Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Não perder de vista o principal líder terrorista da Síria

Presidente Sírio Bashar Al-Assad na Rússia [Serviço de Imprensa do Presidente da Rússia / Wikipedia]

Então, depois de uma dramática conferência de imprensa presidida por Donald Trump, somos levados a acreditar que o líder do Daesh, Abu Bakr Al-Baghdadi, morreu em um túnel subterrâneo ” choramingando e soluçando” como um cachorro. Haverá poucas lágrimas derramadas pelo líder terrorista e, não surpreendentemente, os militares dos EUA estão explorando sua morte por tudo que esta possa render.

Um dia após o anúncio de Trump, o chefe do Comando Central dos EUA, general Kenneth McKenzie, divulgou um vídeo granulado do ataque ao complexo onde Baghdadi estava encurralado, enquanto soldados americanos enfrentavam o restante dos guarda-costas do auto-designado califado.

Baghdadi se matou detonando um colete suicida e após o ataque, o complexo foi arrasado. McKenzie disse que duas crianças morreram com o líder do Daesh no túnel, e não três como relatado anteriormente. Ele não pôde confirmar a descrição feita por Trump da imagem de Baghdadi “choramingando” antes de sua morte.

Isso não têve importância. A mídia divulgou as palavras de Trump . Outros líderes ao redor do mundo apareceram entusiasticamente no pódio mais próximo disponível, enquanto comemoravam o fim do líder terrorista. Parece que quase todo mundo está tentando levar o crédito pela morte de Baghdadi, assim como a atual liderança iraquiana.

Com muito ainda a considerar, perdoe-me por não compartilhar o entusiasmo de Fareed Yasseen. “Hoje a justiça prevaleceu”, cantou o embaixador do Iraque nos Estados Unidos após a operação militar que matou Baghdadi. “O brutal líder do Daesh chegou ao fim. Gostaríamos de expressar nossa gratidão ao pessoal militar dos EUA que realizou o ousado ataque na Síria que levou a esse resultado. ”

Uma declaração emitida por Adil Abdul-Mahdi, primeiro ministro e comandante em chefe de suas forças armadas, dizia: “Depois que seus irmãos nas forças armadas conseguiram derrotar militarmente o Daesh e erradicar sua presença nas regiões do Iraque, o Serviço Nacional de Inteligência do Iraque completou hoje essa conquista com um papel importante no rastreamento do criminoso Abu Bakr Al-Baghdadi ,em uma operação única que começou em junho do ano passado e resultou na prisão de carregadores e associados próximos da família de Al-Baghdadi, que o levaram aonde ele estava, dentro do território sírio. ”

Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Daesh

Abdul-Mahdi observou que o Conselho Judicial Supremo do Iraque “contribuiu ainda mais” para a investigação e divulgação dos fatos sobre os detidos próximos aos líderes do Daesh. “Nesta ocasião, estendemos nossos sinceros agradecimentos e gratidão a todos os Oficiais de Serviço que contribuíram para essa grande conquista e que se dedicaram ao sacrifício pelo bem de sua terra natal e seu povo.”

Enquanto isso, o presidente iraquiano Barham Salih saudou a operação dos EUA como “um grande marco na guerra contra o terrorismo” antes de acrescentar: “Enquanto nos lembramos de suas vítimas, devemos garantir que a luta continue a erradicar o flagelo do terrorismo por meio de vigilância contínua de segurança, sistemas políticos inclusivos, e dando apoio ao Serviço Nacional de Inteligência do Iraque pela operação bem-sucedida dos EUA, Salih concluiu: “Os serviços das Forças Armadas e da Inteligência do Iraque continuarão com os parceiros do Iraque na coalizão para perseguir incansavelmente os terroristas do Daesh e derrotar sua ideologia”.

Está tudo bem, mas agora temo que estamos tirando os olhos da bola e perdendo de vista o fato de que Bashar Al-Assad é o principal líder terrorista na Síria, e ele ainda está no poder e mais encorajado do que nunca. Chega de dar um tapa nas costas auto-congratulatório. Gostaria de saber quando o mundo árabe e seus líderes se livrarão do homem sentado em Damasco. Trump não fala mais sobre remover Assad e a Europa é relativamente silenciosa sobre esse monstro que nunca pode ser considerado parte de qualquer solução para acabar com a implacável guerra civil de oito anos na Síria.

Ao longo dos anos, ele foi responsável, direta e indiretamente, pelas mortes, ferimentos e sofrimento de milhões de sírios e seus filhos. Sem o seu próprio reinado de terror, cerca de 12 milhões de sírios não teriam fugido de suas casas como refugiados ou deslocados internos no país que a dinastia de Assad governou tão brutalmente por quase 50 anos. Seu regime é responsável pelo massacre de muito mais pessoas do que foram mortas ou sofridas sob o Daesh.

É importante lembrar que o levante na Síria nunca foi sobre a ascensão de Daesh, Baghdadi ouos iludidos assassinos que mataram, mutilaram, estupraram e saquearam a região em nome de seu grupo terrorista, que em seu auge governou uma enorme faixa de terra no Iraque e no Levante. A revolução síria também não tinha nada a ver com os curdos que buscavam autodeterminação com ou sem a ajuda do desonesto PKK ou YPG. A presença dos EUA ou da Rússia na Síria também não tinha nada a ver com esse levante árabe em particular.

Lembremos que o povo sírio comum se tornou revolucionário da noite para o dia porque finalmente rompeu com o punho de ferro de Assad;que, infelizmente, ele ainda está no poder. Lembremos que ainda existem 7.000 mulheres sírias e 400 crianças detidas sem acusação nem julgamento nas masmorras de Assad, onde sofrem tortura diária e brutalidade inimaginável. E lembremos que centenas de milhares de outros prisioneiros estão sendo brutalizados nas prisões do regime, conforme detalhado em relatórios e dossiês secretos divulgados à mídia.

Houve um raio de esperança que brilhou em meio ao blefe e barulheira do circo midiático de Trump, e essa foi a notícia de que um tribunal na Alemanha acusou dois ex-oficiais de inteligência sírios por crimes contra a humanidade. Identificado apenas como Anwar R, o primeiro é suspeito de torturar pelo menos 4.000 pessoas em 2011-12. Isso resultou em 58 de suas vítimas sendo mortas. O outro suspeito é conhecido apenas como Eyad A; ele é acusado de tortura em pelo menos 30 casos.

As principais evidências foram reunidas após uma exposição fotográfica da ONU em 2015, que mostrou ao mundo os cadáveres de vítimas de tortura mortas sob o domínio de Assad. O julgamento em Koblenz dos dois homens, que foram presos em fevereiro, deve começar no início do próximo ano. Não pode chegar tão cedo, pois pode levar outros a serem apanhados na rede do judiciário internacional. Só podemos esperar que isso inclua Assad.

É compreensível que exista júbilo pelo desaparecimento de Abu Bakr Al-Baghdadi, mas devemos manter nossos olhos na principal causa de terrorismo na Síria hoje, que é o regime liderado pelo presidente Bashar Al-Assad. E então devemos fazer algo para acabar com isso, mais cedo ou mais tarde. É o mínimo que podemos fazer por suas vítimas, vivas e mortas.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAIraqueOriente MédioRússiaSíria
Show Comments
Show Comments