Portuguese / English

Middle East Near You

Juiz britânico sênior recebe advertência após curtir um post pedindo uma Palestina livre

Manifestante segura um cartaz que diz “Palestina livre” enquanto milhares de pessoas participam de um protesto pró-palestino, com bandeiras palestinas e cartazes antiguerra, exigindo o fim dos ataques israelenses a Gaza em Londres, Reino Unido, em 8 de junho de 2024. [Raşid Necati Aslım/Anadolu Agency]

Um juiz britânico sênior recebeu uma advertência formal por má conduta depois de ter “acidentalmente” curtido uma publicação no LinkedIn que pedia uma Palestina livre.

A postagem dizia: Free free Palestine”. Para os terroristas israelenses no Reino Unido, nos Estados Unidos e, é claro, em Israel, vocês podem correr, podem bombardear, mas não podem se esconder – a justiça virá atrás de vocês”.

De acordo com o Standard, o juiz Tan Ikram havia decidido anteriormente não punir três mulheres que exibiam imagens de paraquedas em um protesto pró-Palestina realizado uma semana após o ataque de 7 de outubro. Ele lhes deu alta condicional de 12 meses depois que elas foram consideradas culpadas de um delito segundo a Lei de Terrorismo.

O juiz Ikram se dirigiu ao Judicial Conduct Investigations Office (JCIO), que revelou ter recebido mais de 60 reclamações sobre o assunto e encaminhou 43 delas a um juiz nomeado para análise.

LEIA: Observatório das instituições de caridade é instado a interromper o fluxo de doações do Reino Unido para o exército de Israel

O juiz nomeado descobriu que Ikram havia violado as diretrizes de mídia social para o judiciário ao se identificar como juiz no LinkedIn e que sua “curtida” na publicação “resultou em uma percepção de parcialidade”.

Uma declaração do juiz nomeado disse: “Isso foi demonstrado pelo fato de ter sido inferida uma ligação entre essa questão e um caso ouvido pelo juiz Ikram, que envolveu manifestantes pró-palestinos”, acrescentando que “o risco de minar a confiança do público foi aumentado pelo fato de ele ter se identificado nas mídias sociais como juiz”.

O juiz Ikram, que atua no comitê de nomeações judiciais, alegou que havia dado like acidentalmente da publicação, que ele descreveu como “repulsiva”. Ele disse à investigação de conduta judicial que havia tomado medidas para mitigar o impacto de sua ação fechando sua conta do LinkedIn, que usava principalmente para seu trabalho como juiz de diversidade e relações comunitárias.

Ele encomendou um relatório técnico indicando que não tinha nenhuma conexão direta de mídia social com a pessoa que postou o comentário e afirmou que era “muito simples” para um usuário do LinkedIn “curtir” acidentalmente em um iPhone tocando duas vezes em uma imagem.

O JCIO declarou que um juiz nomeado, que investigou 43 reclamações sobre a conduta do juiz distrital sênior adjunto Tanweer Ikram, concordou que a “curtida” foi acidental.

No entanto, o Lord Chancellor, Alex Chalk, e a Lady Chief Justice, Baronesa Carr, elevaram a sanção do juiz de “conselho formal” para uma “advertência formal”.

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments