Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Irã posiciona mais forças na região curda à medida que mais protestos surgem

1
Soldados iranianos marcham durante o desfile do Dia do Exército em Teerã. [Foto Behrouz Mehri/AFP via Getty Images]

Os meios de comunicação iranianos relataram que o Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana aumentou sua presença em regiões curdas tensas como parte de uma campanha para conter os protestos. Imagens de vídeo mostraram dezenas de pessoas protestando nas áreas de Baluch, no sudeste.

As manifestações em massa eclodiram rapidamente em todo o país após a morte da curda Mahsa Amini, de 22 anos, em 16 de setembro, detida pela polícia de costumes. As manifestações ocorreram em áreas minoritárias, principalmente áreas com minorias sunitas.

A agitação representou um dos maiores desafios para os governantes clericais xiitas do Irã desde que chegaram ao poder após a Revolução Islâmica de 1979.

O clérigo sunita que pertence à minoria sunita Baluch, Molavi Abdolhamid, pediu o fim da repressão aos protestos e as prisões e assassinatos durante a oração de sexta-feira.

O protesto do povo mostrou que as políticas dos últimos 43 anos chegaram a um beco sem saída”, ele escreveu em seu site.

Agências de notícias estatais informaram que mais unidades blindadas e forças especiais da Guarda Revolucionária estavam a caminho das regiões fronteiriças oeste e noroeste, onde reside a minoria curda, depois que reforços anteriores foram anunciados no domingo.

A Agência de Notícias Tasnim mostrou uma foto de sorridentes comandantes do Corpo da Guarda Revolucionária parados em um veículo militar e saudando uma longa fila de soldados.

LEIA: Copa do Mundo: Seleção do Irã fica em silêncio durante o hino, apoia protestos

O Irã acusou os países ocidentais de planejar a agitação e acusou manifestantes em áreas de minorias étnicas de agir em nome de grupos separatistas.

As autoridades intensificaram a repressão nas áreas curdas e, na segunda-feira, o comissário de direitos humanos da ONU notou relatos de mais de 40 mortes nessas áreas na semana anterior. O Irã anunciou na terça-feira que bombardeou um grupo curdo no norte do Iraque. Em seu sermão de sexta-feira, Abdolhamid condenou as alegações de que mulheres detidas foram maltratadas e violadas.

“Coisas são ditas sobre os maus-tratos às mulheres na mídia que são pesadas, e não consigo dizer”, ele expressou, aparentemente se referindo a relatos de supostos estupros de mulheres detidas.

Vídeos de mulheres Baluch e Sistan foram postados nas contas de mídia social de ativistas e grupos de defesa dos direitos humanos. A gravação aparentemente mostra protestos realizados na sexta-feira em várias cidades da região de Sistan-Baluchan, perto da fronteira com o Paquistão e o Afeganistão.

Um grupo com dezenas de homens marchando na capital da região, Zahedan, gritou contra o líder supremo do Irã, a milícia Basij e a Guarda Revolucionária, dizendo: “Os curdos e os baluch são irmãos”. Outro vídeo mostrou manifestantes em Zahedan carregando um manifestante ferido.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU, que votou na quinta-feira para iniciar a investigação sobre a campanha de opressão no Irã, pediu às autoridades que parem com a violência.

LEIA: Irã indicia 800 pessoas por ‘motins’ em três províncias

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasIrãNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPaquistão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments