Portuguese / English

Middle East Near You

Relembrando Muhammad Ali – ‘Flutue como uma borboleta, pique como uma abelha’

Muhammad Ali, lenda do boxe mundial, faleceu em 3 de junho de 2016. Para além de suas muitas conquistas no esporte, Ali era também uma personalidade profundamente política, célebre por sua recusa em servir ao exército dos Estados Unidos durante a invasão ao Vietnã. Ali se tornou um ícone do movimento antiguerra e por direitos civis.

O quê: o ícone mundial Muhammad Ali

Quando:  17 de janeiro de 1942 a 03 de junho de 2016

Quem: Boxeador e defensor dos direitos dos afro-americanos e um crítico da injustiça racial e do imperialismo dos EUA.

Durante: conquistas no esporte, conversão ao Islã, recusa em lutar contra os vietcongs

Depois: legado como lutador pela justiça continua a inspirar

O lendário boxeador e ícone mundial Muhammad Ali faleceu em 3 de junho de 2016. Ele tinha, sem dúvida, “o rosto e o nome mais reconhecíveis do mundo”. Conhecido por suas extraordinárias conquistas dentro e fora do ringue, o legado de Ali como lutador pela justiça continua a inspirar. Sua posição de princípio durante a Guerra do Vietnã e sua defesa dos direitos civis têm paralelos profundos com os atuais protestos globais liderados por estudantes contra o genocídio de Israel em Gaza.

Nascido Cassius Marcellus Clay Jr., em 17 de janeiro de 1942, em Louisville, Kentucky, o garoto que se tornou Ali teve seus anos de formação fortemente influenciados por experiências de discriminação, especialmente nos Estados Unidos, onde havia segregação racial. Aos 12 anos de idade, depois que sua bicicleta foi roubada, um encontro casual com um policial local que também era treinador de boxe levou o jovem Cassius Clay a praticar o esporte. Ele prometeu que, se algum dia pegasse o ladrão, daria uma “surra” nele.

A carreira amadora de Clay foi espetacular. Ele ganhou seis títulos do Kentucky Golden Gloves, dois títulos nacionais do Golden Gloves e a medalha de ouro olímpica de 1960 em Roma.

“Eu não tirei aquela medalha por 48 horas”, disse ele mais tarde. “Eu a usei até na cama. Não dormi muito bem porque tive que dormir de costas para que a medalha não me cortasse. Mas eu não me importava, eu era campeão olímpico.”

No entanto, ao retornar aos EUA, foi-lhe negado atendimento em um restaurante “só para brancos”. Isso desiludiu o jovem Clay, que contaria em sua autobiografia The Greatest: “Fui até o rio, o rio Ohio, e joguei minha medalha de ouro nele”.

Seus reflexos rápidos, socos poderosos e estilo pouco ortodoxo rapidamente o diferenciaram de seus colegas. De fato, ele “flutua como uma borboleta, pica como uma abelha”, uma de suas citações mais famosas. No entanto, foi seu carisma, sua confiança e sua natureza franca que começaram a capturar a imaginação do público, o que lhe rendeu o apelido de “o Lábio de Louisville”.

Destinado à grandeza 

Clay se tornou profissional logo após as Olimpíadas e, em 1964, estava pronto para desafiar o temido Sonny Liston pelo Campeonato Mundial dos Pesos Pesados. Apesar de ser o azarão, sua velocidade e agilidade dominaram Liston, que desistiu em seu banquinho, em uma das maiores reviravoltas do esporte.

Após a luta, Clay declarou a famosa frase: “Eu sou o maior!” e que ele havia “sacudido o mundo”. Na época, ele tinha apenas 22 anos de idade, o que o tornou o boxeador mais jovem a conquistar o título de um campeão dos pesos pesados.

RELEMBRANDO: A vida e o martírio de Malcolm X

Sob a orientação do proeminente ministro da Nação do Islã (NOI) e líder dos direitos civis Malcolm X, o campeão renunciou ao seu nome de nascimento, Cassius Clay, e adotou o nome Muhammad Ali depois de se converter ao Islã e se filiar à NOI. Malcolm, ou El-Hajj Malik el-Shabazz, como seria conhecido mais tarde, acabou adotando o islamismo sunita, o que o colocou em conflito com seu antigo grupo. Ali deu as costas a Malcolm, uma decisão da qual se arrependeria muito mais tarde, pois acabou seguindo o mesmo caminho em direção ao Islã ortodoxo.

A decisão de Ali foi uma declaração espiritual e política, pois ele se tornou um defensor dos direitos dos afro-americanos e um crítico da injustiça racial e do imperialismo dos EUA. Como era de se esperar, sua posição sem remorso em relação aos direitos civis e sua personalidade impetuosa fizeram dele uma figura polarizadora, mas também lhe renderam a admiração de milhões de pessoas no país e em todo o mundo, especialmente no Sul Global.

O reinado de Ali como campeão foi marcado por lutas lendárias, incluindo seus confrontos com Joe Frazier e George Foreman. A “Luta do Século” contra Frazier em 1971 e a “Rumble in the Jungle” contra Foreman em 1974 são consideradas duas das maiores da história do boxe. A “Thriller in Manila” em 1975, a terceira e última luta entre Ali e Frazier, é lembrada como um dos confrontos mais brutais e amargos do esporte.

Despojado de seus títulos

A carreira de Ali sofreu uma reviravolta dramática em 1967, quando ele se recusou a ser convocado para o exército dos EUA durante a Guerra do Vietnã. Citando suas crenças religiosas e sua oposição à guerra, Ali declarou: “Não tenho nenhuma briga com os vietcongues”. Essa postura levou à sua prisão, à perda de seus títulos de boxeador e ao banimento do esporte por mais de três anos, tirando-lhe a oportunidade de lutar em seu auge. Sua posição de princípio contra a guerra repercutiu no crescente movimento contra a guerra, consolidando ainda mais seu legado como um lutador pela justiça.

LEIA: Gandhi foi o “Pai da Nação” da Índia, que se opôs ao sionismo na Palestina “árabe”

Durante seu exílio do boxe, Ali continuou a se manifestar contra a Guerra do Vietnã e a desigualdade racial. Sua condenação acabou sendo anulada pela Suprema Corte em 1971, permitindo que ele voltasse aos ringues. Embora tenha reconquistado o título dos pesos pesados mais duas vezes, primeiro contra Foreman em 1974 e novamente contra Leon Spinks em 1978, os anos de inatividade haviam afetado sua capacidade física. No entanto, como demonstrou no “Rumble in the Jungle”, ele manteve um alto QI de boxe com sua tática de corda, mostrando como o cérebro pode vencer a força bruta.

Vida após o boxe

Ali se aposentou do boxe em 1981, deixando para trás um legado como um dos maiores atletas de todos os tempos, embora alguns digam que ele permaneceu no esporte por tempo demais. No entanto, sua influência foi muito além dos ringues. Ao se aposentar, Ali se dedicou ao trabalho humanitário, usando sua fama para promover a paz e a justiça social. Ele viajou muito, fazendo discursos e apoiando causas beneficentes.

Em 1990, o ex-campeão desempenhou um papel crucial na negociação da libertação de 15 reféns norte-americanos no Iraque após uma reunião com Saddam Hussein. Seus esforços no Oriente Médio se estenderam à defesa dos direitos dos palestinos, e ele foi um crítico veemente das políticas dos EUA na região. Durante uma visita a Beirute, Ali declarou que os: “Os Estados Unidos são a fortaleza do sionismo e do imperialismo”.

Ao visitar um campo de refugiados palestinos no sul do Líbano, ele disse: “Declaro apoio à luta palestina para libertar sua terra natal e expulsar os invasores sionistas.”

‘Sua alma e seu espírito nunca morrem, eles viverão para sempre’

Apesar do declínio de sua saúde devido ao mal de Parkinson, diagnosticado em 1984, Ali permaneceu ativo na vida pública. Ele acendeu a chama olímpica nos Jogos de Atlanta em 1996, um momento que levou muitos às lágrimas.

Muhammad Ali faleceu em 3 de junho de 2016, aos 74 anos de idade. Sua morte foi recebida com uma onda de tristeza e homenagens de todo o mundo. O legado de Ali como campeão de boxe, ativista dos direitos civis e humanitário continua a inspirar as novas gerações.

RELEMBRANDO: Relembrando a heroína negra Dandara dos Palmares 

Os contínuos protestos estudantis em Gaza ecoam o ativismo do próprio Ali e sua posição firme contra a injustiça. Em uma publicação no Instagram no final do ano passado, o imã muçulmano americano Omar Suleiman disse: “Do Vietnã a Gaza, falar contra a máquina de guerra nunca é conveniente. Mas ser grande significa fazer grandes sacrifícios pela verdade. Muhammad Ali nunca perdeu o momento e é por isso que ele também lutou pela Palestina. Use sua voz pela humanidade”.

Se Muhammad Ali ainda estivesse entre nós, sem dúvida teria muito a dizer sobre Gaza. Embora seja encorajador ver mais celebridades e figuras públicas usando suas plataformas para se manifestar contra o genocídio cometido por Israel, Ali estava à frente de seu tempo nessas questões, expressando suas crenças mesmo quando isso representava um grande custo pessoal. Esse calibre de coragem e integridade é raro hoje em dia, mas o legado de Ali continua a inspirar outras pessoas a defenderem sem medo aquilo em que acreditam.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Estados UnidosIraqueIsraelNeste diaOpiniãoOriente MédioVídeos & FotojornalismoVietnã
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments