Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Lições a serem aprendidas da batalha de Idlib

Homem carrega uma garota ferida após ataques aéreos realizados pelo regime sírio em 12 de julho de 2019 [Muhammed Said / Agência Anadolu]

A crise em Idlib foi, sem dúvida, o teste mais sério para a resiliência das relações Turquia-Rússia. O cálculo militar e a dinâmica política de ambos os lados são altamente complicados e multidimensionais.

A Turquia não pode abandonar a província de Idlib às misericórdias distantes do regime de Assad por duas razões: o afluxo potencial de ainda mais refugiados através da fronteira para o território turco e o renascimento de ramificações sírias do PKK curdo em territórios adjacentes recentemente libertado pelas forças turcas. Do ponto de vista estratégico, o regime considera Idlib um obstáculo no caminho de recuperar qualquer grau de legitimidade. Para a Rússia, Idlib poderia servir como plataforma de lançamento de ataques rebeldes contra Latakia, que abriga sua maior instalação de interceptação eletrônica e a Base Aérea Khmeimim, o centro estratégico das operações militares de Moscou na Síria e no Oriente Médio.

Apesar desses interesses aparentemente conflitantes, é definitivamente ilusório acreditar que uma guerra possa irromper entre a Turquia e a Rússia na Síria. Há um grupo de “gatos pretos”, como o presidente turco os rotulou, que estão desesperados para ver isso acontecer, mas esses poderes ficam sempre enfurecidos por qualquer entendimento entre Ancara e Moscou.

Algumas dessas potências estão declarando abertamente suas posições, enquanto outras expressam seu apoio à Turquia com disfarce, mas efetivamente adicionam combustível ao fogo. O registro mostra que nem a UE nem os EUA apoiaram a Turquia em sua escalada contra a Rússia. Além disso, algumas monarquias e feudos árabes têm orquestrado truques sujos para desestabilizar a Turquia e arrastá-la para grandes dificuldades econômicas e políticas. Além disso, embora o Irã seja o terceiro parceiro da Turquia e da Rússia nos acordos de Sochi, o governo de Teerã não ficará relaxado se as outras duas partes chegarem totalmente à mesma página e minimizarem gradualmente sua própria influência na Síria.

Para os russos, a Turquia é um centro de trânsito indispensável para a exportação de gás russo para a Europa via Turk Stream, um gasoduto que atravessa o Mar Negro da Rússia para a Turquia. Além disso, a cooperação diplomática entre Ancara e Moscou também se materializou na Líbia. Apesar de apoiarem partidos rivais, as duas potencias se envolveram dinamicamente nas negociações sobre um cessar-fogo entre as partes em guerra no estado norte-africano.

Militarmente, os laços turco-russos também foram fortalecidos. A Turquia comprou um sistema de defesa antimísseis S-400 da Rússia, apesar da oposição inequívoca de seus aliados na OTAN e das ameaças de sanções.

Ankara e Moscou estão cientes dos cálculos um do outro e consideram improvável um compromisso fácil e iminente em Idlib. No entanto, eles demonstraram sua determinação em campo para melhorar suas respectivas posições na mesa de negociação. Como esperado, portanto, a reunião entre o presidente Recep Tayyip Erdogan e seu colega russo Vladimir Putin na semana passada resultou em um renascimento do cessar-fogo na província que abre caminho para uma segunda rodada de negociações de paz.

Presidente turco Recep Tayyip Erdogan (esq.) e presidente russo Vladimir Putin (dir.) em Moscou, Rússia, em 27 de agosto de 2019 [Metin Aktas / Agência Anadolu]

Para alguns, a Turquia pode ter feito concessões inaceitáveis ao concordar com o status quo que as forças do regime impuseram militarmente. As tropas de Assad retomaram as rodovias estratégicas M4 e M5, que ligam respectivamente a cidade de Latakia e a capital Damasco a Aleppo. O regime também conseguiu capturar uma enorme faixa da província de Idlib. Aparentemente, portanto, o acordo entre Erdogan e Putin parece ter formalizado a nova demarcação e posições do regime. No entanto, por outro lado, a Turquia enviou mais de 12.000 soldados a Idlib desde o início de fevereiro e também montou 12 novos postos avançados na região em um mês. Estes são adicionados aos outros 12 postos de observação militar estabelecidos no acordo de Sochi em 2018.

Assim, enquanto as áreas sul e leste de Idlib foram recapturadas pelo regime, as forças da oposição e o Exército Nacional Sírio (SNA), apoiado pela Turquia, controlam o outro lado da estrada M4 e a oeste do M5. Para a Turquia, isso seria satisfatório, no sentido de interromper o brutal bombardeio do regime e dar espaço para que gradualmente se iniciasse a instalação da tão esperada zona segura ao longo de sua fronteira com Idlib.

A estratégia de negociação da Turquia com os russos e o regime sírio seguiu uma trajetória bem definida. Em primeiro lugar, demonstrou total respeito aos acordos anteriores, incluindo Sochi, o qual estipula que “a área de descalcificação de Idlib será preservada e os postos de observação turcos serão fortalecidos e continuarão funcionando. A Federação Russa tomará todas as medidas necessárias para garantir que operações e ataques militares a Idlib sejam evitados e o status quo existente seja mantido.” As forças turcas estão em Idlib há três anos e nunca iniciaram um ataque contra o regime. Foi o último que matou dezenas de soldados turcos em um ataque aéreo.

A estratégia adotada pela Turquia em relação a Idlib é chegar a um acordo político e evitar os cenários sangrentos do regime e de seus apoiadores. Não se deve brigar quando as negociações podem resolver. Enquanto negociava com a Rússia, porém, a Turquia estava transferindo seus soldados e artilharia pesada para Idlib, esperando a paz enquanto planejava a guerra. Os drones turcos tiveram um papel significativo na revelação desse avanço militar. Comparado com a coalizão liderada pelos EUA na Síria e no Iraque, ou com a coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iêmen, as baixas entre os civis são mínimas.

Sabendo que a UE não ficará do lado da Turquia a menos que seus próprios interesses sejam ameaçados, Ancara usou a carta dos refugiados de maneira rápida e eficaz com os europeus. Embora alguns digam que a mudança para abrir as fronteiras da Turquia à travessia de refugiados vulneráveis à Grécia não possa ser categorizada como pragmatismo político, e sim um fracasso moral e uma irresponsabilidade, eles parecem esquecer que esses refugiados foram expulsos de seu país pelo regime sírio e seus apoiadores em Moscou e Teerã. Eles também parecem desconsiderar o fato de que a enorme responsabilidade pelos refugiados deve ser compartilhada coletivamente; A Turquia já abriga quase 4 milhões de refugiados sírios, mais do que qualquer outro país do mundo.

A estratégia da Turquia jogou uma pedra na água estagnada, causando mais do que algumas ondulações. O presidente Erdogan disse que os líderes da Alemanha e da França, e provavelmente da Grã-Bretanha, visitarão Istambul na próxima semana para conversar sobre a mais recente crise migratória na fronteira de seu país com a Europa. Eles exibirão algum pragmatismo político ou baterão a porta na cara de Erdogan – e dos refugiados ? Está na hora de aceitarem que também têm uma responsabilidade moral de compartilhar o fardo dos refugiados.

 

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioRússiaSíriaTurquiaUE
Show Comments
Show Comments