Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Netanyahu faz visita surpresa à Jordânia, reúne-se com rei Abdullah

1
Rei da Jordânia Abdullah II em Amã [Corte Real Hachemita/Agência Anadolu]

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu fez uma visita surpresa à Jordânia na terça-feira (24), para encontrar-se com o rei Abdullah e manifestar seu respeito ao status quo político e legal da Mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém ocupada, segundo nota da Corte hachemita.

As informações são da agência de notícias Reuters.

No início de janeiro, Itamar Ben-Gvir, ministro de Segurança Nacional e deputado israelense de extrema-direita, voltou a invadir Al-Aqsa – complexo islâmico que judeus sionistas reverenciam como “Templo do Monte”, a fim de apagar a identidade árabe e cristã da cidade ocupada.

Ben-Gvir contou com escolta policial armada. Sua visita, naturalmente, indignou palestinos e foi recebida com notas de repúdio de estados árabes e da comunidade internacional.

Na última semana, policiais sionistas impediram Ghassam Majali, emissário da Jordânia a Israel, de entrar em Al-Aqsa, o que levou a novas tensões diplomáticas entre os países vizinhos.

O novo governo de Netanyahu tomou posse em 29 de dezembro, sob uma coalizão de extrema-direita após as eleições gerais de novembro – a quinta em menos de quatro anos. A Jordânia se tornou assim a primeira viagem ao exterior do novo premiê.

LEIA: Deputados jordanianos criticam resposta ‘fraca’ do governo a restrições em Al-Aqsa

Abdullah reiterou a Netanyahu que o país vizinho tem de respeitar o “status histórico e legal do santuário de Al-Aqsa e não deve violá-lo”. O monarca – cujas relações com o mandato anterior de Netanyahu foram marcadas por tensões – pediu fim da violência para restaurar as conversas de paz, há anos paralisadas, entre palestinos e israelenses.

“A fim de abrir caminho a um horizonte político para o processo de paz, temos de encerrar toda medida que prejudique seus prospectos”, afirmou a monarquia. “O rei reiterou o apoio resoluto da Jordânia à solução de dois estados, que assegura o estabelecimento de um Estado palestino nas fronteiras de 1967, com Jerusalém Oriental como sua capital”.

Conforme Netanyahu, ambos discutiram questões regionais, sobretudo cooperação estratégica, militar e econômica entre os países.

Jerusalém ocupada é um ponto particularmente sensível à dinastia hachemita da Jordânia, que detém custódia dos santuários cristãos e islâmicos da cidade.

O retorno de Netanyahu ao poder alimentou maior apreensão sobre políticas coloniais, entre as quais, expansão dos assentamentos na Cisjordânia e novos ataques. Amã teme provocações de grupos extremistas judaicos que conduzem ritos em Al-Aqsa.

A Jordânia é parceira dos Estados Unidos e abriga muitos refugiados palestinos. O reino guarda esperanças de que o presidente americano Joe Biden pressione Tel Aviv a preservar o status de Al-Aqsa, cuja manutenção é paga pelos cofres hachemitas.

Relatos indicam que Abdullah visitará Washington no fim de janeiro para reunir-se com Biden e outros políticos de alto escalão. A pauta deve incluir Jerusalém ocupada e o processo de paz no Oriente Médio.

O secretário de Estado dos Estados Unidos Antony Blinken falou com Ayman Safadi, ministro de Relações Exteriores da Jordânia, pouco após a invasão de Ben-Gvir a Al-Aqsa. Blinken reforçou a importância de preservar o status quo do local, segundo nota do Departamento de Estado.

LEIA: Se Israel quer um conflito, ‘estamos preparados’, alerta rei da Jordânia

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIsraelJordâniaNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments