Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Em Israel, o grande debate agora é tecnologia de espionagem vs. ativos humanos

1
Ataque cibernético, 19 de setembro de 2019 [Reuters/Kacper Pempel]

As agências de segurança israelenses ainda estão supresas com o relato do mês passado de que três cidadãos palestinos “árabes israelenses” conseguiram vazar informações confidenciais sobre a empresa de telefonia móvel de Israel Cellcom para o Hamas, após  uma rodada de testes para saber se o grupo  poderia interromper a infraestrutura da empresa. As agências de segurança de Israel alegaram que estavam muito perto de uma catástrofe descrita como um enorme ataque estratégico com consequências potencialmente terríveis.

Ao mesmo tempo, Israel está se lembrando de quando, em 2018, o Hamas expôs uma célula de espionagem no coração da Faixa de Gaza, matou o oficial responsável por ela e divulgou  resmas de documentação. Isso causou sérios danos a essa rede específica que também operava em países árabes vizinhos.

O estado de ocupação está confiando cada vez mais na tecnologia para segurança e coleta de inteligência, e negligenciando o elemento humano de espiões, colaboradores e fontes. As críticas a essa dependência da tecnologia estão aumentando, assim como os apelos ao uso de uma combinação de tecnologia e pessoas.

Tais críticas aumentam quando alvos de ataques da resistência palestina são detectados por meios tecnológicos sem qualquer aviso por parte de agentes humanos de que tais alvos existem em locais sensíveis. Sem ferramentas tecnológicas, isso poderia representar uma séria ameaça à ocupação.

Este debate remonta à descoberta pelo exército de ocupação dos túneis do Hezbollah no sul do Líbano e dos túneis do Hamas na fronteira leste nominal da Faixa de Gaza. Muitos foram localizados nas fronteiras,  claramente destinados a dar aos combatentes da resistência acesso ao norte e ao sul da Palestina ocupada.

Vários desses túneis só foram descobertos por causa da tecnologia, e não da intervenção humana. Isso indica uma fraqueza fundamental por parte dos serviços de inteligência israelenses. Imagine o dano ao estado de ocupação se assentamentos ilegais no norte e no sul fossem atacados por grupos de resistência palestinos e libaneses em ambas as frentes ao mesmo tempo.

LEIA: Israel ruma ao isolamento internacional com a ascensão dos fascistas

A liderança do exército de ocupação devia estar ciente de que túneis poderiam ser cavados em ambas as fronteiras, mas ele não tem informações específicas sobre eles. Como, é de se perguntar, um exército equipado com a mais recente tecnologia não conseguiu descobrir os túneis antes? A resposta está no que pode ser chamado de tentação de confiar nas informações obtidas exclusivamente pela tecnologia. Os israelenses parecem ter ignorado o fato muito óbvio de que os grupos de resistência sabem que essa tecnologia existe e, portanto, podem manter o “silêncio de rádio” para evitar espionagem, ou podem vazar informações enganosas.

A crítica à total dependência da tecnologia e ao descaso com os bens humanos pede um retorno aos velhos tempos da espionagem de guerra, lembrando a todos a importância dos espiões e de seu trabalho. O general e filósofo chinês Sun Tzu (544-496 aC), escreveu sobre isso em seu livro A Arte da Guerra. Ele dedicou um capítulo à importância de usar espiões para obter informações e enganar o inimigo.

Além disso, o Hezbollah e o Hamas podem não mencionar as operações de escavação de túneis em suas comunicações internas. Eles conseguiram camuflar suas operações e, assim, conseguiram enganar a tecnologia israelense. Onde estavam os oficiais de inteligência de Israel, dormindo? A abundância de tecnologia de inteligência ofuscou a importância básica dos recursos humanos?

Israel não nega o custo de suas atividades de espionagem nos países vizinhos. Mesmo na era da tecnologia, Israel ainda precisa de espionagem baseada em recursos humanos, que são difíceis de substituir. Os próprios espiões pagam um alto preço por seu trabalho arriscado. No entanto, os serviços de inteligência israelenses ainda recrutarão mais colaboradores, mas farão com que eles fiquem menos expostos, reduzindo as chances de sua descoberta, como aconteceu no Líbano, na Turquia e, antes deles, em 2018, em Gaza.

Israel entende o custo humano da espionagem, por isso deve ter planos para resgatar seus ativos humanos se e quando forem expostos, como Eli Cohen na Síria e Jonathan Pollard nos EUA. Alguns espiões israelenses foram capturados e executados; outros foram presos por muitos anos.

LEIA: Ex-empregado de Gantz é condenado a três anos por espionagem para o Irã

Embora os espiões e seus colaboradores sejam importantes para seus manipuladores na inteligência israelense, seu uso pode ter consequências catastróficas. Altos oficiais de segurança israelenses admitiram a seriedade desta questão e reconheceram que sem colaboradores, a inteligência israelense não pode realizar nada contra grupos de resistência armada. Eles são uma parte essencial do processo.

A existência de colaboradores dentro da sociedade palestina é prejudicial ao moral. Eles realizam tarefas importantes em nome de seus pagadores em Tel Aviv, permitindo que Israel realize ofensivas militares com o número mínimo de baixas, por exemplo. As informações que eles coletam em campo e compartilham com os agentes de inteligência em Israel pode ser analisada com a menor margem de erro.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments