Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Novas medidas são necessárias para que Israel cumpra a lei internacional, diz a comissão da ONU para a Palestina

Na conferência de imprensa de 2 de dezembro de 2013, a então Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos Navi Pillay realizou uma entrevista coletiva nos escritórios das Nações Unidas em Genebra. [FABRICE COFFRINI/AFP via Getty Images]

A Comissão Internacional Independente de Inquérito das Nações Unidas sobre o Território Palestino Ocupado disse ontem que a comunidade global deve explorar urgentemente novas maneiras de garantir o cumprimento do direito internacional por parte de Israel.

A ex-comissária de Direitos Humanos da ONU Navi Pillay apresentou ao Conselho de Direitos Humanos o primeiro relatório da comissão sobre os Territórios Palestinos Ocupados e Israel.

“É nossa firme opinião também que a ocupação contínua do território palestino, incluindo Jerusalém Oriental e Gaza, o bloqueio de 15 anos de Gaza, e a discriminação de longa data dentro de Israel, estão todos ligados e não podem ser vistos isoladamente”, disse ela.

Dada a clara recusa de Israel em tomar medidas concretas para implementar as conclusões e recomendações de comissões anteriores, a comunidade internacional deve explorar urgentemente novas maneiras de garantir o cumprimento do direito internacional.

A jurista sul-africana disse que a comunidade internacional não havia tomado medidas significativas para garantir o cumprimento do direito internacional por parte de Israel e influenciá-lo a pôr fim à ocupação.

LEIA: ‘Israel é um estado de apartheid – legal, politica e moralmente’, conclui conferência histórica

Pillay disse que o estado de “ocupação perpétua” da Palestina e a discriminação de longa data tanto em Israel quanto na Palestina é uma causa fundamental por trás da violência em curso.

“Ameaças de desalojamentos forçados, demolições, construção e expansão de assentamentos, violência dos colonos e o bloqueio de Gaza contribuíram e continuarão contribuindo para ciclos de violência”, disse o antigo chefe dos direitos.

Ela disse que a realidade que perdura por décadas traz um sentimento geral de desespero e desesperança dentro da população palestina na Palestina, em Israel e na diáspora.

“Eles ficam sem esperança de um futuro melhor que lhes proporcione sua plena proteção dos direitos humanos, sem discriminação”, disse Pillay.

A atual situação de ocupação e discriminação, explicou ela, é utilizada pelos “detentores de direitos legais” palestinos para justificar suas violações e abusos do direito internacional, incluindo o fracasso da Autoridade Palestina em realizar eleições legislativas e presidenciais.

Categorias
IsraelNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments