Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O Estado sionista e a militância sionista

Forças israelenses em guarda após invadir a cidade de Nablus, no norte da Cisjordânia, em 12 de março de 2023. 3 palestinos foram mortos no ataque. [Nedal EshtayahQAgência Anadolu]
Forças israelenses em guarda após invadir a cidade de Nablus, no norte da Cisjordânia, em 12 de março de 2023. 3 palestinos foram mortos no ataque. [Nedal EshtayahQAgência Anadolu]

Onde e quando começa a história? E quem decide? Este é um ponto crucial quando se trata do conflito na Palestina devido às narrativas conflitantes. A grande mídia, por exemplo, optou pela narrativa em que “um atirador palestino atirou em dois irmãos israelenses na aldeia palestina de Huwara”, enquanto a narrativa palestina é que “depois que o exército israelense matou 11 palestinos na cidade vizinha de Nablus , um membro de um grupo de resistência palestino abriu fogo contra dois membros das forças armadas que viviam em um assentamento judaico ilegal e eram irmãos.” De acordo com a mídia israelense, os dois colonos israelenses eram marinheiros, e um planejava servir como soldado de combate no exército israelense.

Desde o início da década de 1990, acadêmicos e oficiais de segurança israelenses emitiram alertas ao governo sobre o papel destrutivo de colonos ilegais fortemente armados, não apenas para os palestinos, mas mais importante – do ponto de vista do governo israelense – também para a autoridade do governo de ocupação israelense na Cisjordânia. Israel, porém, optou por não agir e, em muitos casos, forneceu armas aos colonos, bem como cobertura legal e política.

LEIA: AP se mantém nos termos de Aqaba enquanto Israel continua seus crimes

Colonos armados atacaram a aldeia palestina de Huwara perto de Nablus em 26 de fevereiro, queimando casas, lojas e carros e atacando os residentes locais. O dano foi tão grande que alguns israelenses se solidarizaram com as vítimas e denunciaram as ações dos colonos. Um general chamou de “pogrom”, que é uma palavra emotiva para um judeu usar. Diplomatas europeus reuniram-se na aldeia para se encontrar com o povo e expressar sua solidariedade. Eles também condenaram os crimes dos colonos.

O que, porém, havia de novo ou diferente no ataque dos colonos a Huwara que fez os diplomatas sentirem que deveriam ir para lá? O que os bandidos colonos fizeram foi, na verdade, o sionismo em ação; A ideologia fundadora de Israel é uma forma de fascismo. Em 1975, a ONU declarou o sionismo “uma forma de racismo e discriminação racial”. Esta resolução foi posteriormente rescindida sob intensa pressão dos aliados de Israel no cenário mundial. No entanto, organizações de direitos humanos como B’Tselem, Human Rights Watch e Anistia Internacional disseram que o estado de ocupação já ultrapassou o limite legal para classificação como um estado de apartheid.

Os sionistas nos EUA e na Europa estão aparentemente chocados com o que estão vendo em Israel e na Cisjordânia ocupada por Israel. Eles tendem a olhar para Israel através de lentes cor-de-rosa como uma réplica de seus próprios países, um chamado “posto avançado da civilização em oposição à barbárie”.

Israel se afogando em seu crime - Charge  [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Israel se afogando em seu crime – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Os europeus veem os pilares de Israel tremendo, como se o Estado estivesse prestes a desmoronar, com sua identidade de democracia secular substituída por uma teocracia judaica de extrema-direita. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e seus comparsas estão avançando, ao que parece, com seu golpe judicial que minará a democracia já apenas parcial de Israel. As Forças de Defesa de Israel e as agências de segurança estão testemunhando o que seria chamado de motim em outros países, em protesto contra a “reforma” judicial planejada. Manifestações maciças ocorreram em Tel Aviv nas últimas dez semanas, e líderes israelenses em todo o espectro político estão recebendo ameaças de morte, mesmo quando colonos israelenses invadem a Cisjordânia, expondo a verdadeira face do Israel “democrático”. Extremistas de extrema-direita perseguindo os objetivos do Partido Sionista Religioso estão assumindo o controle; seus seguidores se infiltraram em todas as agências estatais e estão crescendo em número. Se uma eleição geral fosse realizada amanhã, eles manteriam sua – reconhecidamente pequena – maioria no parlamento. A mudança para a extrema direita parece inevitável e irreversível.

O presidente israelense Isaac Herzog e ex-oficiais de alta segurança e do exército estão alertando que Israel pode enfrentar uma guerra civil se o país permanecer nessa trajetória. Os ministros Itamar Ben-Gvir e Bezalel Smotrich estão tentando dividir o exército e a polícia e transformá-los em milícias de extrema-direita para trabalhar ao lado das milícias de colonos ilegais na Cisjordânia ocupada.

O ex-primeiro-ministro israelense Ehud Barak alertou no ano passado sobre “a maldição da oitava década”. Israel, disse ele, pode deixar de existir antes de seu 80º aniversário se a divisão ideológica não for levada a sério.

O mês sagrado muçulmano do Ramadã começará na próxima semana. Centenas de milhares de palestinos e outros muçulmanos lotarão a Mesquita de Al-Aqsa na Jerusalém ocupada. Israel se preparou para isso enviando centenas de soldados para a área. O Ramadã se tornou uma fobia israelense nos últimos anos, pois tende a ver um aumento repentino da violência e, às vezes, das ofensivas militares das FDI durante o mês de jejum. Enquanto os muçulmanos vão à Mesquita de Al-Aqsa em busca de paz e serenidade, as forças e colonos israelenses insistem em provocar os fiéis para mostrar quem são os chefes; tal provocação muitas vezes gera uma forte reação. Este cenário tornou-se uma questão importante para discussão entre Netanyahu e seus homólogos estrangeiros.

Israel ficará entre a cruz e a espada: entre os palestinos que há muito sonham com a liberdade e estão dispostos a pagar por ela com suas vidas, e uma comunidade judaica dividida apanhada em um confronto existencial de sua própria autoria. O Ramadã de 2023 pode muito bem ser outro sintoma da “maldição da oitava década” do estado de ocupação.

LEIA: A emergente resistência é um alerta para a Autoridade Palestina

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments