Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Para regime, Síria tem imunidade contra o coronavírus

Presidente Sírio, Bashar Al-Assad, em Moscou, Rússia, em 10 de outubro de 2015 [En.kremlin]

Quando a Síria entra no décimo ano do conflito no país, a situação parece sombria. Idlib está prestes a cair sob o regime, algo interrompido apenas por um tênue cessar-fogo. Enquanto isso, em alguns países a re legitimação do regime de Assad está lentamente em andamento. Além da morte, desespero, destruição e deslocamento que o povo sírio enfrentou nos últimos 9 anos, parece agora que há uma nova ameaça na pandemia de coronavírus.

Como se as bombas e as prisões de Assad não fossem suficientes para matar pessoas, parece que o coronavírus (Covid19) tomou conta da Síria, embora isso seja negado pelo regime, que não pode, é claro, ser confiável. Houve relatos de um surto devido ao afluxo de peregrinos xiitas iranianos, bem como aos milhares de milicianos que entraram no país para apoiar o exército sírio. Este último perdeu dezenas de milhares de soldados devido a deserções nos primeiros anos do levante ou ao combate contra a oposição e o Exército Livre da Síria.

O vírus chegou do Irã à Síria em meio a um silêncio oficial do regime em Damasco sobre os casos que estão sob investigação. E, apesar da suspeita de que pacientes iranianos que foram transferidos para o Hospital Al-Mujtahid na capital tenham sido imediatamente postos em quarentena pelas autoridades de saúde, o regime negou a existência de tais casos.

O Irã é o segundo estado mais afetado por coronavírus do mundo e a facilidade de acesso à Síria pelo Irã significa que é provável que a doença esteja se espalhando. Dizem que pode haver até 2.400 casos ocultos de Covid19. É tolice esperar que o regime admita isso; Assad é dependente das milícias iranianas e as visitas de peregrinos do Irã contribuem para sua estratégia de legitimação frente ao mundo. Um regime que negue qualquer crime cometido contra seu povo não subitamente admitirá um encobrimento da saúde pública. Ironicamente, todos os estados vizinhos à Síria declararam ter confirmado casos de coronavírus: Turquia, Líbano, Iraque, Jordânia e Israel.

Além disso, as autoridades de saúde do Paquistão disseram em 10 de março que pelo menos cinco dos casos de seu país eram originários de pacientes que viajavam da Síria para o Paquistão. O governo sírio, porém, ainda insiste que a Síria está livre de coronavírus.

Houve indicações de que médicos de hospitais em Damasco foram detidos por vazar informações sobre a doença e seu subsequente acobertamento. É comum que ditaduras e estados autoritários restrinjam fortemente as notícias a seus cidadãos, principalmente em tempos de crise; A Síria não é exceção. Os governos devem cuidar de seus cidadãos, não prejudicá-los. Verdade seja dita, sob o regime de Assad, o contrato social foi distorcido. As leis são draconianas e injustas e qualquer infração menor traz dor e punição indevidas. É profundamente irônico que, embora Bashar Al-Assad seja um profissional médico, ele não possa cuidar de seu próprio povo.

A Síria está sendo devastada pela guerra; a última coisa de que precisa é uma crise de pandemia e saúde pública em desenvolvimento. Não basta que isso seja descrito como um escândalo; é um crime contra a humanidade.

LEIA: Lições a serem aprendidas da batalha de Idlib

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoNotíciaOpiniãoOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments