Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Apartheid israelense

Qualquer país que afirme ser uma democracia e seu potencial primeiro-ministro declare que os votos de uma minoria significativa não fazem parte da “equação” democrática, certamente será condenado como racista. Foi exatamente isso que Benjamin Netanyahu, de Israel, declarou ao afirmar que havia vencido as recentes eleições israelenses, quando disse ter vencido entre os eleitores “sionistas” porque “os árabes não fazem parte da equação”. Explicando melhor: a razão pela qual os cidadãos palestinos de Israel são uma minoria é apenas porque, durante a sua criação, 750.000 palestinos foram etnicamente limpos de sua terra natal pelo terror sionista.

Por “sionista” Netanyahu se refere aos judeus, uma equivalência que nos dizem que não deve ser feita porque é usada por alguns para esconder seus sentimentos antijudaicos. Em um golpe, Netanyahu deslegitimou os votos de 300 mil dos próprios cidadãos de Israel porque eles não são judeus e não votariam nele.

Netanyahu se mostra quando se trata de racismo contra cidadãos não-judeus de seu país. Em um vídeo do dia das eleições em 2015, ele pediu aos partidários que votassem porque “a regra da direita está em perigo, os eleitores árabes estão chegando às urnas”, declarou Netanyahu no vídeo. “ONGs de esquerda os estão trazendo de ônibus.”

No entanto, em uma mudança hipócrita depois de vencer a eleição, Netanyahu decidiu entrar em contato com os cidadãos palestinos de Israel oferecendo um pedido de desculpas sem entusiasmo. Ele disse: “Sei o que disse vários dias atrás ofendeu alguns cidadãos de Israel, feriu os árabes”, disse Netanyahu a representantes convidados da comunidade árabe na residência do primeiro-ministro em Jerusalém. “Essa nunca foi minha intenção. Peço desculpas por isso.”

O pedido foi rejeitado pelo líder da Lista Conjunta (Árabe), Ayman Odeh, que o chamou de “flip-flop” duplicado.. Enquanto Netanyahu “avançar na legislação racista … e não promover igualdade real” para os árabes de Israel, disse o parlamentar, o pedido de desculpas do primeiro-ministro não será aceitável ou credível.

Ambos os episódios, de 2015 e de agora, mostram o racismo que está no cerne da ideologia de Netanyahu e da coalizão de direita. Cidadãos palestinos de Israel são, na melhor das hipóteses, cidadãos de segunda classe. Em 2018, o ministro da Defesa Avigdor Lieberman acusou o líder da Lista Conjunta, Ayman Odeh, e seus associados de serem uma “quinta coluna” e disse que eles deveriam ser cassados por apoiarem um protesto de solidariedade a Gaza em Haifa. Lieberman lamentou o “fracasso sistemático” da aplicação da lei em agir contra a Odeh “e seus amigos” e pediu que eles fossem barrados.

O atual ministro da Defesa de Israel, Naftali Bennet, também se divertiu com o racismo contra os palestinos, alegando em 2013: “Eu matei muitos árabes na minha vida – e não há problema com isso”. Em 2017, como ministro da Educação, ele disse aos parlamentares de origem palestina que escolhessem ser “israelenses normais” ou “terroristas”. Bennett também acredita que os palestinos ‘já têm seu estado na Jordânia’.

O líder azul e branco (Kahol Lavan), Benny Gantz, não consideraria formar um governo com a Lista Árabe Conjunta, alegando que ele “não tem medo de falar com nenhum partido político legítimo, mas a Lista Conjunta não fará parte do governo que eu formo”. Ele disse: “minhas divergências com sua liderança nas questões nacionais e de segurança são profundas, difíceis e intransponíveis”. Ele continuou dizendo pretender “implementar o plano de paz do presidente Trump, em coordenação com todos da região, e considerá-lo um marco significativo” e que Israel “não pode tolerar o apoio ao terrorismo ou deixar de condená-lo”, disse Gantz.

Gantz não se opôs à inclusão no plano de Trump da retirada da cidadania israelense de 300 mil cidadãos palestinos em ‘trocas de terras’, em que a área conhecida como ‘Triângulo’ se tornaria parte do chamado Estado Palestino, sem pedir a opinião da população.

Nenhuma das discriminações acima e o recorte racista contra palestinos e cidadãos palestinos de Israel deve nos surpreender. Israel tem mais de sessenta leis que discriminam seus cidadãos palestinos e os palestinos nos territórios ocupados. A maioria foi implementada antes da principal liderança política de Israel redigir ou apoiar no Knesset, em 2018, a ‘Lei do Estado Nacional’ ou como eu a chamei de “Lei do Estado de Apartheid Judaico” de Israel quando foi aprovada. Em sua essência, está a premissa de que apenas os judeus têm direito à autodeterminação em Israel, quaisquer que sejam as fronteiras de Israel. No plano de Trump, é claro que a fronteira de segurança de Israel é toda a Palestina histórica, do rio Jordão ao mar Mediterrâneo.

A questão de saber se Israel é um Estado do Apartheid foi resolvida no relatório da agência ESCWA, da ONU, encomendado para uma avaliação pelos reconhecidos acadêmicos Richard Falk e Virginia Tilley. No relatório revisado por seus pares, eles concluíram que Israel exerce o Apartheid contra o povo palestino como um todo. E, antes que os suspeitos do costume descartem o status do relatório, solicitando à ESCWA que o retire de seu site, permita-me assegurar-lhes sobre seu status.

Perguntei à ex-subsecretária-geral Dra. Rima Khalaf, que renunciou antes de ser derrubada, e ela me garantiu que o documento ainda é um relatório oficial da ONU. Portanto, suas conclusões permanecem válidas. Israel é um Estado do Apartheid, que deve ser isolado e evitado até que seu regime racista seja desmantelado, levando a dois estados soberanos independentes, um Estado israelense e palestino ou um único estado democrático para todos aqueles entre o rio e o mar.

Israel não pode para sempre continuar a governar mais da metade das pessoas cujas vidas ele controla diariamente, sem lhes dar seus legítimos direitos e reivindicar ser uma democracia. A julgar pelos violentos últimos 72 anos desde a sua criação, o estado não terá paz até separar judeus dos outros ou aceitar que todos os seres humanos tenham direito a serem tratados igualmente e aceitar que não pode ser apenas judeu e simultâneamente democrata.

Não se pode afirmar que o problema está com os palestinos que não se curvarão nem se renderão. Nem seus apoiadores no Ocidente.

Os mesmos governos ocidentais que ficaram do lado do regime opressivo do Apartheid na África do Sul são os que estão protegendo o regime do Apartheid em Israel. Em vez de sancioná-lo por seus crimes, o Ocidente reforça o comércio com Israel e simplesmente condena suas ações criminais como ocupante ilegal que comete crimes de guerra quase diariamente, pelo menos em termos de sua empresa de assentamentos.

Quando os palestinos buscam reparação através de meios pacíficos e legais e levam o processo ao Tribunal Penal Internacional (TPI), os apoiadores de Israel nos EUA, Alemanha e Canadá pedem que não façam alegando que não a corte não tem jurisdição sobre a Palestina por não ser um estado.

Quando os palestinos pedem boicote pacífico, desinvestimento e sanções (BDS), os EUA e a França aprovam leis anti-BDS e a França equipara BDS ao antissemitismo. O Reino Unido tentou proibir fundos de pensão de desinvestirem nas empresas cúmplices dos crimes de Israel e o governo conservador só estava preocupado com Israel ao anunciar que iria legislar contra boicotes de órgãos públicos. Também se comprometeu a forçar instituições públicas, incluindo universidades, a adotarem a definição de trabalho de antissemitismo da IHRA, que tem mais a ver com proteger Israel das críticas do que proteger os judeus britânicos contra o antissemitismo real. Essa também é a razão pela qual os advogados de Israel tentaram e falharam em cancelar a Semana do Apartheid de Israel nos campi do mundo todo.

Parece que a chamada comunidade internacional está enviando sinais não duvidosos, mas claros aos palestinos: defende o apartheid israelense e está contra os direitos palestinos. Isso é hipocrisia.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaÁfrica do SulAlemanhaArtigoÁsia & AméricasEUAEuropa & RússiaFrançaIsraelONUOpiniãoOriente MédioPalestinaReino Unidos
Show Comments
Show Comments