Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

FBI acha que atirador saudita agiu sozinho e governador da Flórida recrimina ódio

[foto do arquivo]

Os investigadores acreditam que um tenente da Força Aérea Saudita agiu sozinho quando matou três pessoas e feriu oito em uma base da Marinha dos EUA em Pensacola, Flórida, antes de ser morto a tiros por um vice-xerife, informou o FBI no domingo, de acordo com a agência Reuters.

Masm conforme a declração da agente especial encarregada do escritório de Jacksonville do FBI e principal investigadora do caso, Rachel Rojas, eles ainda precisam identificar a motivação para o crime, mesmo com a cooperação de colegas da Arábia Saudita que estavam perto do atirador.

Rojas disse que o FBI estava trabalhando, como na maioria dos casos de tiroteios em massa, na suposição de que fosse um ato de terrorismo, mas essa alegação, segundo ela, foi em grande parte feita para permitir que os investigadores usassem ferramentas especiais oferecidas a eles em casos de terrorismo.

“Estamos procurando descobrir a motivação dele e eu pediria paciência para que possamos acertar isso”, disse ela, acrescentando que 80 agentes especiais do FBI, 100 funcionários de apoio e dezenas de outros investigadores da Marinha e várias agências federais estão trabalhando no caso.

O FBI identificou o atirador como o segundo tenente Mohammed Saeed Alshamrani, 21, informando que ele abriu fogo dentro de uma sala de aula na base na manhã de sexta-feira.

Rojas disse que a pistola que ele usou – uma pistola Glock 9mm, que pode ser combinada com uma revista com 33 cartuchos – foi legalmente comprada pelo atirador em algum lugar da Flórida. De acordo com os regulamentos dos EUA, é legal para um estrangeiro nos Estados Unidos com um visto de não-imigrante comprar uma arma se certas condições forem atendidas – inclusive se eles simplesmente tiverem uma licença de caça.

Alshamrani estava na base como parte de um programa de treinamento da Marinha dos EUA projetado para promover vínculos com aliados estrangeiros. Ele começou a treinar nos Estados Unidos em 2017 e esteve na área de Pensacola nos últimos 18 meses, disseram as autoridades.

Seus colegas estudantes sauditas conversaram diretamente com investigadores americanos e ficaram restritos à base por ordem das forças armadas sauditas, disse Rojas.

“Agradeço ao reino por seu compromisso de cooperação total e completa”, acrescentou.

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse no sábado que o rei Salman e o príncipe Mohammed bin Salman ficaram “devastados” com o que aconteceu e se comprometeram a ajudar as famílias das vítimas.

O príncipe herdeiro saudita chamou Trump no domingo para garantir que as autoridades sauditas ofereçam sua cooperação absoluta com os Estados Unidos e forneçam todas as informações que ajudem nas investigações, informou a agência de notícias estatal saudita.

No entanto, membros do Congresso que representam a Flórida criticaram o governo dos EUA por ainda não rotular os disparos como um ataque terrorista e exigiram mais detalhes sobre o que o governo saudita está fazendo para ajudar na investigação e impedir a violência futura por membros de suas forças armadas.

O ataque ocorre no momento em que o governo Trump mantém laços calorosos com Riad, em meio ao envolvimento da Arábia Saudita na guerra no Iêmen, em altas tensões com o Irã, seu rival no Oriente Médio, e contínuas consequências políticas do assassinato do jornalista do Washington Post, Jamal Khashoggi no ano passado, em um consulado saudita.

Um grupo que rastreia o extremismo online disse que Alshamrani parece ter postado críticas às guerras dos EUA em países predominantemente muçulmanos e citou o líder da Al Qaeda, Osama bin Laden, no Twitter/ horas antes da onda de disparos.

Em inglês, ele também escreveu que odiava o povo americano por “cometer crimes não apenas contra muçulmanos, mas também contra a humanidade” e criticou o apoio de Washington a Israel, segundo análise do site Intelligence Group.

A Reuters não verificou a autenticidade da conta, @M&MD_SHAMRANI, que foi suspensa pelo Twitter na sexta-feira.

O governador da Flórida, Ron DeSantis, falando em uma entrevista coletiva no domingo à tarde, respondeu “sim, sim” quando perguntado se ele considerava o ataque um ato de terrorismo.

“Há muita frustração em nosso estado com isso”, disse DeSantis. “Você tem militares estrangeiros chegando à nossa base. Eles não deveriam fazer isso se odeiam o nosso país. ”

DeSantis disse que Alshamrani aproveitou uma “brecha federal” para comprar a arma que ele usou, e confirmou que o suspeito, desde que chegou aos Estados Unidos em 2017, fez uma viagem de volta à Arábia Saudita e também visitou recentemente Nova York. O governador se recusou a dar mais detalhes.

“Ele tinha um profundo ódio pelos Estados Unidos”, disse DeSantis. “Para trazermos esses estrangeiros, é preciso tomar precauções. Ao atrair pessoas da Arábia Saudita, precisamos estar atentos a isso.”

Alshamrani era um dos cerca de 200 estrangeiros na base de Pensacola e de milhares que participam de treinamento militar nos Estados Unidos, um programa que o secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, disse ser “muito importante para nossa segurança nacional”.

Esper disse ao “Fox News Sunday” que havia pedido às autoridades de defesa para garantir que todas as precauções necessárias fossem tomadas para garantir a segurança nas instalações militares, e que pediu ao Pentágono que reveja os procedimentos de triagem para militares de outros países que vêm para os Estados Unidos. para treinamento.

Esse pessoal já foi examinado pelos departamentos de Estado, Defesa e Segurança Interna, disse Esper.

Categorias
Arábia SauditaÁsia & AméricasEUAEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioTurquia
Show Comments
Show Comments