Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Investigação da ONU conclui que ocupação da Palestina é Israel ‘ilegal’

1
Presidente da Comissão de Inquérito das Nações Unidas (ONU) sobre a Síria, Paulo Pinheiro em março 2, 2020 em Genebra [FABRICE COFFRINI/AFP via Getty Images]

A ocupação de Israel é ilegal sob a lei internacional, segundo novo relatório de uma Comissão de Inquérito da ONU. A conclusãose deve à permanência da ocupação e das políticas de anexação de fato do governo israelense; a ocupação de território estrangeiro é permitida pelo Direito Internacional Humanitário apenas como situação temporária. A ocupação da Palestina por Israel não apenas se tornou arraigada e provavelmente irreversível, mas também se tornou uma realidade permanente.

A comissão revisou as políticas e ações empregadas pelos sucessivos governos de Israel para manter a ocupação e anexar partes do Território Palestino Ocupado. A revisão foi baseada em entrevistas com especialistas e partes interessadas, e submissões recebidas após uma chamada para eles em 22 de setembro do ano passado.

O relatório de 28 páginas enfoca a manutenção e o avanço do empreendimento de assentamentos, bem como declarações feitas por autoridades israelenses indicando sua intenção de manter o controle permanente sobre a terra em violação ao direito internacional. Ao continuar a ocupar o território pela força, concluiu a comissão, Israel incorre em responsabilidades internacionais e continua responsável pelas violações dos direitos dos palestinos individualmente e como povo.

“Ao ignorar a lei internacional ao estabelecer ou facilitar o estabelecimento de assentamentos e transferir direta ou indiretamente civis israelenses para esses assentamentos, os sucessivos governos de Israel estabeleceram fatos para garantir o controle permanente de Israel na Cisjordânia”, disse Navi Pillay, presidente da Cisjordânia. da Comissão.

LEIA: Israel exige fim de comitê da ONU incumbido de investigar ataques a Gaza

Ao expor o status permanente da ocupação, o relatório também aponta para as políticas do governo israelense que tiveram um impacto sério e multifacetado em todas as áreas da vida palestina, incluindo o acesso a água limpa e acessível. Isso teve um efeito sério em todo o setor agrícola palestino, limitando as oportunidades de subsistência e, em particular, afetando as mulheres.

“Há tantos ‘danos silenciosos’ e traumas psicológicos que podem não ser imediatamente aparentes, resultantes da erosão dos direitos econômicos, sociais e culturais”, disse o comissário Miloon Kothari. “Esses processos debilitantes têm graves consequências a curto e longo prazo e devem ser urgentemente resolvidos”.

No início deste mês, 143 estados membros da ONU, incluindo Israel, votaram a favor de uma resolução da Assembleia Geral reafirmando que qualquer tentativa de anexação unilateral do território de um estado por outro estado é uma violação do direito internacional.

A Comissão de Inquérito dedicou parte significativa de seu relatório a revisar o impacto das políticas de ocupação e anexação de Israel sobre os direitos humanos palestinos, observando o ambiente coercitivo destinado a forçar os palestinos a deixar suas casas e alterar a composição demográfica de certas áreas.

Em 27 de maio de 2021, o Conselho de Direitos Humanos concordou em estabelecer uma comissão de inquérito internacional independente e contínua para investigar, no Território Palestino Ocupado, incluindo Jerusalém Oriental, e em Israel, todas as alegadas violações do direito internacional humanitário e abusos de direitos humanos internacionais. lei de direitos humanos até e desde 13 de abril de 2021. A comissão publicou vários relatórios desde sua formação.

Categorias
IsraelNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments