Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Primeiro-ministro espanhol reitera na ONU apoio à solução do Sahara Ocidental

1
Pedro Sanchez, primeiro-ministro da Espanha, fala durante a Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU) em Nova York, EUA, na quinta-feira, 22 de setembro de 2022. 22 de fevereiro de 2022 [Jeenah Moon/Bloomberg via Getty Images]

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez surpreendeu os observadores depois de ignorar a proposta de autonomia marroquina para resolver a questão saharaui e concentrar-se nas resoluções das Nações Unidas (ONU) sobre o caso. Em seu discurso perante a 77ª sessão da Assembleia Geral, ele deu um passo à frente no cortejo da Argélia.

Na noite de quinta-feira, ele disse que o seu país apoia a solução política acordada entre as partes envolvidas no dossier do Sahara Ocidental, Marrocos e a Frente Polisário. Afirmou  que seu país apoia os esforços do enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas no conflito, Staffan de Mistura. Ele também destacou o apoio aos refugiados sarauís nos campos de Tindouf.

1

Primeiro Ministro da Espanha Pedro Sanchez [Reprodução]

Ao contrário de sua defesa anterior da proposta de autonomia marroquina em sua famosa carta enviada em 18 de março ao rei do Marrocos Mohammed VI, desta vez, Sánchez não se referiu a essa proposta, mas sim expressou simpatia pelos refugiados.

A imprensa espanhola comentou extensivamente o fato de Sánchez ignorar a proposta de autonomia. O jornal argelino Echorouk especulou se o primeiro-ministro espanhol teria retirado seu apoio ao princípio da autonomia marroquina sobre o Saara Ocidental. A Frente Polisario comentou que Sánchez não poderia defender a autonomia ao discursar de uma plataforma da ONU, que tem outra orientação. Marrocos permaneceu em silêncio sobre o assunto, e sua imprensa não emitiu nenhum comentário.

O discurso de Sánchez é considerado mais um passo na reaproximação da Argélia depois que a Espanha sofreu grandes perdas econômicas devido ao boicote argelino. A Argélia, que apoia a Frente Polisario, retirou seu embaixador de Madri, o designou para Paris e interrompeu as importações espanholas em junho passado.

LEIA: Chanceler do Marrocos cancela encontro com chefe de diplomacia da Europa

A imprensa nacional espanhola informou que desde a decisão da Argélia de suspender as importações da Espanha, Madrid perdeu 235 milhões de euros só em junho e julho, e as perdas podem ultrapassar os 350 milhões de euros se for contabilizado agosto.

Sánchez procura persuadir a Argélia a se reconciliar para evitar mais perdas, já que a Espanha perdeu as exportações adicionais de gás que a França e a Itália adquiriram. A empresa argelina Sonatrach pretende aumentar o preço do gás em 50 a 100 por cento. Ao mesmo tempo, a Espanha não quer perder sua posição de principal cliente do gás argelino.

Categorias
ÁfricaArgéliaÁsia & AméricasEspanhaEstados UnidosEuropa & RússiaFrançaNotíciaONUOrganizações Internacionais
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments