Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

No impasse com Irã, Trump é quem deve perder mais

Manifestantes iranianos queimam uma foto do presidente dos EUA, Donald Trump, durante um protesto em frente à antiga embaixada dos Estados Unidos. Em 9 de maio de 2018, em Teerã, Irã [Majid Saeedi / Getty Image]

A campanha de pressão máxima do presidente Trump contra o Irã decolou no ano passado, depois que ele abandonou o acordo nuclear do Irã, em 8 de maio de 2018. No decorrer de apenas um ano, a campanha foi sacudida pelos recentes reforços militares dos EUA no Golfo Pérsico e o abatimento de um drone militar dos EUA pelo IRGC do Irã em 21 de junho, levando as duas nações à beira de uma guerra. Ambos os lados pretendem evitar a guerra, mas será difícil acalmar as tensões, apesar de uma série de iniciativas diplomáticas em andamento. Guerra ou não-guerra, a campanha de “pressão máxima” parece destinada a acabar produzindo uma série de conseqüências mais prejudiciais aos EUA do que ao Irã.

Uma crise do próprio Trump

O principal motivo por trás da retirada de Trump do acordo nuclear foi pressionar o Irã a se submeter aos ditames da política externa dos EUA no Oriente Médio. As demandas de 12 pontos do secretário de Estado Mike Pompeo foram claramente destinadas a trazer mudanças de regime em Teerã e reorientar a política externa do país para longe das atividades antiamericanas e para uma postura pró-EUA. Era uma conclusão precipitada de que o Irã rejeitaria as exigências de imediato, mas Trump escolheu um caminho altamente arriscado para forçar o Irã a aceitar essas condições.

Uma série de sanções intrusivas veio em seguida. Trump recorreu à jurisdição extraterritorial para reduzir ilegalmente as exportações de petróleo do Irã, uma das principais fontes de receita nacional, a zero e, assim, acumular uma pressão econômica maciça sobre o governo iraniano para que ele simplesmente caísse em colapso. Mais recentemente, Washington sancionou o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, uma medida que o presidente Hassan Rouhani classificou de “idiota e escandalosa”. Em uma reação muito esperada, o Ministério das Relações Exteriores iraniano informou que as sanções fecharam permanentemente a porta à diplomacia com Washington e o lider Supremo rechaçou a oferta dos EUA de negociações diretas, como mera “decepção” para tirar o poder do Irã.

A recusa do Irã em negociar colocou a estratégia de Trump em um marasmo. Ele se ofereceu para negociar sem condições prévias e ao mesmo tempo ameaçou o Irã com a obliteração. Além disso, a Casa Branca tropeça em fracassos ao tentar construir uma coalizão global para cercar o Irã. Os aliados europeus dos EUA, além do Reino Unido, veem os EUA como os provocadores do impasse e se recusaram a apoiar a campanha anti-Irã de Washington. Em uma recente reunião da Otan em Bruxelas, a França advertiu os EUA a não arrastar a aliança para missões militares anti-Irã. No Oriente Médio, apenas dois aliados do Golfo – Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos (EAU) – estão ao lado dos EUA.

Um cenário das conseqüências em caso de guerra deflagrada

Deixado em apuros pela maioria dos aliados, Trump prefere uma abordagem de “esperar para ver” se o Irã vai ceder. Mas para o Irã, a política preferida é continuar empurrando e forçando os EUA a recuarem e se comprometerem com o acordo nuclear e o fim das sanções. O Irã não pode simplesmente permitir que um impasse prolongado cause um abismo econômico para si mesmo; nem pode se dar ao luxo de ignorar a perspectiva de turbulência doméstica a ser desencadeada pela campanha de “pressão máxima” de Trump. Após a reimposição de sanções por Trump, o rial iraniano perdeu dois terços de seu valor, a inflação disparou para 40% e a economia deve encolher 6% no atual ano fiscal. A possibilidade de Trump ser reeleito em 2020 também é uma grande preocupação para o Irã.

No caso de uma guerra quente, como a CNN prevê, o esmagador poder de fogo da América pode prevalecer por um tempo, mas o Irã e seus aliados regionais continuarão a inflamar a região inteira por um longo tempo. Os mísseis de precisão do Hezbollah estão prontos para atacar Israel, assim como os parceiros da milícia xiita do Irã no Iraque, que dificilmente hesitariam em atacar bases militares e pessoal dos EUA no Iraque. Algumas bases militares iraquianas tripuladas por tropas americanas seriam atacadas por foguetes e mísseis. Forças militares dos EUA no Afeganistão também deverão atrair fogo dos aliados afegãos do Irã. Os combatentes houthis apoiados pelo Irã no Iêmen já estão enfraquecendo a Arábia Saudita, um forte defensor da campanha de “pressão máxima” de Trump.As conseqüências econômicas da guerra provavelmente serão mais dolorosas para a economia americana, sem falar em devastação para a economia global. A primeira coisa que o Irã provavelmente fará é fechar o Estreito de Ormuz, um ponto crucial para o embarque global de petróleo. Uma projeção da OilPrice indica um aumento de US $ 250 por barril.

Ataques recentes a petroleiros ao largo da costa de Omã e do sudeste do Irã rapidamente elevaram os preços do petróleo em 10%. Um aumento no preço do petróleo deve reduzir os gastos dos consumidores americanos, o que pode causar uma contração em sua economia, como as espirais descendentes similares criadas pelo embargo de petróleo liderado pela Arábia Saudita de 1973-74, a revolução iraniana de 1979 e a invasão iraquiana do Kuwait em 1990, e agitar os mercados globais de petróleo e economia.

Um cenário das consequências sem guerra

Um cenário sem guerra parece improvável, dadas as posições endurecidas tomadas pelos EUA e pelo Irã. Trump não parece disposto a descartar sua atitude arrogante, nem o Irã, ao contrário da Coréia do Norte, que está buscando o diálogo em face da abordagem de “fogo e fúria” de Trump. Caso a escalada se agrave, as consequências políticas e diplomáticas prometem não ser menos prejudiciais para os EUA do que as conseqüências de uma guerra deflagrada.

Em primeiro lugar, a política de “pressão máxima” de Trump está criando uma grande crise para a credibilidade da América na liderança global. A Guerra do Iraque ilegal de George W. Bush criou sérios abalos na confiança da comunidade mundial nos EUA; As táticas ilegais e fortes de Trump estão minando ainda mais a credibilidade global da liderança americana. Além disso, a firmeza do Irã em enfrentar os EUA prejudicará em muito a política de ameaça e intimidação dos Estados Unidos para forçar as partes mais fracas a se submeterem. Outros estados anti-EUA podem ser encorajados a desafiar os ditames da América.

Uma falha mais séria pode surgir nos relacionamentos entre os EUA e o Conselho de Cooperação do Golfo (GCC). Até agora, a América tem garantida a segurança de seus aliados do Golfo contra ameaças iranianas, mas nota-se agora com grande espanto que Washington, após a queda de um drone militar de alta tecnologia dos EUA pelo IRGC, não tenha retaliado o Irã. Riad e Abu Dhabi podem ver os compromissos de defesa dos EUA como vazios e secretamente iniciarem uma reaproximação com Teerã para construir confiança e aumentar a cooperação entre os dois países.

Os rivais globais dos EUA, China e Rússia, estão interessados em explorar as escaladas nas relações Irã-EUA. Quanto mais os EUA pressionam o Irã, mais os iranianos se mudam para Moscou e Pequim em busca de apoio. Todos os três países, sofrendo com as sanções dos EUA, têm um interesse comum em resistir e conter a hegemonia global dos EUA. Apesar das diferenças estratégicas, o Irã é um grande elo da estratégia da Rússia na Síria e um dos principais parceiros na luta contra a militância jihadista no Oriente Médio e no Cáucaso. Para a China sedenta de energia, o Irã é uma engrenagem significativa para em sua “Belt and Road Initiative Iniciativa Cinturão e Rota). Não é interesse nem da China nem da Rússia deixar a América subjugar o Irã e controlar seus recursos petrolíferos. Em qualquer dos casos, Trump deve perder mais do que o Irã.

Acordo EUA-Irã- Cartoon [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Arábia SauditaArtigoÁsia & AméricasEmirados Árabes UnidosEUAIrãNotíciaOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Show Comments