ali, o primeiro rei do Hejaz, na região do oeste da Arábia. Hussein declarou-se rei da região, que agora faz parte da Arábia Saudita, quando lançou a revolta árabe apoiada pelos britânicos contra o Império Otomano em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial.

 Entrevista: ‘Meu filho deveria estar com seus amigos, não em uma prisão egípcia’, afirma Um Ibrahim

Após a guerra, Hussein falhou em atingir seu objetivo de governar um estado árabe e foi deposto do Hejaz por Abdulaziz Ibn Saud, fundador do moderno Reino da Arábia Saudita, em 1924, mas não antes de estabelecer duas monarquias na Jordânia e no Iraque sob seus filhos Abdullah e Faisal, respectivamente. Enquanto a monarquia iraquiana foi derrubada pelo golpe de 1958, a monarquia hashemita da Jordânia permanece intacta e é governada pelo bisneto de Abdullah, rei Abdullah II.

A princesa Badiya era filha do irmão de Abdullah e Faisal, Ali Bin Hussein, que governou o reino de Hejaz brevemente, e ocupou o título de Grande Sharif de Makkah de outubro de 1924 a dezembro de 1925. Sob a monarquia hashemita de seu tio Faisal, estabelecida em 1921 no Iraque , Badiya oficialmente se tornou uma princesa e permaneceu perto do trono ao longo de sua vida.

Faisal I foi sucedido após sua morte repentina em 1933 – oficialmente de um ataque cardíaco, mas que se acredita ter sido causado por envenenamento – por seu único filho Ghazi I, que era casado com a irmã da princesa Badiya, a rainha Aliya Bint Alia. Após a morte suspeita do rei Ghazi em um acidente de carro, que supostamente foi orquestrado pelo primeiro-ministro pró-britânico Nuri Said, que entrou em conflito com o monarca por sua posição anti-britânica, o filho de três anos de Aliya e sobrinho de Badiya tornou-se o próximo herdeiro. Mais uma vez, a princesa Badiya permaneceu perto do trono quando seu irmão, Abd Al-Ilah, atuou como regente do jovem rei Faisal II entre 1939 e 1953.

LEIA: ONU insta Iraque a aprovar leis para combater violência doméstica

Em 1958, no entanto, apenas cinco anos depois que o rei Faisal II retornou de sua educação na Harrow School, na Grã-Bretanha, atingiu a maioridade e assumiu o controle do que era então um Iraque florescente, a monarquia foi derrubada em um golpe militar. Em 14 de julho de 1958, um grupo pan-árabe chamado Oficiais Livres, liderado pelo brigadeiro Abd Al-Karim Qasim, marchou sobre Bagdá e realizou um golpe. Faisal teria ordenado que seus guardas não resistissem enquanto Qasim assumia o controle do Palácio de Rihab. Membros da família real, incluindo o rei, Abd al-Ilah, irmão da princesa Badiya e sua irmã Abadiya, foram alinhados contra uma parede e mortos a tiros. O corpo de Abd Al-Ilah foi posteriormente mutilado, arrastado pelas ruas de Bagdá e finalmente pendurado do lado de fora do Ministério da Defesa.

A princesa Badiya não estava no palácio de Rihab com o resto de sua família naquele dia fatídico. Em vez disso, ela estava assistindo da varanda de um prédio em outra parte de Bagdá. Se ela estivesse no palácio, é quase certo que ela teria encontrado o mesmo destino que o resto de sua família. Em vez disso, a princesa, seu marido, Sharif Al-Hussein Bin Ali, e seus três filhos conseguiram fugir para a Embaixada da Arábia Saudita em Bagdá. A família ficou lá por um mês, antes de fugir para o Egito, depois para a Suíça, e finalmente se estabelecer na Grã-Bretanha.

A princesa Badiya passou a maior parte de sua vida em Londres, de onde apoiou o ativismo do filho Sharif Ali Bin Al-Hussein Ali, que se opôs fortemente à ditadura de Saddam Hussein, defendeu o retorno de uma monarquia, embora constitucional, ao Iraque, defendendo-se como o legítimo herdeiro. Sempre dedicada às suas raízes, em 2002 a princesa Badiya publicou Memórias da Herdeira dos Tronos, escrita pelo político e advogado iraquiano Faiq Al-Sheikh Ali. O livro fornece uma visão inigualável em primeira mão da formação do mundo árabe através dos olhos das monarquias hashemitas do Iraque e da Jordânia.

Homenagens, incluindo fotos da princesa em sua juventude, foram divulgadas nas redes marcando o final da realeza iraquiana no fim de semana.

Este post com foto da princesa diz que “o Iraque perdeu sua última princesa. A princesa Badiya bint Ali, tia materna do rei Faisal II, que sobreviveu ao massacre de 1958 que acabou com a monarquia do Iraque, morreu em Londres aos 100 anos de idade. Ela lamentou a perda de sua família até o último dia, mas era uma senhora gentil e encantadora. “

O novo primeiro-ministro do país, Mustafa Al-Kadhimi, twittou: “Com a morte da princesa Badiya Bint Ali, um capítulo brilhante e importante da história moderna do Iraque termina. Ela fazia parte de uma era política e social que representava o Iraque da melhor maneira possível. Que ela descanse em paz e minhas sinceras condolências à sua família e entes queridos. ”

Este post traz mais fotos, incluindo o que parece ser foto do sobrinho rei ainda na infância.

Embora a princesa Badiya nunca tenha desempenhado um papel ativo na governança do Iraque, sua vida abrangeu eventos que muitos considerariam fatores-chave na formação do moderno Oriente Médio. Sua morte sinaliza o fim de uma era e o falecimento da geração da realeza do Oriente Médio que foi destituída após a Segunda Guerra Mundial. O Iraque se despede de sua última princesa, à medida que o estado enfrenta a crescente pressão sobre a indústria do petróleo causada pela pandemia de coronavírus; luta para superar a oposição sectária à formação de um novo governo; e enfrenta meses de protestos inabaláveis ​​contra o governo.

LEIA: Jornal italiano escolhe o ex-presidente do Egito Morsi como ‘Personalidade de 2019’

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIraqueJordâniaOriente MédioPerfisVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments